Quinta-feira, 30 de Novembro de 2006

 

 

 

 

 

           

O velho Aurélio vivia à ponte, do outro lado do palheiro do meu avô, numa casa térrea com alpendre e pátio empedrado e trabalhava à jorna. Quase todos os dias o via a subir a ladeira da misericórdia, os caldeiros na mão para encher no chafariz, outras vezes, sentado na pequena pedra ao portão do pátio, sempre de cigarro no canto da boca.

            Naquela altura já teria quase setenta anos e era, um belo velhote. Magro, a cor acastanhada do rosto, o cabelo e bigode brancos, de um branco amarelado e liso. No canto da boca o cigarro.

O meu entendimento, de seis anos, era ainda pouco para ler as feições calmas do Aurélio e atribuir-lhes significado. Mas ainda me lembro daquele rosto calmo, magro, com um invulgar sorriso a observar as brincadeiras das crianças no largo do chafariz.

            -Corram para aí – dizia sorrindo – corram!

            E sentava-se no muro, de pernas viradas para a ladeira. Puxava o chapéu para a nuca, tirava a saqueta do tabaco, as mortalhas, do bolso da jaqueta preta e ali ficava, tempos infinitos, a enrolar o cigarro.

            -Ó ti Aurélio – gritávamos-lhe  – olhe os caldeiros, que verterem!

            Ele nada dizia. Ficava ali sentado a descansar em silêncio, gozando o sol fraco da tarde, até ficar escuro. Nós corríamos ferozmente por aquelas esquinas a jogar ás escondidas. Saltávamos o muro, brigávamos, fazíamos barulho.

            Ele voltava de vez em quando a cabeça desgastada na nossa direcção e nos seus lábios surgia a ponta fumegante do cigarro e aquele sorriso frio e indiferente que ele habitualmente tinha. Enquanto o cigarro se consumia, as suas recordações andavam bem longe dali. Parava de sorrir, apoiava as mãos no muro, inclinava um pouco a cabeça grisalha e fazia um olhar desligado e brilhante e ao mesmo tempo turvo, o olhar que têm os pardais quando estão presos numa gaiola.

Sobre a testa alta caíam os riscos brancos da madeixa e em toda aquela figura nada mais se movia, para além daquela linha estreita e gasta de boca, que de vez em quando soprava uma coluna de fumo.

A sombra da capela deslizava ao longo do muro e descia a ladeira, cada vez mais comprida e fantástica, até que daquele velho restava apenas a silhueta de um gigante sentado, rodeado por uma fina nuvem de fumo. Do lado da ponte e da horta do Ti Albino Marques, a escuridão crescia, as empenas das casas, os telhados, desvaneciam-se na sombra generalizada, aqui e ali, uma janelinha acendia-se com o seu olho vermelho, e no meio daquilo tudo ele ficava a ruminar até ficar enregelado.

Quando via que a lareira de casa começava a fumegar, levantava-se calmamente, pegava nos caldeiros, e de mortalha apagada no canto da boca, descia as escadas da misericórdia, como se entrasse num mundo de trevas imaginário e impenetrável.

 



publicado por Manuel Maria às 16:48 | link do post | comentar

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
blogs SAPO
subscrever feeds