Segunda-feira, 20 de Novembro de 2006

 

 Guarda - Kirche Sé

             Retábulo da Sé da Guarda

 

            Entrando na cidade pela Porta do Sol, logo à nossa direita, descobri uma característica tasca, daquelas que ainda é frequentada por indivíduos de cepa antiga, beirã, e onde se bebe o bom vinho caseiro da região. Era pegada à cerca da muralha, uma divisão térrea e acanhada no rés-do-chão.

            Sobre a porta, pintada a vermelho, a letras pretas, a inscrição: “Tasca do Benfica”. Na pequena janela, enfeitada com papel de renda, um cartaz informava que ali serviam jeropiga caseira a copo. Espreitei por cima do postigo da porta. O espaço era simples, sem mais mobília que uma mesa de tampo em mármore e dois bancos de madeira. Era simples, mas não parecia austero, pois sobre o tecto, ao longo de todo o cumprimento das paredes, estendiam-se várias prateleiras fundas, também pintadas a vermelho, com grande variedade de bebidas, enchidos, presuntos e queijos. Num dos cantos amontoavam-se garrafas vazias, algumas delas já partidas. Da parede branca sobre a mesa, pendia uma litografia amarelecida da formação do Benfica de há umas décadas atrás, onde reconheci ainda o Zé Henrique, o Artur Jorge e o Simões.

            Apeteceu-me a jeropiga. Ia a entrar, quando do alpendre de uma casa apalaçada, mesmo na esquina da Rua de S. Vicente, me chamaram:

            - Anda, pai, a Catarina já desapareceu!

            No encalço da Catarina, seguimos pela rua, passando por alguns bares recentes e desaguamos no Largo da Sé. Está diferente o largo. Lançaram-lhe pavimento novo em granito azul polido e desterraram a estátua de D. Sancho para um recanto invisível da praça. De resto, as casas comerciais, as fachadas, ainda são as mesmas de há vinte e seis anos, quando daqui saí.

            Atravessando a praça, subimos a escadaria da . O mesmo guarda-vento em castanho, com duas entradas laterais, uma de cada lado, faz de antecâmara. È um templo de três naves em estilo gótico, gótico tardio e alguns acrescentos em manuelino e renascença nos pórticos das capelas laterais. No altar-mor, sobre o cadeiral do cabido, lá está o bonito retábulo de João de Ruão que sobe até às lanternas da cabeceira. A base foi roubada nas invasões francesas e assenta agora em grossas pilastras de granito. Do lado do Santíssimo, o bonito altar renascentista em pedra ançã e os mesmos bancos do coro, onde tantas vezes, devidamente paramentado de batina e sobrepeliz, me sentei. O altar central é agora novo, de um granito azul polido, semelhante ao da praça, a destoar de toda a .

            O mesmo cheiro a mofo e a cera derretida, a beatas, a mesma penumbra de há vinte anos atrás. O sacristão que preparava o altar para a missa vespertina é que já não é o mesmo. No tocheiro de uma das capelas, algumas velas colaram-se e alteram a chama. O sacristão acudiu a extinguir o fogo.

            - Estúpidos dum c… - e soprava esbaforido – estúpidos dum caraças!...

             Ainda corri os bancos à procura do nome e a data, que fizera com a cruz do terço num aborrecido ofício de Páscoa em 1980. Já não os encontrei. Concluí que se o nome e data se tinham apagado, nada mais havia para ver, nem mais coisa alguma me prendia aquele lugar. Dei meia volta e saí, assim… sem mais.

            - Espera pai, A Catarina ficou para trás.

            -Vai chamá-la, senão fica cá! -respondi, visivelmente contrariado.    

            Dai a segundos reaparecem as duas na escadaria. Consulto o relógio: Uma da tarde, bem em cima da hora de visita no hospital e quase sem tempo para almoço.

            - Meninas, vamos lá a desenvolver – atiro zangado-. Porque demoraste, Catarina? Não sabes que o pai tem pressa?

            -Estive a ler a pedra de uma sepultura – ía a censurá-la pelo atraso, mas ela, esperta, atalhou – não sabes o que dizia a pedra, pai?

            -Sei lá o que dizia a pedra…-e impaciente, consultando de novo o relógio – Já agora, o que dizia a bendita pedra?

            -A pedra dizia: Aqui jaz o Padre Costa, sua mulher e filhos!

            Risada da Marta àquela tradução livre da lápide funerária – Sua tonta, como pode ser, se os padres não casam?…

            Bem dispostos demos as mãos – «mas alguns casam, filhas…», comentei, malicioso –, descemos a escadaria apressados, metemos pela Rua dos Ferreiros e fugindo à chuva miudinha, abancámos no primeiro restaurante aberto que encontrámos.

 

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 15:01 | link do post

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
blogs SAPO
subscrever feeds