Segunda-feira, 15 de Setembro de 2008

 

  

           Aqui ficam, em forma abreviada, umas dicas para mostrar ao Sócrtaes como saír da crise. Trata-se do extracto de um capítulo do "tratado de Política" de Aristóteles e a que sintomáticamente o filósofo deu o título de "desalento".

            As notas entre chavetas são da minha autoria e do tempo em que estudei ciência política. Espero que também lhe sejam úteis, caso alguma alma penada socialista passe de relance por este limbo e tenha a amabilidade  de lhas fazer chegar no inferno:

 

            «Os demagogos deste tempo, para fazerem a corte ao povo, procuram-lhe, por intermédio dos tribunais muitos confiscos.

            Os que levam a peito a salvação do Estado devem agir de maneira diversa e, em lugar de se apropriarem em proveito do povo, dos bens dos condenados, devem consagra-los à religião. (promoção de valores ético-políticos comuns, que fazem o substrato da nação e que estão consagrados nas constituições dos Estados modernos)

            O castigo será o mesmo e porá termo, igualmente aos crimes, mas o povo mostrará menos pressa em condenar, uma vez que não tirará qualquer proveito da sentença. (primado da lei geral e abstracta)

            Além disto, os legisladores devem tomar muito raras as acusações públicas estabelecendo penas graves contra aqueles que agem levianamente, porque não são as pessoas comuns, mas os meios mais distintos, que se costumam atacar e vexar deste modo. (política legislativa e judicial em função do desvalor social do acto, independentemente do poder económico do agente)

            È preciso inspirar a toda a gente, sobretudo aos cidadãos, afecto pelo governo, tanto quanto se puder, ou, pelo menos, evitar que os grandes sejam considerados como inimigos… (a necessidade da honra e ética na política, para que o exercício da função governativa seja respeitada)

            […] Quando o Estado tem finanças reduzidas, não se devem convocar assembleias nacionais senão muito raramente; da mesma forma, não se devem reunir tribunais numerosos senão por poucos dias. (a politica governativa maximizando a  eficiência do aparelho do Estado e dos tribunais para poupar recursos)

            […] Se há rendimentos insuficientes, não é preciso, como fazem os demagogos, distribuir o dinheiro que resta ao simples povo. Ainda não acabou de recebê-lo e já se encontra de novo na indigência, porque estas pessoas são barris furados a quem esta liberalidade não traz qualquer proveito. (a inutilidade e demagogia de medidas que não resolvem o problema da miséria)

            Um homem (governante) verdadeiramente popular deve, antes, providenciar para que o povo não seja demasiado pobre.

            A miséria é a fonte de todos os males na democracia. È preciso, portanto encontrar maneira de toda a gente desfrutar dum nível de vida aceitável, e isto duma forma duradoura; isto servirá para os próprios ricos. (a miséria é o principal mal da democracia. O bem estar material do povo é a principal função do governante)

            O melhor investimento dos rendimentos públicos, quando se determinou a sua recepção, é ajudar com liberalidade os pobres para os colocar em situação quer de comprarem um pedaço de terra ou de instrumentos para o seu trabalho, quer de montarem um pequeno comércio. (a política social com investimento na requalificação das pessoas e apoio aos pequenos produtores de base)

            Se não for possível socorrê-los a todos, que ao menos se ponham os subsídios na caixa de alguma tribo ou cúria ou de uma parte de estado, ora numa ora noutra. (apoio às colectividades e associações de base)

            Obrigar-se-ão os ricos a contribuir para as despesas das assembleias necessárias, em vez de se dedicarem a gastos frívolos e puramente faustosos […] (a política fiscal pela tributação com escalões progressivos para os mais ricos e para o consumo supérfluo)»

 

Aristóteles, filósofo grego, preceptor de Alexandre Magno, in “Tratado de Política”, tradução das publicações Europa-América, 2.ª ed, pág 180

 



publicado por Manuel Maria às 16:10 | link do post

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
blogs SAPO
subscrever feeds