Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2008

 

 (O Amilcar com o major)

 

  

            Episódio 1

 

            Estávamos todos à porta do tribunal, gozando o sol da manhã, o Amílcar Fernandes o João Medeiros, o Pinto de Sousa e eu. Os Jornalistas, também em grupo, uns passos mais distantes, tentavam apanhar-nos o fio da conversa.

            -Havias de cá ter estado ontem – diz-me o Medeiros – foi uma tourada – referindo-se à pega do Major, no dia anterior, com a inspectora Leonor da  PJ.

            - Ouvi comentar…

            - Eles picaram-no cá fora de propósito –explica o Amílcar- e sabendo como ele ferve, estavam à espera de quê?

            De repente os jornalistas começam a correr escadas abaixo. Risada geral no nosso grupo.

            -Olha, o gajo já chegou – observa o Amílcar.

            Daí a instantes, ouve-se o vozeirão do major, que vem a subir as escadas e cumprimenta os jornalistas:

            - Bom dia meus senhores.

            Para no primeiro patamar. Faz pose para as fotografias e desafia:

            - Já todos tiraram?

            O Pinto de Sousa não contém o riso. Libertando-se dos jornalistas o Major dirige-se ao nosso grupo e antes de nos cumprimentar, um a um, lança uma piada ao Pinto de Sousa:

            - Parece que te está a correr bem a vida, Zé! -e antes que este pudesse responder, conclui – é que hoje estás muito bem disposto…

            Nova risada no grupo.

 

 

            Episódio 2

 

            Após uma extenuante sessão de julgamento, estou quase a chegar a casa. O telemóvel toca. Penso: se for algum cliente nem atendo; não estou com disposição para mais assuntos de trabalho, por hoje. No visor aparece o número do tribunal e do outro lado a voz da D. Fernanda:

            - Boa noite doutor João…

            -Boa noite D. Fernanda… que me quer a estas horas?

            -Desculpe o mau jeito… mas vai ter de voltar para trás…

            -Para trás como?

            -É que o senhor Doutor Juiz resolveu inquirir mais uma testemunha... fora do horário de expediente…

            -Hum… -respondo divertido- nessa não caio… D. Fernanda.

            Então ela foi directa ao assunto:

            -Sabe, doutor – desculpa-se- tenho que desconvocar uma testemunha, que estava para amanhã…

            -Então desconvoque-a D. Fernanda – brinco eu- está autorizada…

            -Deixe-se de brincadeiras doutor… é que não tenho o número… é o António Ribeiro….

            -Sim…. estou a ver quem é… é o ourives, não é?

            -Sim, doutor; esse mesmo.

            -E que pretende de mim, D. Fernanda?

            -O número dele, doutor… o número…

            -Mas o número está no processo, D. Fernanda; na identificação das testemunhas e nos autos de inquirição…

            -Eu bem sei doutor… mas o senhor procurador e o senhor juiz têm o processo fechado a sete chaves…

            -Ora, D. Fernanda… porque havia logo eu de ter o número do homem?

            -É que o senhor conhece bem o processo e lembrei-me que talvez soubesse…

            -Quem deve saber - provoco-a-  é o Oliveira e O Castro Neves. Há no processo uma transcrição de escuta em que o Oliveira dá o número ao Castro… porque não liga a um dos dois?

            - Ora doutor… não me arranja você o número que vem na transcrição?

            E lá fui consultar a transcrição e tirei o número para que a testemunha pudesse ser desconvocada às 21.00 horas desse mesmo dia.

 

 

Episódio 3

           

            Na sessão de ontem foi ouvido como testemunha o António Garrido, conhecido ex-arbitro internacional de futebol, o qual falou de arbitragem e dos árbitros em geral.

            A certa altura do seu depoimento, a pergunta do Juiz sobre se era normal haver contestação aos árbitros quando as equipas da casa perdiam, com alguma graça respondeu:

            -Sabe, senhor doutor, na minha juventude, quando ainda não era arbitro e ía ver o jogos da equipa do meu coração – o marinhense- eu era o pior inimigo dos árbitros que podia haver; chamava-lhes os piores nomes possíveis. Agora compreendo bem melhor o papel dos árbitros e acredito neles.

            Depois foi interrogado pela acusação, assistente e defesa. Quando chegou a vez do Amílcar Fernandes, este recostou-se no cadeirão, respirou fundo e atirou:

            -Sabe Senhor Garrido, ao ouvi-lo aqui dizer que até o senhor chamou nomes aos árbitros, a minha alma fica em paz – e abrindo os braços, deixando caír as mangas da toga, até se lhe verem os punhos da camisa branca– é que, confesso-o aqui publicamente, eu a si também já lhe chamei muitos nomes feios!

            Risada geral na sala.

           

 



publicado por Manuel Maria às 10:22 | link do post

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
blogs SAPO
subscrever feeds