Terça-feira, 27 de Fevereiro de 2007

 

 

 

  

            Nessa tarde, à saída do escritório esbarrei com o meu antigo professor de desenho. Já não nos víamos há uns anos e acabámos na cervejaria da esquina a beber umas canecas e a petiscar uma orelheira, enquanto recordávamos os velhos tempos. Separámo-nos já pela noitinha, bem aviados.

            Á noite, chegou a minha namorada no expresso de Lisboa, mas como ainda tinha uma aula de literatura a dar, convidei-a a assistir. A tarde de copos não me permitiu preparar convenientemente a aula, pelo que, apanhando um livro à sorte na secretária e folheando-o, parei num belo texto de António Gedeão, que resolvi analisar com os meus alunos.

            Entre eles, havia uma freira dos seus vinte e poucos anos, originária de uma numerosa família do Minho; boa aluna por sinal. Depois de uma breve introdução biográfica sobre o autor, pedi, como habitualmente fazia, a um aluno que lesse o seguinte poema:

 

Luísa sobe,
sobe a calçada,
sobe e não pode
que vai cansada.
Sobe, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.

Saiu de casa
de madrugada;
regressa a casa
é já noite fechada.
Na mão grosseira,
de pele queimada,
leva a lancheira
desengonçada.
Anda, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.

Luísa é nova,
desenxovalhada,
tem perna gorda,
bem torneada.
Ferve-lhe o sangue
de afogueada;
saltam-lhe os peitos
na caminhada.
Anda, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.

Passam magalas,
rapaziada,
palpam-lhe as coxas
não dá por nada.
Anda, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.

 

 

         Aqui interrompi a leitura e pedi à freira que comentasse o poema. Ela, levantando os olhos do caderno de apontamentos, fitou-me demoradamente, mas nada disse. Eu insisti e quis saber “que efeito poético utilizava o autor para traduzir a vida árdua e repetitiva da Luísa”. Novo silêncio. Perguntei se alguém na sala sabia. Ninguém.

            Então lá fui explicando, que era através da repetição do “sobe” no início de cada verso. Quis saber um exemplo concreto no poema, onde resultasse nítida a vida cansativa de Luísa. Ninguém sabia também. Perguntei à freira. Novo silêncio.

            -Então –expliquei- não será na parte em que passam os magalas, lhe apalpam as coxas e não dá por nada?

            -O Sr. Doutor lá deve saber – respondeu, trocista, a freira.

E a leitura continuou:



Chegou a casa
não disse nada.
Pegou na filha,
deu-lhe a mamada;
bebeu a sopa
numa golada;
lavou a loiça,
varreu a escada;
deu jeito à casa
desarranjada;
coseu a roupa
já remendada;
despiu-se à pressa,
desinteressada;
caiu na cama
de uma assentada;
chegou o homem,
viu-a deitada;
serviu-se dela,
não deu por nada.
Anda, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.


Interrompi de novo, para saber onde é que no poema resultava a vida agitada de Luísa. Ao novo silêncio, lá fui explicando, que “era nas tarefas diárias que exaustivamente o autor descrevia”.

            -E já agora – indaguei da freira- em que parte do poema se viu o extremo cansaço da Luísa ao fim do dia?

            - O senhor Doutor é que deve saber…

- Então não foi quando - observei- caiu na cama, o homem se serviu dela e não deu por nada?

            E prosseguiu a leitura:


Na manhã débil,
sem alvorada,
salta da cama,
desembestada;
puxa da filha,
dá-lhe a mamada;
veste-se à pressa,
desengonçada;
anda, ciranda,
desaustinada;
range o soalho
a cada passada,
salta para a rua,
corre açodada,
galga o passeio,
desce o passeio,
desce a calçada,
chega à oficina
à hora marcada,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga;
toca a sineta
na hora aprazada,
corre à cantina,
volta à toada,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga.
Regressa a casa
é já noite fechada.
Luísa arqueja
pela calçada.
Anda, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada,
Anda, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada,
Anda, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada...

Anda, Luísa, Luísa, sobe,
sobe que sobe, sobe a calçada...!

 

            Descendo pelo corredor, fui aludindo à forma magistral como em todo o poema, António Gedeão usa e abusa da diácope, da anadiplose e da anáfora para retratar a vida dos trabalhadores dos subúrbios de Lisboa. E aproximando-me da carteira da freira, propus-lhe que, sinteticamente, me fizesse um retrato físico e psicológico de Luísa, relação amorosa incluída.

            Aí ela, virando-se na cadeira, para melhor ver a minha namorada sentada na carteira lá do fundo, atirou:

            - Ora, porque não pergunta àquela senhora? Ela deve saber bem mais dessas coisas do que eu!

            E dei por concluída a minha aula.

 

 



publicado por Manuel Maria às 04:07 | link do post | comentar

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds