Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2007

 

 

Regicídio, ilustração de Carlos Alberto.

 

           

Manuel Buiça, um dos regicidas, foi um respeitado mestre-escola numa pequena vila do Distrito de Beja. A sua vida resumiu-se durante anos ao caminho entre casa e a escola, onde ensinava, diz-se, com inexcedível zelo, a cartilha maternal.

Os dias, as noites, as estações, os trabalhos do campo corriam também iguais, ano após ano; o latifundiário no conforto da sua casa senhorial, colhendo o lucro; os jornaleiros nos miseráveis casebres dos montes, vendendo a saldo a força bruta do trabalho, e o Buiça, ensinando a mesma cartilha a gerações de petizes, que se iam revezando nos bancos da escola.

Isto foi assim, até ao ano em que a ditadura de João Franco permitiu que o preço do pão aumentasse num só mês, mais de 300%. Aí os jornaleiros acordaram da letargia política em que viviam e perceberam que se o pão sai todos os dias a fumegar do forno, é porque alguém o lavrou, semeou, ceifou, malhou, moeu, tendeu e cozeu.

Daí à premissa de que sem o trabalho, a terra nada vale, foi um passo; o suficiente para, inconscientemente, fazerem meio percurso na teoria marxista da luta de classes. A “síntese” viria com a greve geral aos trabalhos agrícolas daquele Verão, reclamando o aumento em dois reis a jorna.

Vieram agitadores da capital organizar a greve. Fizeram-se piquetes; o povo cerrando os punhos na sua luta, que a batalha pelo pão, seja em que circunstância for, é sempre justa. O capital não desarmou e enviou a tropa intimidar o povo tresmalhado, reconduzi-lo ao redil dos montes, à escravidão do campo.

Os grevistas cerraram fileiras, não arredaram pé, e a greve prolongou-se por várias semanas com as searas por ceifar em todo o Alentejo, a fome rondando as casas portuguesas.

Como já não é de agora, a “corda acaba por rebentar sempre no lado do mais fraco”; e assim sucedeu: Os jornaleiros se não trabalhavam, também não ganhavam; e se não ganhavam… não comiam. É a outra face do materialismo dialéctico de Hegel, que Marx nunca explicou.

A fome generalizou-se, e aos poucos, o clamor das barrigas vazias ouviu-se bem mais alto que o das ordens de luta inspiradas nos socialismos hegeliano e proudhoniano. É que a utopia é bonita, mas a realidade... bem diferente.

A desmobilização tornou-se, pois, inevitável. O problema seria a repressão que se adivinhava sobre os cabecilhas da greve.

E foi aqui que o nome de Manuel Buiça, entrou na História. Indigitado pelos grevistas, dirigiu-se ao governo civil de Beja, negociando a rendição em troca de uma “amnistia geral”.

            Obtida a garantia sobre “palavra de honra” do governador, que assim seria, conseguiu o Buiça o fim da greve, dando também a sua “palavra de honra” de que não haveria represálias.

            Mas não foi isso que aconteceu. João Franco querendo prevenir futuros levantamentos populares, resolveu fazer do caso um exemplo paradigmático e ordenou a prisão dos cabecilhas, que foram levados a ferros para a sede distrital, torturados, julgados e deportados para as colónias, que o mesmo é dizer: condenados à morte.

            O Buiça, que havia “empenhado a sua honra” na realização desta diligência, sentiu-se traído. Agora os olhares que se cruzavam com ele no caminho de casa para a escola já não eram de respeito e admiração, mas de silenciosa e pesada acusação. Ninguém o dizia, mas os olhares, só por si, falavam: O carrasco fora ele… não outro.

            Remoendo a tristeza e a raiva durante dias, decidiu que não podia viver assim... sem honra. Vai daí, jurou repara-la. Mas repará-la como? Do governador civil, “pau mandado” de Lisboa e também ultrapassado na situação, como ele? Não; o mentor estava no terreiro do paço e tinha um nome: João Franco. Ele lha lavaria com sangue, que à honra dos homens é com sangue bem quente, a jorrar das feridas, que se lhe apaga as nódoas.

            Se bem o pensou, melhor o fez. Numa soalheira manhã, deixando a porta de casa simplesmente no trinco, como sempre fazia quando ia para a escola, partiu ele para Lisboa, onde gradualmente, se foi integrando nos grupos da carbonária e do partido republicano, sempre com o fito de matar João Franco.

            E na tarde do fatídico 1 de Fevereiro de 1908, lá estava o Buiça nas arcadas do terreiro do paço, carabina aperrada sob o varino, à espera do João Franco, como de um coelho.

            Só que a História tem destes imprevistos: Após a recepção ao rei no cais das colunas, João Franco, que, dizem, já andava desconfiado, resolveu não acompanhar a comitiva e atalhou pelo edifício do arsenal.

            O Alfredo Costa, outro dos regicidas, rompendo em pânico pela multidão, chegou-se ao Buiça e, aludindo ao João Franco, desabafou:

            -Aquele porco, vai-se-nos escapar outra vez!  - E apontando para o landau onde vinham o rei e o príncipe-herdeiro - Já que aqui estamos… e se aproveitássemos para deitar abaixo  aqueles dois?

            Ao que o Buiça, saindo das arcadas e levando a carabina acima do ombro, retorquiu:

            - Vamos a isso, então!

A História, nesse preciso momento, deu uma reviravolta; e o Buiça não deitou abaixo o “coelho”… mas duas “lebres”! Uma grande... outra média, “de uma cajadada só”! .

 

           

           

 



publicado por Manuel Maria às 14:29 | link do post | comentar

6 comentários:
De CENTENARIO DO REGICIDIO a 18 de Novembro de 2007 às 18:10
Como poderá ver, o Regicídio não é o divertido caso que se passou nem como o retrata neste texto.

O Regicídio é um crime nojento, tal como seria matar o Presidente da República. Assassinio não tem justificação possível, nem no passado nem no presente.

As "lebres" eram seres humanos, percebe?... Matar seres humanos é errado, tal como foi errado implantar um regime ilegalmente, tendo como berço um banho de sangue.

Site do Centenário do Regicídio:

http://www.regicidio.org


De António Nunes a 25 de Fevereiro de 2008 às 11:22
Gostava que o meu bom amigo/a me desse uma, só um exemplo de um regime implantado de outra forma. Eu conheço um exemplo em todo o mundo gostava que me desse um, esse ou outro. Depois digo-lhe qual é.


De Manuel Maria a 28 de Fevereiro de 2008 às 10:14
Claro que é errado. Precisamente... eles abateram-nos como duas lebres. Foi a paida de mau gosto que correu entre os meios republicanos.


De António Nunes a 25 de Fevereiro de 2008 às 11:19
Gostava de saber, muito, quais as fontes que comprovam esta passagem de Buiça pelo distrito de Beja

ac.augusto@gmail.com

Obrigado


De Manuel Maria a 28 de Fevereiro de 2008 às 10:13
Por exemplo Raul Brandão, Memórias.


De Manuel Maria a 28 de Fevereiro de 2008 às 10:21
Há fontes. A historigrafia das revoltas dos jornaleiros contra os latifundiários, contra a carestia do pão e pelo aumento das jornas, na ditadura de JOÃO FRANCO.
Aliás o Buiça tem um passado comum com o Aquilino. Ambos do Minho, ambos filhos ilegitimos de padres ( O Buiça do abade de Vinhais), ambos ex-seminaristas ( O Aquilino estudou nos seminários de Viseu e depois de Beja). Nãoé por acaso que fossem amigos e compadres.
Mas isto não faz parte da historiografia oficial, pois não?


Comentar post

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds