Quinta-feira, 5 de Setembro de 2013

 

 

 

              No tempo em que, por iniciativa de D. Carlos a ditadura de João Franco interrompeu a instabilidade governativa do rotativismo (dez governos em cinco anos) legislando por decreto e sem apoio parlamentar nem eleições, a emigração portuguesa no Brasil enviou ao ditador uma carta de apoio com trinta mil assinaturas.

 A missiva foi entregue em mão por uma solene comitiva, vinha dentro de um pomposo estojo de seda azul com uns fechos em ouro e começava aludindo alegoricamente à retirada dos dez mil de Xenofonte, que fugindo dos persas e chegando ao mar onde se viram a salvo, gritaram: O mar! O mar! Que em grego se diz talassa.

A missiva terminava por isso nestes termos:

«Talassa! Talassa! O mar! o mar! Eis o grito de entusiasmo com que os de Xenefonte saudaram, no ponto Euxino, a redenção. Um governo! Um Governo! Eis o brado uníssono com que […] saúda, felicitando-se com V. Exa. a redenção no governo de Franco Castelo Branco.»

 A imprensa e a oposição gozaram com a grandiloquência da missiva e daí em diante  passou a chamar-se aos apoiantes de João Franco de Talassas.

E a expressão Talassa depois de 1910 passou a ser naturalmente sinónimo de conservador ou reaccionário.

Normalmente quando uma sociedade de poder tradicional começa a haver contestação e tentativa de mudança, os representantes .desse poder reagem para defenderem os seus interesses. Foi assunto muito estudado por Nietzche e Bertrand Russel, designadamente por este no ensaio O Poder Nu.

E quanto mais se perde com a mudança do poder, mais enérgica tende a ser a reacção daqueles que só ganham com a sua conservação.

O poder tradicional em regime democrático só muda com eleições. Por isso é normal que em época de eleições apareçam os talassas a incutir no povo o medo da mudança do poder.

Enfim… É um dos males da democracia com que temos de viver…

Mas, como dizia Assis Brasil, em Democracia Representativa: do Voto e do Modo de Votar, a liberdade democrática implica que o povo tenha direito de escolher instituições e governos ruíns:

 «É pelo preço das experiências que ele adquire a capacidade de emancipação […] A liberdade de escolher pode trazer- e traz inevitavelmente -  tribulações e sofrimentos, mas ainda é o único estado digno e útil, para o homem, para o cidadão e para a comunidade»

Os Talassas têem medo da liberdade de escolha do povo… por isso condicionam o voto e vêem a liberdade de voto como uma excentridade da democracia, porque entendem que as decisões e o poder não devem estar nas mãos do povo ignorante, mas nas de uma elite política.

Isto é, nas mãos dos Talassas!

 



publicado por Manuel Maria às 19:16 | link do post | comentar

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds