Quinta-feira, 23 de Maio de 2013

 

 

 

 

Na Odisseia de Homero, o Canto XII, narra o confronto de Ulisses com as sereias.

Regressando do Hades (inferno), Ulisses volta à ilha da feiticeira Circe, que o adverte sobre os perigos que o herói e os seus marinheiros ainda terão que enfrentar antes de regressar à Ítaca natal:

«As Sereias serão tua primeira prova. Elas encantam todos aqueles que porventura passem por elas. Quem inadvertidamente se entregar ao canto delas nunca mais retornará ao lar, nunca mais cairá nos braços da mulher, não verá os filhos nunca mais. Elas enfeitiçam os que passam… […] Tapa com cera os ouvidos dos teus companheiros para não caírem na armadilha sonora. Se, entretanto, quiseres o mel do concerto delas, ordena que te amarrem de pés e mãos erecto no mastro. Que o nó seja duplo. Entrega-te, então, ao prazer de ouvi-las. Se, por acaso, pedires que te afrouxem as cordas, ordena-lhes que as apertem ainda mais

O trecho mostra que, já na poesia homérica, encontramos registada a força da música como fonte de prazer, mas o prazer, como engano, ilusão da realidade. Esta espécie de “Música” é perigosa; e quem inadvertidamente se entrega a ela, arruína-se.

À “Música” das Sereias, contrapunha-se na Odisseia a dos Aedos, espécie de trovadores da antiguidade, que sendo inspirados pelos deuses, são a sua voz poética, e  transmitiam através do canto a memória e a glória das façanhas dos heróis.

Há duas espécies de “Música”, portanto: A das Sereias, uma “Música” artificial, enganosa, que leva á perdição; e a do Aedo, instrumental, de função cívica, formadora da consciência colectiva do povo.

Mas é difícil distinguir entre as duas, porque a “Música das Sereias” passa-se muitas vezes pela outra, ao fazer os incautos acreditarem que também é inspirada na sabedoria dos deuses:

«Vem aqui! Vem a nós! Ó Ulisses, glorioso! Honra dos Aqueus! Pára teu navio e vem escutar as nossas vozes! Jamais um navio passou por aqui sem que tenha sido escutada a doce voz que sai de nossas bocas, e cada um regressou tendo delas desfrutado e se tornado mais rico em saber, pois nós sabemos os males, todos os males que os deuses, nos campos de Tróia, infligiram aos homens de Argos e de Tróia, e nós sabemos também tudo o que se passa sobre a terra fecunda.»

No entanto, Ulisses, avisado por Circe, soube que a recompensa, ao contrario do que lhe dizem as “Sereias”, é a perdição.

O herói, acatando o conselho da feiticeira, pede aos companheiros que tapem os ouvidos com cera e o amarrem ao mastro. A tripulação zarpa e, não dando ouvidos ao herói, que no momento em que ouve o canto das sereias, pede que o desamarrem, deste modo chegam à Ítaca.

Para além da sua beleza literária, esta passagem é uma alegoria com vários sentidos possíveis. De todos, gosto daquele que vê em Ulisses amarrado ao mastro a imagem da auto-repressão do indivíduo indiferenciado, que se transfigura num sujeito identitário; do homem comum, em herói interprete de um destino colectivo; do homem que tem de reprimir as suas pulsões naturais, para se tornar chefe; do chefe que se domina a si próprio para ser digno de mandar.

E os que obedecem, como os remadores, confiando no chefe, pela sua  capacidade de auto-domínio, tapam os ouvidos, e cumprem as suas tarefas de marinheiros, levando o trirreme até Ítaca.

A nossa tragédia é também  mais Grega, do que se imagina!

Cavaco ouve  embevecido o canto do aprofundamento da “Europa Unida”,   “Música”  que nos tem  levado à  perdição; e para maior desgraça,  não consegue superar as pulsões mediocres da sua perssonalidade, para se transfigurar num chefe respeitado, que todos sigam.

Mas numa coisa, contudo, é diferente a nossa tragédia à Grega:

O Ulisses homérico, teve feiticeira a Círce para o avisar do engano; O nosso Ulisses, para mal dos nossos pecados,  tem a beata Maria,  que só reza ladaínhas e jaculatórias!

 

 



publicado por Manuel Maria às 16:36 | link do post | comentar

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds