Domingo, 21 de Abril de 2013

 

  

 Quatro fidalgos da casa real, escalados para a câmara do príncipe herdeiro, debatiam, numa fria manhã de Inverno, a questão transcendental de quais, entre as centenas de fatos do armário do seu príncipe, lhe deviam vestir, sem que a disparidade de opiniões os levasse a qualquer conclusão:

-Esta casaca azul, com brocados dourados, ficava mesmo bem – sugeria um.

-Não, que é leve para a época do ano; antes este casaco grosso debruado com gola de arminho – contrapunha outro.

- Nem um nem outro combinam com estas botas altas de que Sua Alteza gosta… talvez este dólmen marcial, cheio de medalhas – contra argumentou outro.

- Mas essas botas com esporas são apenas de saír… e como neva, Sua Alteza hoje não pode usar estas botas porque risca o mármore do palácio – objectou o último.

Entretanto, grandes achas de lenha crepitavam na lareira para aquecerem a sala gelada, e os quatro nossos camareiros, continuavam a debater os mais delicados assuntos de alta costura, sem se decidirem quais as roupas vestiriam ao seu príncipe.

Bem, na verdade nem eram quatro camareiros! Rigorosamente eram quatro que discutiam; mas havia um quinto, simples lacaio, de nome Daniel, calado, pensando, e dormitando, cuja espórtula no debate não passava de um ou outro resmungo de aprovação. Nunca discutia e defendia-se da abstenção com o paradoxo de um aforismo:

- Boas cabeças nunca deram boas sentenças… Mas Vossas Senhorias é que sabem… para isso são fidalgos!

Como nada se resolvesse, o príncipe tremia, mais de raiva que de frio, quando vociferou:

– Chega! Todos fora! Fora daqui!

Empurrou-os para fora e, impaciente, batendo as palmas, chamou:

– Onde estás, Daniel!

– Estou aqui, meu senhor - respondeu o lacaio humildemente. O príncipe fechou a porta com estrondo, passando a chave na mesma.

– Rápido, veste-me, que congelo de frio - ordenou, esfregando os braços.

– Sim, senhor.

Daniel foi até ao grande armário, e procurando as roupas mais confortáveis, visto que o príncipe, por conta da neve, passaria o dia no castelo, tirou peles de zibelina para o seu senhor.

Começou a vesti-lo tímida mas eficientemente. Em dado momento, não se conteve e disse:

– O senhor não devia ter feito aquilo, meu senhor.

E o príncipe, enfadando-se:                                                                               

– Estás-me repreendendo? Pois fica sabendo, bem morria de frio antes que aqueles quatro decidissem alguma coisa!

 

 



publicado por Manuel Maria às 15:33 | link do post | comentar

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds