Terça-feira, 17 de Dezembro de 2013

 

 

 

    Diz-se que o Natal é o aniversário do Nascimento de Jesus e uma data de Paz e de Amor entre todos os homens.

Inicialmente, até nem se comemorava o Natal. Só em meados do século IV d.C. o  Papa Júlio I fixou a data no dia 25 de Dezembro,  como a data nascimento de Jesus,  segundo se diz, para cristianizar as Saturnálias romanas, que terminavam a 23 de Dezembro, e as festas de Solstício  de Inverno Célticas, coincidentes com o dia mais curto do ano, em 21 de Dezembro, a partir do qual os dias começava a ser mais longos, e com as festividades do Deus Solar Mitra, cujo nascimento, «dies natalis solis invicti», era a 25 de Dezembro.

    E até há a evidência bíblica que Jesus não nasceu no Inverno, porque quando tal aconteceu os pastores encontravam-se nos campos a cuidar dos rebanhos, nas vigílias da noite, e a evidência histórica de os census de Augusto, data aproximada em que Cristo nasceu, se terem dado na Primavera.

    Por isso, o Natal não corresponde à data de nascimento de Jesus, sendo apenas  dedicado a Cristo, verdadeiro Sol de Justiça (Mateus 17,2; Apocalipse 1,16), por substituição daquelas festividades pagãs.

    E é em parte devido às Saturnálias, período em que não havia senhores nem escravos, em que todos os amigos se visitavam e trocavam presentes, que o Natal mantém esta tradição de ser uma festa de família, de amizade e de troca de presentes.

    Mas o Natal não é apenas uma festa de troca de presentes, de família ou de amizade, mas de toda a humanidade, porque ela apela à fraternidade e tolerância universais, que estão subjacentes a cristianismo, que é derivado do Judaísmo, uma religião Uraneana (celestial), como todas as do Oriente, que gradualmente se tornou monoteísta.

    Evoluindo do paternalismo Judaico, legalista, ritualista, a grande revolução do cristianismo foi precisamente o de ter nascido como uma religião matriarcal, baseada na compaixão, no amor, na tolerância, em que a Igreja é considerada como mãe universal, e com grande relevo do papel de Maria como mãe de Deus.

    A parábola do filho pródigo, em que o pai sai ao encontro do filho, com o coração compassivo, sem exigir justificações pelos erros, é bem sintetizadora desta visão maternal da nova religião, tão diferente da visão legalista e punidora do judaísmo.

    Com a queda do Império, por razões políticas, com a necessidade de a hierarquia da Igreja substituir o poder imperial, é que o cristianismo se tornou exclusivamente paternalista e gradualmente dogmático, legalista e ritualista.

    Cristo chamava a Deus Abba (Pai). Por conseguinte, a todos os homens, que são irmãos, Deus dá a possibilidade de se encontrarem com ele, sejam quais forem os caminhos:

“eu não vim para o povo de Israel mas para todos os homens”; “Deus é amor”; a Deus ninguém o viu… Se nos amarmos, Deus está em nós”.

    Ninguém pode afirmar que conhece verdadeiramente Deus. Deus é mistério para o comum dos mortais. Como dizia Santo Agostinho, “se comprehendestis non est Deus”; e como dizia S. Tomás, “Quando chegarmos ao conceito, nega-lo sempre!”.

    Por isso Deus implica uma busca constante! E onde é que o encontramos?

    É onde estiver o amor… O Amor é o sinal da presença de Deus. E quem estiver mais próximo do Amor autêntico é que está mais próximo de Deus, independentemente da sua fé ou religião, porque Deus é Amor.

    O Deuteronómio dizia: “ide e aprendei o que significa quero misericórdia, não sacrifícios”; o Corão começa cada Azara com “em nome de Deus, o clemente, o misericordioso”.

    Um sufista murciano do sec. XII, Ibn Arabi, dizia: “ se sentes no profundo de ti mesmo, que isto te incite ao bem; é o teu amor por Deus, e o teu amor pelos homens que Deus ama. Se pensas que o mal consiste em afastar-se dos homens, porque Deus os ama, como te ama a ti, e que perdes o teu amor a Deus se fazes mal aqueles que ele ama, ou seja, a todos os homens, tu és discípulo de Jesus, seja qual for a religião que professes”.

    A tolerância, é como vimos, por este belo texto de um poeta muçulmano, o aspecto amoroso da relação religiosa. E do cristianismo também.

 Ibn Al fadd, outro sufista Islâmico rezava assim:                         

“Senhor, um dia visito a Igreja, outro dia a mesquita, mas de templo em templo, só a ti vou buscando. Para os teus discípulos não há heresia, não há hortodoxia; todos podem ver a tua verdade sem vendas… o teu fiel é um servidor de perfumes, necessita da essência dos vasos do amor divino”.

    Por isso é que celebrar o nascimento de Cristo a 25 de Dezembro, é celebrar o Amor entre todos os Homens. Sem isto, não faz sentido o Natal nem sequer o cristianismo.

    Foi o Amor que Cristo trouxe como mensagem à humanidade, que faz do Natal uma festa universal.

    O amor implica … àgape, que era a palavra grega para fraternidade e ceia ritual.

    Por isso é que também não faz sentido Natal sem ceia!

    Desejo por isso uma boa Ceia De Natal para todos!

 



publicado por Manuel Maria às 15:09 | link do post | comentar

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds