Sexta-feira, 13 de Setembro de 2013

 

 

 É pacífico que uma das vertentes para o desenvolvimento integrado da economia do concelho, é a recuperação e divulgação do seu património, como alavanca do sector terciário e complemento do sector primário.

Mas recuperação do património, quer dizer, antes de mais preservação. E preservação é manter com respeito das suas características sem o desvirtuar com inovações que o descaracterizem.

Com o património é preciso o mesmo cuidado que uma operação plástica: se a intervenção desvirtua os traços essenciais do rosto, já não temos o mesmo rosto, mas outro, apesar da pessoa ser a mesma. Dá-se uma modificação da identidade física.

Por isso é que as intervenções sobre o património, e aqui refiro-me em concreto ao edificado, devem obedecer a critério do bom senso, e serem o mais conservadoras que possível, para evitar a sua descaracterização.

Ora, é precisamente o que não se tem verificado em algumas situações, de que apenas destaco as obras da Praça da República, que sendo uma boa iniciativa de homenagem a Manuel António Pina, são um desses exemplos de infeliz concretização do mau senso estético:

A intervenção na área do chafariz da Praça da República, com empedramento totalmente desenquadrado do resto da Praça, é um exemplo de falta de bom senso estético.

Agora acrescentaram-se uns bancos em madeira marítima para os munícipes gozarem a sombra dos medronheiros. Já nem é falta de bom seno; é ridículo! 

De facto, o total calcetamento da zona do chafariz em pedra diferente, não o adequa ao resto da Praça também empedrada em toda a sua extensão, a qual, por não ter qualquer  zona verde, resulta, pela solução dos medronheiros, arbustos de pequeno porte e copa baixa, demasiado aberta, e por isso esteticamente monótona.

Este resultado das obras podia mitigar-se reduzindo o empedramento agora colocado na área do chafariz, substituindo-o, mesmo que seja numa pequeníssima área, por jardim, e colocando no lugar dos medronheiros, árvores que pelo menos proporcionassem sombra e um recanto verde aprazível, realçado do resto da Praça.

É por sua vez conhecida a sensibilidade ecológica de Manuel António Pina e mais reservadas e conhecidas de alguns amigos, as suas ideias filosóficas iniciáticas e simbólicas, que se tivessem sido tidos em conta, proporcionariam elementos interessantes que podiam ter sido utilizados na execução da obra. 

Os custos nem seriam muitos, dignificava-se a praça, homenageava-se mais condignamente o Manuel António Pina de acordo com a sua personalidade.

E o que não é de todo displicente, ainda vai a tempo de ser feito com pouco trabalho e custo, pelos serviços camarários!

Perguntarão os queridos leitores, que sabe este “escriba” de arquitectura paisagística, para “meter a foice em seara alheia”. Nada…

… mas sobra-lhe algum bom senso e bom gosto, que é o que tem faltado na recuperação do património concelhio!

 



publicado por Manuel Maria às 18:25 | link do post | comentar

Quinta-feira, 5 de Setembro de 2013

 

 

Hermann Hesse (Calw, 2 de julho de 1877Montagnola, 9 de agosto de 1962) , Nobel de Literatura em 1946, é dos meus autores favoritos, porque a sua obra tem uma espiritualidade e filosofia próprias de influência oriental, pacifista e ecologista.

Acabei de ler dele a Viagem ao País da Manhã, Edição/reimpressão: 1999 Páginas: 96  Editor: Edições Asa ISBN: 9789724114385 Coleção: Pequenos Prazeres, de que a Editora Caminho também tem uma edição.

            O prefácio e a nota de contracapa dizem tratar-se de uma obra alegórica e poética de leitura hermética, ficando-se por aqui na explicação da mesma. Desconheço se existe algum estudo sobre a interpretação desta obra de Hermann Hesse, escrita em forma de enigmas e símbolos, mas que não é nada hermética para quem tenha certo tipo de conhecimentos.

            O relato é o de uma viagem alegórica de um grupo de uma misteriosa Ordem ao País da Manhã, que geograficamente é onde nasce o Sol, isto é, a Luz, o Oriente.

Este Oriente não é geográfico, mas simbólico, porque a viagem também não é física, mas de autoconhecimento depois de uma iniciação.

Por isso é que o autor refere logo no início a prova pelos três elementos Ar , Terra e Fogo a que foi sujeito, correspondente à cerimónia de iniciação, e da necessidade do hermetismo no relato desta viagem, por estar obrigado ao dever de sigilo imposto pela Ordem.

Mas o autor levanta a ponta do véu, para quem saiba ler nas entrelinhas:

São adeptos e irmãos desta Ordem muitos personagens do domínio da História, das artes e dos próprios escritos de Hesse, como o pintor Paul Klee, poeta suíço das relações do autor e rosacruciano; o pintor Klingsor, personagem de um conto de Hesse, com o nome simbólico do personagem do mesmo nome de uma fábula Rosacruz; o poeta Lauscher, heterónimo de Hess num livro de poemas de 1900; ou o barqueiro Vasudeva, personagem de uma lenda indiana e de tradição Rosacruz; bem como o próprio Hermann Hesse, que é protagonista nesta viagem em concreto.

Não podendo ir mais longe do que o autor na revelação do segredo, deixo aqui apenas algumas pistas, para quem quiser ler a obra e aprofundar conhecimentos:

A Ordem “estuda” em diversos grupos espalhados territorialmente, mas sob uma única obediência; a reunião desses grupos faz-se em grandes acampamentos; referência ao desaparecimento do manuscrito que serviu de fundação aos Rosacruzes e a lenda do seu enterro no sepulcro desaparecido do seu fundador, Christian Rosenkreuz; a prova de readmissão num grau superior perante os grandes oficiais; a revelação de alguns graus superiores da Ordem, sob a forma de anagrama.

Posto isto, a chave do enigma:

Esta obra relata de forma hermética e simbólica a experiência Rosacruciana do autor, posterior à primeira grande guerra e no seguimento dos movimentos espirituais que se lhe seguiram, o seu afastamento temporário da Ordem dos Rosa-Cruz, a sua readmissão num grau superior, e a mística da fraternidade universal do movimento Rosa-Cruz.

Hermann Hesse fala na sua viagem ao País da Manhã. Leal Freire no belo poema Prece, que já analisei sob o título A Linguagem Poética de Leal Freire, canta o destino da vida, que consiste em alcançar a terra natal enquanto pátria da Alma Peregrina que regressa a casa, ao «húmus da Terra-Mãe».

Ambos os poetas sabem onde reencontram a essência das suas Almas Peregrinas: O circuito solar da Alma de um completa-se no País da Manhã; a do outro, quando a Sombra da «Noite» se diluir outra vez na luz difusa da «Manhã».

No fundo, a vida de todos os homens superiores é uma mesma viagem iniciática de autoconhecimento, que podendo divergir no caminho escolhido, tem sempre o mesmo destino:

O regresso à Luz Primordial…

… Porque todos são filhos da mesma Luz!



publicado por Manuel Maria às 20:11 | link do post | comentar

 

 

 

              No tempo em que, por iniciativa de D. Carlos a ditadura de João Franco interrompeu a instabilidade governativa do rotativismo (dez governos em cinco anos) legislando por decreto e sem apoio parlamentar nem eleições, a emigração portuguesa no Brasil enviou ao ditador uma carta de apoio com trinta mil assinaturas.

 A missiva foi entregue em mão por uma solene comitiva, vinha dentro de um pomposo estojo de seda azul com uns fechos em ouro e começava aludindo alegoricamente à retirada dos dez mil de Xenofonte, que fugindo dos persas e chegando ao mar onde se viram a salvo, gritaram: O mar! O mar! Que em grego se diz talassa.

A missiva terminava por isso nestes termos:

«Talassa! Talassa! O mar! o mar! Eis o grito de entusiasmo com que os de Xenefonte saudaram, no ponto Euxino, a redenção. Um governo! Um Governo! Eis o brado uníssono com que […] saúda, felicitando-se com V. Exa. a redenção no governo de Franco Castelo Branco.»

 A imprensa e a oposição gozaram com a grandiloquência da missiva e daí em diante  passou a chamar-se aos apoiantes de João Franco de Talassas.

E a expressão Talassa depois de 1910 passou a ser naturalmente sinónimo de conservador ou reaccionário.

Normalmente quando uma sociedade de poder tradicional começa a haver contestação e tentativa de mudança, os representantes .desse poder reagem para defenderem os seus interesses. Foi assunto muito estudado por Nietzche e Bertrand Russel, designadamente por este no ensaio O Poder Nu.

E quanto mais se perde com a mudança do poder, mais enérgica tende a ser a reacção daqueles que só ganham com a sua conservação.

O poder tradicional em regime democrático só muda com eleições. Por isso é normal que em época de eleições apareçam os talassas a incutir no povo o medo da mudança do poder.

Enfim… É um dos males da democracia com que temos de viver…

Mas, como dizia Assis Brasil, em Democracia Representativa: do Voto e do Modo de Votar, a liberdade democrática implica que o povo tenha direito de escolher instituições e governos ruíns:

 «É pelo preço das experiências que ele adquire a capacidade de emancipação […] A liberdade de escolher pode trazer- e traz inevitavelmente -  tribulações e sofrimentos, mas ainda é o único estado digno e útil, para o homem, para o cidadão e para a comunidade»

Os Talassas têem medo da liberdade de escolha do povo… por isso condicionam o voto e vêem a liberdade de voto como uma excentridade da democracia, porque entendem que as decisões e o poder não devem estar nas mãos do povo ignorante, mas nas de uma elite política.

Isto é, nas mãos dos Talassas!

 



publicado por Manuel Maria às 19:16 | link do post | comentar

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds