Quarta-feira, 9 de Maio de 2012

 

 

  

              Joaquim Correia, caracterizava há cem anos o povo da raia da seguinte forma:

 

«Povo religioso, sem grandes fanatismos, é, como os vizinhos espanhóis, alegre, divertido, sentimental e apaixonado pela música, poesia e pelos touros».


            Esta frase resumindo psicologicamente o povo ribacudano, foi escrita na transição do seculo XIX para o XX, e assim sendo, refere-se ao seu tempo, não forçosamente ao actual.

O ethos, caracter de um povo, sentimento vital, depende das relações fundamentais dos homens que o compõem: o mundo, o outro e a transcendência. É justamente a efectividade do próprio corpo, os poderosos impulsos animais que o governam, a fome, o impulso sexual, a velhice, a morte, que determinam o sentimento vital de um povo e sua relação com o meio.

E em cada época apresenta-se um novo e diferente desafio, e, é próprio do ser humano dar a resposta adequada conforme o lugar, tempo, costumes, etc. Cada grupo, aos poucos, cria um modo próprio habitual de compreender o mundo; a isto é que se chama ethos.

Portanto o ethos de um povo, o modo como vê o mundo e se relaciona com ele, a origem dos seus valores, as normas que estruturam a sociedade, os indivíduos que a compõem, os costumes, a moral, o mundo simbólico e mítico que sustentam a sua vida, é diferente, consoante o contexto espácio-temporal.

De facto, o ethos emerge num mundo cultural, de um grupo, num período da história. As pessoas, no dia-a-dia diante das coisas adquirem hábitos, atitudes, modo de agir, e dão significados às coisas e actos. Isto constitui uma maneira de ser e de habitar o mundo. É a maneira como cada homem e cada cultura vivem o ser.

E como é óbvio, havendo história do ser, forçosamente há história do ethos; Diferindo a sociedade ribacudana actual, da do tempo de Joaquim Correia, lógico é que o ethos que ele definiu como sendo o do povo de Riba-Côa, não é o mesmo hoje.

Especificamente a Riba-Côa do tempo presente de Joaquim Correia, caracterizava-se por uma sociedade rural, essencialmente agrícola, de fronteira, isolada, católica, tradicional e analfabeta, assente num território razoavelmente povoado, com a pirâmide etária equilibrada, climaticamente inóspito e pobre. 

Estas condicionantes do meio, sobretudo o caminho que diariamente o agricultor fazia para as lides do campo, onde recolhia tudo o que tem substância em seu redor, o enigma do perene e do grande, do céu e da terra, penetrando o homem e convidando-o a uma longa e serena reflexão sobre a criação, é que contribuíram para o ethos do povo de Riba-Côa, como o definiu Joaquim Correia. E isto não deferiu muito, durante séculos, até meados do século XX.

Mas esta perspetiva, à excepção da pobreza, das condições climáticas e de algumas manifestações de religiosidade, não se repete hoje: Temos uma sociedade rural, mas que já não vive da agricultura, instruída nas camadas mais jovens, mas fortemente envelhecida, num território desertificado.

Resumidamente, porque o espaço de um post ou de um artigo de jornal não permite aprofundar, a sociedade ribacudana desde há vários séculos e até meados do século XX, era essencialmente agrícola, o que condicionava particularmente as suas manifestações culturais e hábitos.

Hoje é uma sociedade cada vez mais desenraizada da terra, e como tal, perdendo as manifestações culturais e hábitos daquele tempo, à medida que desaparecem as gerações mais velhas, ainda criadas naquela tradição.

 A situação de penúria mantem-se. Mas no tempo de Joaquim Correia o sustento de uma terra inóspita impunha aos seus habitantes uma forma de vida, coincidente com o ciclo agrícola, e uma experiência própria de vivências do quotidiano para superar a necessidade de comer e viver. O estado de alma que caracterizava esta existência era a angústia, um sentimento positivo provocado pela necessidade de suplantar o estado estético, a sua matéria, finitude, e alcançar o estado ético, mais próximo do seu fim espiritual e da infinitude, que o impele a procurar permanentemente as possibilidades de realização, numa acção sobre o seu destino e o tempo futuro. A poesia de Leal Freire é a manifestação ética, sublime e única, da totalidade experiencial, da relação com o sagrado, conexão com o universo, do homem ribacudano deste tempo.

Mas o homem ribacudano de hoje abandonou a rabiça do arado, já não tem o contrabando como alternativa de subsistência, e ainda não encontrou outro modo de vida, não tendo para comer e viver outro caminho, senão o da emigração. Por isso voltou-se sobre o seu próprio vazio, que o assalta sob a figura do Tédio, um sentimento negativo, pelo qual o homem, perante as possibilidades envolventes que lhe permitem a realização do seu fim, nem se apercebe dessas possibilidades. Uma total ausência de vontade, uma incapacidade de ver as possibilidades que lhe permitem superar o estado estético. Uma estagnação no tempo do não ser, uma incapacidade de futuro.

O tédio, como sentimento negativo da alma, anda associado à melancolia, pois esta, mais não é que o sentimento que, perante as possibilidades, as vê, mas se recusa a aceita-las.

O Tédio associado à melancolia gera o vazio da alma. E foi este vazio de alma que arruinou o homem de Riba-Côa. Ele perdeu o caminho em que aprendeu a essência da pobreza; a tal necessidade de subsistência, geradora da angústia, que lhe aguçou o engenho e lhe permitiu sobreviver na terra inóspita de fronteira.

Esta é a pior das pobrezas, porque é a que nasce da incapacidade de pensar verdadeiramente, de escutar atentamente o ethos, que está no já pensado e dito e de distinguir em ambos o único e o antigo, transformando esta escuta num saber.

E como é possível captar o ethos? É através e indo além das evidências. É indo além da historicidade das manifestações de grupos, buscando captar o ser. Essa captação do ser dá-se dialeticamente, como algo dinâmico, sempre num renovado “vir a ser”/ “poder ser”.

Essa dialética, como dizia um certo autor, «faz-se no diálogo com o outro, o “face a face”, numa negação da totalidade firmando a finitude. É nas manifestações espontâneas, nas relações simples entre sujeitos que o ethos aflora. Neste vasculhar de relações quotidianas percebe-se o ethos de um povo, num saber que brota de experiências fecundas. Nas relações valorativas e normativas que permeiam contextos sociais, políticos e culturais». As manifestações culturais, as realizações colectivas e de grupo, são um bom exemplo de ethos manifestado.

Só se descobre o ethos, dinamizando as relações de alteridade dos indivíduos, pelas quais o espirito subjectivo de cada um procura objectivar-se nos outros e no meio e regressa a si trazendo dessa viagem ao mundo dos homens e das coisas a partilha de sentimentos comuns que o identificam com uma comunidade.

Numa sociedade melancólica, dominada pelo tédio, de total ausência de vontade, individualista e egoísta, não se manifesta o ethos, o impulso vital que permite a uma comunidade “vir a ser”/”poder ser”!...

O homem de Riba-Côa hoje é profundamente melancólico... E é precisamente aqui que está a razão do seu não futuro, do seu não “poder ser”/ “vir a ser” como povo!

E a sua maior tragédia nem é este vazio de alma, a estagnação no tempo presente do não ser; mas o estar refém de uma elite dirigente incapaz de fomentar, escutar e interpretar este ethos.

É ao pico da garrocha que a índole bovina, generosa e forte, do povo ribacudano se revela. É na provocação e na adversidade que o povo ribacudano age.

Foi ao forcão, não no pasto, que este boi aprimorou a raça; foi no jugo, não à manjedoura, que ele robusteceu o coração.

 

«Melancólico de alma, índole bovina, só picando-o, ele se move!»

 

Por isso, esta é para mim a verdadeira frase que caracteriza o povo raiano.

 



publicado por Manuel Maria às 12:12 | link do post | comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds