Terça-feira, 29 de Março de 2011

 

 

Entrara nos boqueirões

Já mais negros que os carvões

Todo o pão de uma fornada.

A mulher do lavrador

Ergueu então ao Senhor

Velha reza salmeada.

 

Á sua voz de comando,

Ergueu-se o corvo do bando.

Filhos, criados, mendigos.

Era noite de nevão,

Uns esperavam o pão,

Outros do friofugidos.

 

Em louvor de São Vicente

A fornada se acrescente

Disse a velha em tom de brasa.

Por Deus e Santa Maria,

Pão nosso de cada dia

Haja sempre em nossa casa,

 

 

Em louvor de Santa Teresa

Não se acabe o pão na mesa

Mesmo de quem nos consome

Ladrões, citotes da vila.

Que nem sequer tal quadrilha

Aprenda o sabor da fome

 

 

O gado na mangedoura

O  bicho-fero  na loura

A cada a sua ração.

Em louvor de Santa Marta

O pão se parta e reparta.

É esta a minha oração.

 

 

Ouvi-me, Senhor Jesus,

Pra vos rogar, eu me pus

De joelhos sobre as pás.

Ouvi-me plo que sofreste.

Plo muito que padeceste

De Pilatos pra Caifás.

 

A Maria, vossa mãe,

Mae de nós todos também

Desde as horas do Calvário

Eu quero pedir ainda

Duas coisas, qual mais linda

Plas contas do meu rosario..

 

Que o nosso irmão que, primeiro,

Face a Deus, juiz inteiro,

Para pagar compareça,

Nao sofra mais do que um susto,

Leve insígnias de justo

Por sobre a cruz da cabeça.

 

E que a alma que o tormento

Há mais tempo o fogo bento

Requiem e no Purgatório

Voe já lesta prós Céus,

Fique á direita de Deus,

Entre no seu oratório.

 

 

Terminada a santa prece

A gente que reza esquece

Suas mágoas, tantas são.

Do forno, sai uma bola,

A velha reparte-a toda

Todos são filhos de Adão

 

 

Da bola sai uma luz

Ei-la pelos céus em cruz

Cada cruz uma barquinha

E todas de justos cheias

Rebentaram-se as cadeias

Coa força da ladainha...

 

(Manuel Freire)

 

Obs: Se tiver tempo, um dia explicarei a chave deste poema.  Só adianto que se insere na mesma cosmogonia de toda a obra de Leal Freire. Duplo sacerdócio; 1 -Homem, Lavrador,  pai ; 2- Mulher, dona de casa, mãe, correspondente a uma teogonia baseada nas triologias Homem, trabalho, pão; correspondentes às triologias Amor, acção, pensamento; Saber, sofrimento humano, palavra/oração; Liberdade, igualdade, fraternidade e Pai, filho, Espírito Santo. 

 

   



publicado por Manuel Maria às 15:57 | link do post | comentar

Terça-feira, 15 de Março de 2011

 

 

 

 

 

5-  Da Natureza à Alma

 

«O povo Inglês é um povo mudo; podem praticar grandes façanhas, mas não de escrevê-las», disse Carlyle, dos ingleses.

E acrescentava, com vaidade, no seu poema épico, que os feitos dos ingless está descrito na superfície da terra.

Contrapunha, humilde, Unamuno, que mais modestamente, e mais silencioso ainda, o povo Basco escreveu na superfície da terra e nos caminhos do mar seu poema; um poema de trabalho paciente, na América latina, mais que em qualquer outra. Mas durante séculos viveu no silêncio histórico, nas profundidades da vida, falando a sua língua milenária; viveu nas suas montanhas de carvalhos, faias, olmos, freixos e nogueiras, matizadas de ervas, bouças e prados, ouvindo chamar o oceano que contra elas rompe, e vendo sorrir o sol atrás da chuva suave e lenta, entre castelos de nuvens.

E concluía: «As montanhas verdes e o encrespado Cantábrico são o que nos fez».

De facto, como tão bem observou Unamuno, é a Natureza e o meio que fazem os povos.

            O homem encontra-se determinado pela natureza, a qual engloba tanto o seu próprio corpo, como o mundo exterior. E justamente a efectividade do próprio corpo, os poderosos impulsos animais que o governam, a fome, o impulso sexual, a velhice, a morte, determinam o seu sentimento vital e sua relação com o meio.

            Esta constituição vital, que Platão já descrevia na vida presenteira dos terratenentes e sua doutrina hedonista, combatida por Heráclito, encontra expressão na filosofia epicurista, que S. Paulo desdenhou, está presente numa grande parte de literatura de todos os povos, e ressuou nas canções provençais, na poesia cortesã alemã, na epopeia francesa e alemã de Tristão, nas éclogas e pastorais do nosso Bernardim, depara-se-nos igualmente, na filosofia do século XVIII.

            Nesta concepção do mundo, a vontade subordina-se à vida impulsiva que rege o corpo e às suas relações com o mundo externo: o pensar e a actividade finalista por ele dirigida encontram-se aqui ao serviço desta animalidade, reduzem-se a proporcionar-lhe satisfação.

            Quando tal constituição vital se transforma em filosofia, surge o naturalismo, que, de forma uniforme, desde Demócrito, Protágoras, Epicuro e Lucrécio, a Hobbes, afirma ser o processo da natureza a única e integral realidade; fora dela, nada havendo; a vida espiritual distingue-se da natureza física só formalmente como consciência, de acordo com as propriedades nesta contidas, e a determinidade conteudalmente vazia da consciência brota da realidade física, segundo a causalidade natural.

As experiências do impulso vital, independentemente das construções filosóficas, ebabulações poéticas, levavaram sempre, e isso é que nos interessa, ao mesmo: ao sossego de ânimo, à paz de espírito, que surge em quem acolhe em si a conexão permanente e duradoira do universo.

No poema de Leal Freire, encontramos também a expressão desta constituição anímica. Ele vive em si a força libertadora da grande mundividência cósmica, astronómica e geográfica, que a paisagem particular e a Terra de Riba-Côa criaram.

O universo geográfico, as suas leis gerais, o nascimento de um sistema cósmico próprio, a história da Terra que sustenta animais e homens, por último, produz um   homem particular, emergente de um universo cósmico:

 

«vem á ceia as courelas(10)/cada uma traz seus mimos/dá o quintal bagatelas
a veiga fartos arrimos// Das bouças vêm canhotos
(11)/Que um bento calor evolam
E até os manigotos/Mandam cheiros que consolam// Vinhedos, chões e vergéis
(12)/Primasias se disputam/Nem as rochas são revéis/Em dura freima labutam.// As do monte mandam coelhos(13)/As da ribeira bordalos/Pirilampos são espelhos/A cegarrega é dos ralos.»

E o homem que resulta, em Leal Freire, desta cosmogonia é piedoso; um bom pai, há semelhança de Lucrécio, que dizia «ser piedoso quem com ânimo sereno contempla o universo»:

 

«O lavrador, que é bom pai,/A ver se a ceia é pra todos/Não manda, que ele proprio vai.»

Um homem livre que, superando o fundamento mecaniscista do naturalismo, reconhece, como o ideal natrualista de Fuerbach, Deus, na imortalidade e na ordem invisível das coisas:

 

 

«Na mesa, que é um altarzinho(9)/Que branca toalha cobre/

[...]

As Almas Santas dos Céus(14)/Também descem para a mesa/A noite, negra de breu,/ Resplandesce com a reza.»

 

Uma natureza provida de alma, impregnada da interioridade, que nela interpolaram a religião e a poesia.

 Uma natureza que covida a uma atitude contemplativa, intuitiva, estética ou artística, quando o sujeito repousa, por assim dizer, nela do trabalho do conhecimento científico-natural e da acção que decorre no contexto das nossas necessidades, dos fins assim originados e da sua realização exterior.

Nesta atitude contemplativa alarga-se o seu sentimento vital, em que se experimentam pessoalmente a riqueza da vida, o valor e a felicidade da existência, numa espécie de simpatía universal.

Graças a tal estado anímico que a realidade suscita, voltamos nela a encontrá-los. E na medida em que alargamos o nosso próprio sentimento vital à simpatía com o todo cósmico e experimentamos este parentesco com todos os fenómenos do real, intensifica-se a alegria da vida e cresce a consciência da própria força vital, tal é a complexão anímica em que o indivíduo se sente um só com o nexo divino das coisas e aparentado assim a todos os outros membros deste vínculo.

Ninguém expressou com maior beleza do que Goethe esta constituição anímica:

Celebra a ventura de «sentir e saborear» a natureza». «Não só permites a fria visita de surpresa, mas deixas-me perscrutar o seu seio profundo, como no peito de um amigo». «Fazes passar diante de mim a série do vivente e ensinas-me a conhecer os meus irmãos no silencioso bosque, no ar e na água».

Esta constituição anímica encontra a resolução de todas as dissonâncias da vida numa harmonia universal de todas as coisas, que tão bem, como Goethe, soube resumir Leal Freire:

 

«A prece que ceia encerra/Manda pra longe a cizânia/A paz reina sobre a Terra.»

 

 

6 - Alma Enérgica e Sensível.

 

 

Conclui Leal Freire o seu poema com aquela magnífica saudação, que resume todo o carácter da minha raça:

 

« Dia um da criação (16)/A quantos na tasca estão.»

 

Uma saudação, curta em palavras, rude, como o que vem da força expontânea da natureza envolvente.   

Não é por acaso, que o nosso folguêdo mais apreciado seja a capeia; um passatempo, em que se adestram colectivamente as forças dos homens, em confronto com a força bruta de um boi.  

Um divertimento rude, para um carácter simples.

Como dizia Unamuno, a respeito povo Basco, a inteligência  da minha raça também é activa, prática, enérgica. Sobreviver numa terra inóspita, de fronteira, exige  mais um estética de acção, que de contemplação.

«E para quê poetas em tempos de penúria?», preguntava na 248 elegía, Pão e vinho, o poeta alemão Hölderlin.

Por isso, em séculos, não produziu nenhum poeta, nenhum filósofo, nenhum santo; mas venceu muitos exércitos invasores, munido apenas de chuços e foices.

Não que o meu povo não seja capaz de pensar, sentir.

A aridez dos cabeços, a dureza da rocha granítica, o contínuo rebentar dos bracejos entre os barrocos, a florição das giestas em Maio, o verdejar dos prados,  a sombra fresca dos freixos, o murmúrio dos ribeiros a galgar as fragas,  a courela, os quintais, os chãos, os vergéis com os seus mimos, um lenhador carregando ao anoitecer o seu feixe de lenha,  o carro de bois carregado balançando-se nos sulcos do caminho, a geada branca sobre o campo, tudo isto se apinha, se agrupa e vibra através da nossa existência diária.

Esta fica tão perto do passo no caminho do poeta e do filósofo que se recreia, como do pastôr, que pela orvalhada sai com o seu rebanho.

Um carvalho no caminho, um freixo num lameiro, induzem todos à lembrança dos primeiros jogos e e das primeiras escolhas da infância. Quando às vezes caía as golpes do machado uma árvore no meio de um bosque, o pai de família procurava na floresta, a madeira seleccionada para as tábuas do soalho, para a cumeeira da casa, o jugo das vacas, a rabiça do arado; o homem mais experiente escolhia a galha mais afeiçoada para o forcão, os moços colhem o madeiro do Natal.

A rudez, o perfume da madeira do carvalho, do castanheiro e do freixo, falam sempre da lentidão e da constância com que uma árvore cresce, floresce e frotifica, abrindo a sua copa ao céu, enquanto a sua raíz mergulha na terra sustentadora.

O caminho do campo recolhe tudo o que tem substância em seu redor, o enigma do perene e do grande, do céu e da terra, penetrando o homem e convidando-o a uma longa e serena reflexão sobre a criação.

Mas esse caminho do campo, como diz Heidegger, «fala sómente enquanto haja homens que, nascidos no seu âmbito, possam ouvi-lo.»

Enquanto o ritmo da vida, o trabalho, as pausas do trabalho, se façam ainda ao ritmo do relógio da torre e dos sinos, que, ainda segundo Heidegger, «sustentam a sua própria relação com o tempo e a temporalidade».

Enquanto  «Derem os sinos trindades/ Por sobre as casas da aldeia/ Toques de suavidades/ Que prenunciem a ceia», nas palavras de Leal Freire.

Pena é que só agora, quando o sino das trindades já não marca o tempo dos trabalhos do campo, o meu povo tenha aprendido a falar num idioma de cultura, que revela ao mundo o seu ethos de um profundo sentido do transendente, um saber amável, uma serenidade espiritual, generosidade e fraternidade universais, sob uma aparente rusticidade.

Um ethos de boi valente a investir no forcão, dócil a puxar o arado; generoso sempre, ao pico do garrochão ou da aguilhada. Um povo ao mesmo tempo nervo e sentimento.  

Leal Freire, Manuel Pina, Pinharanda Gomes, Eduardo Lourenço, interpretes deste ethos, são poetas e pensadores, que ainda ouvem o caminho do campo, numa Riba-Côa  onde rareiam cada vez mais os  homens que, nascidos no seu âmbito, ainda conseguem ouvi-lo.

A saudação do final do poema, é o murmúrio que Leal Freire escutou, do vento acariciando as copas dos carvalhos, dos castanheiros e freixos, por esses caminhos de Riba-Côa:

«Dia um da criação, para todos os que na tasca estão!»

Para todos os que ainda consigam ouvir os sinos das trindades e o vento, da terra dos nossos pais!

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 16:33 | link do post | comentar

 

 

1. Observação preliminar

Mestre na arte de versejar, senhor de virtualidades técnicas notáveis, Leal Freire é o maior poeta de Riba-Côa e aquele que melhor interpreta a alma do seu povo.

A simplicidade dos temas, imagens, ideias, aliada, de facto, a uma perfeição formal ímpar, concorre na sua poesia para a construção de um universo lírico de rara beleza e que fez dele um dos poetas que melhor interpreta a alma do povo Ribacudano.

A sua poesia, é, do ponto de vista técnico, um exemplo de rigor métrico, de simetria, de perfeição. O lugar de cada palavra, obedece a um desígnio sabiamente amadurecido; o mesmo se diga da escolha da forma estrófica, em quadras tão ao gosto popular; a estrutura interna dos poemas, nem curtos nem longos, revela um elevado sentido de equilíbrio, numa construção  arquitectónica cuidada e minuciosa que a sabedoria de uma longa vida de escrita trazem. Há uma subtil malha de correspondências no seu interior, a deixar perceber uma verdadeira teia, onde todos os pontos se interl

igam por um fio condutor habilmente desenhado que desenvolve uma ideia simples subjacente a cada um dos seus poemas.

Mas Leal Freire é mais do que tecnicismo. Quer busque no quotidiano as suas imagens (os campos, a lavoura, os animais, os rituais da aldeia), quer as recolha no tempo cósmico, quer, enfim, as molde no universo rural, os seus textos são fiéis retratos da vida simples, com palavras simples, como convém à boa poesia.

As quadras são, como se disse, um exemplo de organização, ao mesmo tempo que uma manifestação de um espírito lírico sem par.

Esta conjugação da beleza poética e da riqueza lírica com o preciosismo técnico e inegáveis virtualidades linguísticas fazem dos seus poemas excelentes instrumentos de trabalho, tanto para a aprendizagem da língua, como para o do estudo da etnografia, e dos costumes de Riba-Côa.

Aqui se inicia, por isso, um exercício despretensioso que visa partilhar com os leitores algumas reflexões sobre a poesia de Leal Freire.

Este texto é um pequeno ensaio sobre o ethos, isto é, a alma Ribacudana, a partir da análise do poema A Ceia Do Lavrador,  de Leal Freire.

 

2. Texto


A CEIA DO LAVRADOR


Deram os sinos trindades(1)
Por sobre as casas da aldeia
Toques de suavidades
Que prenunciam a ceia


Mas mesmo que ande de zorros(2)
O lavrador, que é bom pai,
A ver se a ceia é pra todos
Não manda, que ele proprio vai.


Começa a sua inspecçáo(3)
Plas vacas, gado mais nobre
Também cabonde ração
Prás cabras, vacas dos pobres.


Á égua, luxo da casa,(4)
Á burra, sua cestinha,
Mangedora a feno rasa
Mais até do que convinha.


Pois na pia do cevado,(5)
Que só pra comer nasceu,
É o farelo um pecado,
De fartura brada ao céu.


O gado de bico dorme(6)

Ao fusco se regalara
Os cães aguardam que enforme
O caldo que nutre e sara


Aos animais sem razão(7)
Aconchego já não falta
A seguir vem o pregão
Chamando pra mesa a malta.


Filhos, netos, jornaleiros(8)
O conhecem e de cor
Mendigos e passageiros
Também cabem em redor.


Na mesa, que é um altarzinho(9)
Que branca toalha cobre
Não falta caldo nem vinho
Nem pão. regalo do pobre.


vem á ceia as courelas(10)
cada uma traz seus mimos
dá o quintal bagatelas
a veiga fartos arrimos


Das bouças vêm canhotos(11)
Que um bento calor evolam
E até os manigotos
Mandam cheiros que consolam


Vinhedos, chões e vergéis(12)
Primasias se disputam…
Nem as rochas são revéis
Em dura freima labutam.


As do monte mandam coelhos(13)
As da ribeira bordalos
Pirilampos são espelhos
A cegarrega é dos ralos.


As Almas Santas dos Céus(14)
Também descem para a mesa
A noite, negra de breu,
Resplandesce com a reza.


E quando acaba a litânia (15)
A prece que ceia encerra
Manda pra longe a cizânia
A paz reina sobre a Terra,


Dia um da criação (16)
A quantos na tasca estão.


(Leal Freire)

 

3. Estrutura

Como é usual nos poemas de Leal Freire, a estrutura é simples e dominada por uma rede de correspondências externas: A - B -A- B. C-D-C-D E-F-E-F, etc.

A – Introdução (estrofe 1 e 2).

A estrofe 1 introduz o tema ( a ceia) e o tempo (à hora das trindades).

A estrofe 2 introduz a personagem (o lavrador, que é bom pai, homem bom) e justifica, ao mesmo tempo, a narração que decorre nas estrofes seguintes.

Dir-se-ia, assim, que o tempo real do poema é o que vai das trindades à oração final da ceia do lavrador, mas com um registo temporal diferente, anterior ao da sua própria cronologia, já que â manjedoura e à mesa, vem tudo o que anteriormente o campo generoso deu. Ceiam os animais e lavrador tudo o que da natureza veio.

B – Narração (da estrofe 3 à 13). Descrição do que a natureza fornece, através do alimento dos vários animais e do lavrador.

C – Conclusão (14 e 15). São duas estrofes que emergem do que se diz de3 a14, estabelecendo um paralelo entre a ceia dos animais e do lavrador. A sua unidade, de resto, é reforçada pela projecção, ou enjambement, da estrofe 9 (a mesa, que é um altarzinho) para a estrofe 14 (aonde descem as almas santas do céu), 15 (e acaba a ceia com uma prece) e o remeate do poema na 16 (com uma espécie de libação).

 

 

 

4. Tema                     

Este é mais um belo poema de Leal Freire, no qual, uma notável rede de correspondências entre a ceia dos animais e do lavrador confere unidade ao poema, faz da ligação entre o primeiro e ante-penúltimo versos, o resumo da ideia e do tema:

«Deram os sinos trindades [...] A paz reina sobre a Terra.»

São estes os versos que resumem o poema: A vida simples e tranquila do campo, ao ritmo das trindades. Uma vida espiritual no seio da natureza que a vida moderna suprimiu com a necessidade do indivíduo em prover às sua cada vez mais exigente existência corpórea.

Uma beatus ille”, muito semelhante à áurea mediania (aurea mediocritas) já glosada na antiguidade clássica por Homero, Heráclito, Esopo na fábula do rato do Campo e do rato da cidade, e, na sequência dos estóicos, Virgílio, Horácio, também defensor de um ideal de vida calmo e sem grandes exigências, capaz de dar ao Homem a felicidade que não encontra no meio do ambiente perturbado da cidade, na glória das batalhas ou mesmo "no exercício decoroso das magistraturas" e lá fora, por Frei Luís de León, Carlyle, Tolstoy e outros, e entre nós, por Francisco Manuel de Melo, António Ferreira nalgumas das suas odes, Sá de Miranda na Carta a Mem de Sá, através do recurso também à fabula do rato do campo e do rato da cidade, e posteriormente pelos arcádicos.

 

Neste poema,em que Leal Freiretrata o seu tema recorrente das virtudes da vida no campo, da sua “pátria chica”, como costuma dizer, é o ritual da ceia, dos animais e dos homens, cuja hora é anunciada pelo toque das trindades, e culmina na prece final da ceia do lavrador, que traz a paz à terra.

E esta paz a que conduz esta bela vida, é magistralmente resumida na última estrofe, pela fraternidade e igualdade entre todos os homens reunidos na tasca, a qual dá à vida simples do campo um carácter espiritualidade e sagrado mais puros, mais próximos de Deus, porque mais próxima do criador e da sua criação:

«Dia um da criação (16)/A quantos na tasca estão

Sorrimos ao remate síngular do poema. Quem conhece o poeta, como nós,vê-o no seu geito bem Ribacudano, chapéu de abas, a entrar numa desas tascas das nossas aldeias e a oferecer uma rodada de bom graminês...

«A todos os que na tasca estão.»  

Porque esta, é a natureza  de Leal Freire, como homem de Riba-Côa.

 

(cont.)

 

 



publicado por Manuel Maria às 16:28 | link do post | comentar

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds