Domingo, 9 de Agosto de 2009

 

 

MQI que Ele te receba na sua Luz. .'.

.

 

 



publicado por Manuel Maria às 21:07 | link do post | comentar | ver comentários (3)

 

 

 

 

 

 

 

-- Pife, pufe, pafe, pefe

Pafe, pefe, pife, pufe --

A cacholeta no chefe --

-- Pife, pufe, pafe, pefe

Estoure como um tabefe

E o ventre de raiva entufe --

-- Pife, pufe, pafe, pefe

Pafe, pefe, pife, pufe!

 

Carlos de Souza

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 21:02 | link do post | comentar

Quarta-feira, 5 de Agosto de 2009

 

 

foto recebida por mail,  e que, segundo o mesmo, é de 1986

 

A JOSÉ PINTO DE SOUSA

                                

 

PERSONAGENS

 

JOANA - psicóloga

MARIDO

CAMPOS - político

MANUELA- política

 

           

A cena passa-se em Lisboa

Atualidade.

 

Acto Único

 

Sala, secretária, relógio de mesa, etc., etc.

 

Cena I

 

JOANA, MARIDO (Vestidos para cerimónia e prontos para sair.) UMA PACIENTE (Que logo sai, à porta do fundo.)

 

JOANA - Sim, senhora; sim, senhora! Avie essa receita. Marcamos nova sessão para daqui a oito, pela mesma hora.

PACIENTE – E estes comprimidos são para tomar como de costume? (exibe o papel da receita.)

JOANA – Reduz a dose… meio cumprimido ao deitar e chega!

PACIENTE- Concerteza senhora doutora ( sai.)

MARIDO (Entrando por uma porta interior e sentando-se.) – Sempre entras nas listas desta vez?

JOANA- Duvido…

MARIDO - Porquê?

JOANA – O Louçã ainda está de trombas por causa da campanha!

MARIDO – Para que te meteste nessa treta?

JOANA (Ainda  passeando.)  - E quem imaginava que o Soares estava acabado?

MARIDO – Bem te avisei…

            JOANA – Se não for no Bloco, vou noutro… Verás!

            MARIDO - Fia-te na Virgem e não corras.

            JOANA - Estamos atrasados para sair…

            MARIDO (Consultando o relógio de mesa.) - Há duas horas e dois minutos.

            JOANA   (Embonecando-se ao espelho.) - Creio que não chegamos a tempo.

            MARIDO - E o táxi na porta há tanto tempo? Vamos?

            MARIDO - Vamos.  (Vão saindo. Batem palmas.)

            AMBOS - Bateram.

            MARIDO - Quem é?

            CAMPOS (Fora.) - Sou eu.

            JOANA - Eu quem?

            CAMPOS (No mesmo.) - Um  amigo.

            JOANA - Entre quem é.

            MARIDO –  (Espreitando à janela.) É  o Campos das obras públicas! Conheces… (Entra Campos. Pisa macio e fala descansado.)

 

 

Cena II

 

Os mesmos e Campos

 

            CAMPOS (À porta do fundo.) - Dás licença, joaninha?

            JOANA - Entra. (Vai outra vez por a mala na  secretária.)

            CAMPOS (Entrando e sentando-se numa poltrona que deve estar no meio da cena.) - Não te incomodes. Estou muito bem. E tu como tens passado desde a campanha do velho?

            JOANA - Bem, obrigado. O que pretendes?

            CAMPOS - Ah! Passava na rua… Vais no bloco?

            MARIDO - Que bloco?

            CAMPOS – O de esquerda, qual havia de ser?

            JOANA – Não.

            CAMPOS - Pois estás com azar!(Sinais de impaciência em joana e Marido.) O Louçã ainda não esqueçeu as presidenciais…(Recosta-se na poltrona.) Estou a ver…

            JOANA (Interrompe-o.) – Ó Campos, temos muita pressa e não podemos perder tempo. Íamos sair quando chegaste...

            CAMPOS (Erguendo-se.) - Nesse caso… Fica para outro dia... Eu vim só trazer um recado, mas... (Cumprimenta.) Joana... Caro amigo... (Vai saindo.)

            JOANA - Vem cá; explica já agora o que pretendes.

            CAMPOS (Voltando-se e preparando-se como para um discurso, sibilino.) – Somos amigos…

            JOANA – Nem tanto….

            CAMPOS –  Há um lugar em aberto na lista por Coimbra… Que  me dizes?

            JOANA – Digo-te o quê?

            CAMPOS – Estarias interessada?

            JOANA - E tu a dar-lhe!

            MARIDO - Deixa-o para lá. (Vai para junto de Joana.) Que maçador! Não chegaremos a tempo.

            JOANA – E  quem faz o convite?

            MARIDO (Olhando o relógio.) – Estamos atrasados.

            JOANA - Estamos com pressa...

            CAMPOS – O nosso primeiro… É evidente…

            JOANA – Não sei… Assim de repente… Bem vês!...

MARIDO (Olhando o relógio.) – Estamos atrasados.

            CAMPOS– Se aceitares… Arranja-se mais um tacho de bónus…. Que dizes?

JOANA – Não sei…

            MARIDO (Olhando o relógio.) – Que seca!

            CAMPOS – Assim na tua área… Que achas?

            JOANA - Passa bem.

            CAMPOS – Mas, Joana…

            MARIDO - Viva. (Volta-lhe as costas.)

            CAMPOS – Olha que te arrependes… (Saída falsa.)

            JOANA - Safa!

            MARIDO – Vamos, Vamos quanto antes! Pode vir outro... (Vão saindo.)

            CAMPOS (Voltando.) – Já agora…

            JOANA - Outra vez?

            MARIDO - Assustou-me até!

            JOANA – (Agarrando a mala.)Que pretendes agora?

            CAMPOS – E que dizias com um lugarzinho no governo também?

            AMBOS: Irra!

            CAMPOS  — Tableau. (Desaparece.)

 

 

Cena III

 

Os mesmos e Manuela

 

            JOANA - Vês, homem; vês como uma pessoa perde a cabeça?

            MARIDO - Sim, sim, mas vamos, anda daí!

            JOANA (Caindo na poltrona.) - E que dor de cabeça me fez este gajo!...

            MARIDO - Espera... vou buscar a garrafinha de água-flórida. (Sai e volta com a garrafinha.)

            JOANA - Depressa... depressa, homem! (O marido esfrega-lhe as frontes com água-flórida.) Bem... chega... aliviou... Aí! que ferroadas! deita a garrafinha em cima a mesa e vamos, vamos! (O marido deita a garrafinha sobre a mesa e vai dar o braço a Joana.)

            MARIDO - Vamos! (Saem e voltam.) Esqueci-me das chaves. (Entra à direita baixa.)

            JOANA (Falando para dentro.)  Que demora, homem, que demora! Ainda há- de vir mais alguém, verás! (Passeia.) Então não achas essas chaves! Aí! minha cabeça! (Quebra-se alguma coisa dentro.) O que foi isso?! O que foi isso?! (Corre também para a direita baixa.)

            MARIDO (Dentro.)  - O meu frasco de água de colónia!

            JOANA (Dentro.) - Que pena!

            MARIDO (Dentro.) - Ah! cá estão as chaves! (Voltam à cena, de braço dado e dirigem-se para a porta.)

            JOANA- Já estou cansada. (Procura na mala.) Não tenho lenço.

MARIDO - Oh que maçada! Quanto mais pressa, mais vagar. (Sai correndo pela direita baixa.)

            JOANA – Vê na cómoda!

            MARIDO (Voltando com um lenço na mão.) - Toma, toma... Gaita! (Dá-lho.)

            JOANA - Vamos! (Encaminham-se para a saída. Batem à porta.)

            AMBOS - Não!...

            JOANA (Fora de si.) - Não estou em casa!

            MANUELA (Espreitando.) – Dão licença?...

            AMBOS – Outra?...

            JOANA (Caindo extenuada na poltrona.)  - Uf!

 

Cai o Pano.

  



publicado por Manuel Maria às 00:42 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 3 de Agosto de 2009

 

 
Foto retirada do Panoramio 

 

Olhos azuis

Aquosos como um rio,

Ora levando as hortas,

Ora secando no leito;

Difícil era saber onde acabava o homem

E começava a água...

 

Pois estes Olhos d’agua,

Vermelhos da lama e lodo

Do Poço da Andorinha,

Descendo o Pindelo,

Engrossando o Côa,

Mansos desaguaram

No mar.

 



publicado por Manuel Maria às 18:38 | link do post | comentar

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds