Sexta-feira, 20 de Março de 2009

 

 

«Que haja nas tuas acções solicitude, sem deixares, porém, de ter em atenção o interesse comum; ponderação, mas sem indecisão; e que nos teus sentimentos não haja excesso pretensioso de refinamento. Evita a loquacidade, evita a solicitude excessiva. O deus que há dentro de ti deve presidir sobre um ser que seja viril e maduro, homem de estado, romano e soberano; um homem que não ceda terreno, qual soldado à espera do sinal de retirada do campo de batalha da vida, pronto a dar as boas vindas ao seu alívio (1); um homem cuja reputação não necessite de ser afirmada por si próprio, nem avalizada pelos outros. Eis o segredo da alegria, de não depender da ajuda de fora, e de não precisar de implorar a ninguém o favor da tranquilidade. Temos de nos pôr de pé por nós próprios, e não ser postos de pé.»  Marco Aurélio in "Meditações"

(1) O alívio, para Marco Airélio, é a morte.

 



publicado por Manuel Maria às 13:26 | link do post | comentar

Segunda-feira, 16 de Março de 2009

 

 

 

Chama-se “Atlântida” o ferry que Governo Regional dos Açores, através da “Atlânticoline”, encomendou, por 40 milhões de euros, aos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC).

O barco já devia ter sido entregue em Maio de 2008, e faz parte do pacote de quatro que o Governo dos Açores anunciou para dotar o arquipélago «mas os problemas de projecto e de execução foram tantos que o prazo de entrega já derrapou para 13 de Maio próximo. O maior deles era o da estabilidade em avaria, que se estendeu depois à própria estabilidade intacta (em condições normais). No relatório de Fevereiro do Instituto Portuário e de Transportes Marítimos (IPTM), que supervisiona a segurança dos navios e os certifica, ainda lhe eram apontadas mais de 100 reservas e observações.» in Expresso de dia 14-03-09

E a saga continuou, com mais 10 milhões de euros ao orçamento inicial: «Para a corrigir, lastraram-no e reduziram a capacidade de carga do navio de 800 para 600 toneladas (menos viaturas). Foi invocada uma excepção à Convenção de Solas (segurança marítima) para ter menos baleeiras, mas com isso o navio não pode afastar-se a mais de 200 milhas de um porto. E colocaram-lhe a toda a volta um apêndice, uma espécie de "aba" (defensas) que segundo o IPTM pode desequilibrar a descida dos salva-vidas e, consequentemente, lançar os seus ocupantes ao mar. O navio ficou mais pesado e a capacidade de desenvolver velocidade menor. […] O navio afundou meio metro - e criou-se um novo problema com a altura das rampas de acesso nos portos. […] Face à reclamação de que o peso da âncora não era suficiente, foi aumentada a corrente, sem ponderar que em muitas baías do arquipélago não há espaço para tal» Ibidem.

O “Atlântida” bem poderá ser a glória do Governo Regional dos Açores, mas só mesmo com um milagre de Maio navegará. Gastaram uma maquia daquelas, que o pudor me impede de escrever, num ferry cujas tendências em mar alto são para se deitar e que só navega com terra à vista; é o que significa ”problema na estabilidade intacta” e “não poder afastar-se mais de 200 milhas de um porto” -quero ver como o levam de Viana aos Açores! Como isso não bastasse, “colocaram-lhe uma espécie de aba que pode desequilibrar a saída dos salva-vidas e lançar os ocupantes ao mar”. Se algum dia alguém embarcar naquele esquife a hélice, que faça disposições de última vontade!

Ainda não saiu do estaleiro e já “afundou meio metro”… Aquilo, meus senhores, é uma grande jangada que Carlos César encomendou, para submergir, com lastro e âncora, no mar dos Açores, como a lendária Atlântida!

Enfim… O Honrado Governo dos Açores, quis dotar as ilhas de uma carreira marítima. Nada mais justo. Mas justificava-se que gastassem 50 milhões num barquinho de papel?



publicado por Manuel Maria às 11:12 | link do post | comentar

 

(Em desagravo pelos insutos dos manifestantes da semana passada)

 

 

Phoebus uolentem proelia me loqui
uictas et urbes increpuit lyra,
ne parua Tagus per aequor
uela darem. Tua,Iosephus, aetas

fruges et agris rettulit uberes
et signa nostro restituit Ioui
derepta Lusitanorum superbis
postibus et uacuum duellis

Nostrum dux clausit et ordinem
rectum euaganti frena licentiae
iniecit emouitque culpas
et ueteres reuocauit artes

per quas Lusitanum nomen et Europae
creuere uires famaque et imperi
porrecta maiestas ad ortus
solis ab Hesperio cubili.

Custode rerum Iosephus non furor
ciuilis aut uis exiget otium,
non ira, quae procudit enses
et miseras inimicat gens.

Non qui profundum Danuuium bibunt
edicta rumpent Socratica, non Getae,
non Seres infidique Persae,
non Tanain prope flumen orti.

Nosque et profestis lucibus et sacris
inter iocosi munera Liberi
cum prole matronisque nostris
rite deos prius adprecati,

uirtute functos more patrum duces
Lydis remixto carmine tibiis
Olissiponemque et Anchisen et almae
progeniem Iosephus perclarus.

(que me perdoe Horatio...)



publicado por Manuel Maria às 02:43 | link do post | comentar

Sábado, 14 de Março de 2009

 

 

Foto de Júlio Marques in vilarmaior1@blogs.sapo.pt

 

Há momentos de recolhimento assim, em que um homem se transfigura e a sua alma brilha como uma auréola...

 

pulvis et umbra sumus!

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 13:13 | link do post | comentar

Sexta-feira, 13 de Março de 2009

 

 

 Como as folhas somos;
Que umas o vento as leva emurchecidas,
Outras brotam vernais e as cria a selva:
Tal nasce e tal acaba a gente humana

 (Homero)

 

 Que emudeça o relógio da sala,

Abandone-se às silvas o quintal,

Tranque-se o portão a cadeado,

 e o sinal marque o compasso

Da saída do cortejo com o caixão.

 

Que as pombas, voando acima do casario

Escrevam no céu a notícia triste da sua morte

E as flores do campo fazendo luto,

Com delicadas grinaldas ornem a sua fronte.

  

Nasceu como a roseira-brava

Que brota, viçosa, na Primavera

E o frio queima no Outono.

 Contou as estrelas do céu infinito,

Bebeu o húmus da terra,

gozou o sol nas pétalas,

coloriu a paisagem,

se deu em néctar

e perfume.

 

 Como  botão de rosa veio,

Como pétala seca

a leva o vento!

 



publicado por Manuel Maria às 22:34 | link do post | comentar

Quarta-feira, 11 de Março de 2009

 

 

 

A sua alma desfizera-se

sem que percebesse.

 

Descalçou-se,

Dobrou a roupa sobre a cama,

Encharcou-se em comprimidos,

E adormeceu.

 

Cansara-se

Da magreza do salário,

Do peso da hipoteca,

 Da mulher disforme,

Da vida estúpida.

 

Cada dia que passava

Morrendo

Da Alma.

 



publicado por Manuel Maria às 16:14 | link do post | comentar

Segunda-feira, 9 de Março de 2009

 

 

 

Eu nunca guardei rebanhos, 
Mas é como se os guardasse. 
Minha alma é como um pastor, 
Conhece o vento e o sol 
E anda pela mão das Estações  
A seguir e a olhar. 


Toda a paz da Natureza sem gente  
Vem sentar-se a meu lado. 
Mas eu fico triste como um pôr de sol  
Para a nossa imaginação, 
Quando esfria no fundo da planície  
E se sente a noite entrada 
Como uma borboleta pela janela.

 

Mas a minha tristeza é sossego 
Porque é natural e justa 
E é o que deve estar na alma 
Quando já pensa que existe 
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.

 

Como um ruído de chocalhos 
Para além da curva da estrada, 
Os meus pensamentos são contentes. 
Só tenho pena de saber que eles são contentes, 
Porque, se o não soubesse, 
Em vez de serem contentes e tristes,  
Seriam alegres e contentes. 

 

Pensar incomoda como andar à chuva 
Quando o vento cresce e parece que chove mais. 

Não tenho ambições nem desejos  
Ser poeta não é uma ambição minha  
É a minha maneira de estar sozinho. 

E se desejo às vezes 
Por imaginar, ser cordeirinho  
(Ou ser o rebanho todo 
Para andar espalhado por toda a encosta 
A ser muita cousa feliz ao mesmo tempo), 

É só porque sinto o que escrevo ao pôr do sol, 
Ou quando uma nuvem passa a mão por cima da luz 
E corre um silêncio pela erva fora. 

 

Quando me sento a escrever versos 
Ou, passeando pelos caminhos ou pelos atalhos, 
Escrevo versos num papel que está no meu pensamento, 
Sinto um cajado nas mãos 
E vejo um recorte de mim 
No cimo dum outeiro, 
Olhando para o meu rebanho e vendo as minhas idéias, 
Ou olhando para as minhas idéias e vendo o meu rebanho, 
E sorrindo vagamente como quem não compreende o que se diz 
E quer fingir que compreende. 

Saúdo todos os que me lerem, 
Tirando-lhes o chapéu largo 
Quando me vêem à minha porta 
Mal a diligência levanta no cimo do outeiro. 
Saúdo-os e desejo-lhes sol, 
E chuva, quando a chuva é precisa, 
E que as suas casas tenham 
Ao pé duma janela aberta 
Uma cadeira predileta 
Onde se sentem, lendo os meus versos.

 
E ao lerem os meus versos pensem 
Que sou qualquer cousa natural — 
Por exemplo, a árvore antiga 
À sombra da qual quando crianças 
Se sentavam com um baque, cansados de brincar, 
E limpavam o suor da testa quente 
Com a manga do bibe riscado.

 

 

Fernando Pessoa ( Alberto Caeiro)

 



publicado por Manuel Maria às 09:56 | link do post | comentar

 

 

 

     Hoje não sei que impulso parvo me deu, que acedi ao site do Grupo Parlamentar do PS e me pus a ler as intervenções dos seus deputados e dirigentes.

     O resultado foi abrir os respectivos mailes e descarregar a minha bilis.

     Depois de uns quatro ou cinco mailes, tive que me conter  e bater em retirada assim:

 

    « Olhe,
     Caro Alberto Martins:
     Estava a ler todas as intervenções dos deputados do PS pela página do site do grupo paralamentar abaixo.
     Vou parar por aqui, porque isto faz-me muito mal ao fígado e teria que malhar a torto e a direito, como o seu camarada Santos Silva.
     Fecho  aqui a página e vou apanhar uma réstia de sol, que está um dia tão magnífico, que seria uma pena desperdiça-lo lutando contra odres de vinho!
     Não foi minha intenção ser inconveniente consigo ou seus colegas, mas às vezes parece que vocês vivem noutro país, noutro mundo, que não o nosso. E às tantas até vivem! 
      Atentamente
      JV»
 

 



publicado por Manuel Maria às 09:44 | link do post | comentar

Sábado, 7 de Março de 2009

 

 

Azar dos diabos; a tradução do jogo do magalhães, logo tinha de ser um teste em novas tecnologias, feito por um emigrante para certificação do nono ano, no ambito das novas oportunidades!

 

 



publicado por Manuel Maria às 19:13 | link do post | comentar

Quinta-feira, 5 de Março de 2009

 

 

 

Recebi a seguinte mensagem de D. Duarte de Bragança, chefe da Casa
Real Portuguesa e presidente de honra do Instituto da Democracia
Portuguesa, proferida hoje, por ocasião do encerramento do I
Congresso Marquês Sá da Bandeira em Lisboa:

 

«PERGUNTAS À DEMOCRACIA:

 

Tem vindo a crescer em Portugal um sentimento de insegurança quanto
ao futuro, sentimento avolumado por uma crise internacional,
económica e social, de proporções ainda não experimentadas pela
maioria dos portugueses. São momentos em que importa colocar
perguntas à Democracia que desejamos.

Admitindo-se que a situação concreta é grave, torna-se necessário
encará-la de frente, antevendo todos os aspectos em que os
portugueses experimentam dificuldades.

Os tempos de crise vão-nos trazer privações mas também vêm
exigir reflexão. Este é o momento de olharmos para o que somos.
Para este país tão desaproveitado. Para a sua costa atlântica com
Portos tão ameaçados, para uma fronteira tão vulnerabilizada, para
um património cultural tão desaproveitado.

Temos de perguntar até onde deixaremos continuar o desordenamento do
território, que levou a população a concentrar-se numa estreita
faixa do litoral, ocupando as melhores terras agrícolas do país e
esquecendo o interior, reduzido a 10% do PIB.

Temos de perguntar à economia portuguesa por que razão os bens de
produção são despromovidos perante os “serviços”, o
imobiliário, e ultimamente, os serviços financeiros. O planeamento
das próprias vias de comunicação se subjugaram a essa visão.

Temos de perguntar até onde o regime democrático aguenta, semana
após semana, a perda de confiança nas instituições políticas e
uma atitude de “caudilhização” do discurso.

Temos de perguntar até onde continuaremos a atribuir recursos
financeiros a grandes naufrágios empresariais, ou a aeroportos e
barragens faraónicas que são erros económicos.

Temos de perguntar até onde o sistema judicial aguenta, sem
desguarnecer os direitos dos portugueses, a perda de eficácia e a
morosidade crescente dos processos.

Temos de perguntar se não deveríamos estabelecer um serviço de
voluntariado cívico em que os desempregados possam prestar um
contributo à comunidade.

Temos de perguntar até onde as polémicas fracturantes que só
interessam a uma ínfima minoria política, não ofendem a imensa
maioria das famílias, preocupadas com a estabilidade pessoal e
económica.

Temos de perguntar como vamos aproveitar o ciclo eleitoral que se
avizinha, a começar pelas eleições europeias, onde será
desejável que apareçam independentes que lutem pelos interesses
nacionais.

Temos de perguntar se nas relações lusófonas, estamos a dar
atenção suficente às relações especiais que sempre existiram
entre Portugal e o Brasil.

Para ultrapassarmos as dificuldades, precisamos de todos os nossos
recursos humanos em direcção a uma economia mais “real”, mais
sustentada, mais equitativa, uma economia em que respirem todas as
regiões a um mesmo “pulmão”.

Apesar de tudo, o nosso sector bancário fugiu das estrondosas
irresponsabilidades dos congéneres mundiais. Saibam os Governos
regulamentar os apoios para as empresas grandes, médias ou pequenas
mas que sejam produtivas.

Em regime democrático, exige-se processos e discursos ditados pelo
imperativo de responsabilidade. A equidade e integridade territorial
só poderão ser obtidas com a participação de todos, e com
sacrifícios para todos.

Estamos confiantes que somos capazes de fazer das nossas fragilidades
as nossas maiores vantagens. Onde outros tiveram soluções muito
rígidas que falharam, nós venceremos promovendo os portugueses que
lutam por um país de imensas vantagens competitivas.

Mostremos como somos um grande País, uma Pátria em que todos cabem
porque acreditam na Democracia. Portugal precisa de mostrar o seu
projecto para o século XXI. Pela minha parte, e pela Casa Real que
chefio, estou, como sempre, disponível para colaborar.» 

 

Respondi assim:

 

«Alteza Real,
Essas perguntas que V. Alteza faz, são pertinentes e de bom senso, porque o nosso regime está falido e chegou a um impasse. Facto evidente!
Da-se o acaso de até ser simpatizante da causa monárquica. O Senhor D. Duarte, põe as questões muito bem. Quem lhe responde? O Senhor D. Afonso Henriques, lá da tumba de Santa Cruz? O Senhor Presidente Cavaco Silva, do remanso de Belém? Os políticos da República na fila das benesses e proveitos da coisa pública?
Não querendo ser impertinente, Senhor D. Duarte,  V. Alteza, faz como o poeta: «Pergunta ao vento que passa, mas o vento, cala a desgraça; o vento nada lhe diz"!
Modestamnete penso que isto só já lá vai à maneira antiga: À "bordoada!"
Respeitosamente,  beijando a mão de V. Alteza Real,
João Valente»

 



publicado por Manuel Maria às 15:43 | link do post | comentar | ver comentários (7)

Segunda-feira, 2 de Março de 2009

 

  

 



publicado por Manuel Maria às 10:29 | link do post | comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds