Quarta-feira, 18 de Junho de 2008

 

 

  

            A companhia saiu em manobras. Uma coluna de viaturas comandada pelo capitão, com um tenente, um aspirante miliciano quatro sargentos e cinquenta praças distribuídos por duas secções de atiradores.

             A meio do percurso uma das viaturas avaria. A coluna detém-se.

            -Averigúe porque parou a coluna, nosso tenente – ordena o capitão.

            -Nosso aspirante, veja o que se passa – ordena por sua vez o tenente.

            -Que aconteceu, nosso sargento? – indaga o aspirante.

            -Porque parou esta merda, nosso cabo? – pergunta o sargento.

            -Que merda foi esta, pá? - Quer saber o cabo.

            -Os caralhos da oficina não viram o óleo, nosso cabo - explica o condutor.

            -Falta d’oleo, meu sargento…- informa o cabo.

            - Gripou, meu aspirante – reporta o sargento.

            -O motor não trabalha, meu tenente – traduz o aspirante.

            -A viatura parou, meu capitão – resume o tenente.

            -Ora, Cardoso – impacienta-se o capitão -  que parou vi eu. Parou porquê?

            -Ó Martins – volta o tenente ao aspirante-  parou porquê?

            -Sei lá!…Tenho ar de mecânico?

            -Manobras suspensas – ordena, irritado, o capitão - todos de volta ao quartel!

            -E a viatura empanada, meu capitão? – preocupa-se o sargento.

            -Aguarda rendição, pá!

            -Afirmativo!

             E a coluna regressou, para gozo do quartel, sem disparar um único tiro, vencida e com duas baixas: O cabo Franklin e o soldado Gomes, perdidos algures, numa estrada da serra.

 

 

      



publicado por Manuel Maria às 12:07 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Segunda-feira, 16 de Junho de 2008

 

 

Ao fundo, no primeiro andar do edif. cor de tijolo, o meu quarto no quartel dos Lóios.

            

            O edifício cor de tijolo, ao chegar ao largo, metade em altura de três andares, a outra metade um muro corrido rematado de ameias e telhado de uma só água a cair para dentro, tudo guardado por um enorme portão verde, encimado pelo mastro da bandeira, descascado pelo sol.

            Transpondo o portão, a casa-da-guarda, à direita de quem entra; uma pequena caserna, com dois respiradouros à altura de um homem e meia dúzia de catres.

            Espreita o graduado de dia ao sol cinzento impessoal da parada, o pijama a sair-lhe do traje de brim, meio ensonado:

            -Bom dia senhor doutor - e bate a continência.

            É "maçarico". Qualquer dia já nem me liga. Subo a rampa. O cabo “polainas” com um praça preparam-se para içar a bandeira. Enche os pulmões, sopra no clarim a cantilena que sei de cor:

            Taa ta tataa… taa ta tataa…  taa ta tataaaa…

            Dezenas de homens sem cérebro, sem cabelo, rapados por igual à navalha do barbeiro, saem da caserna e sobem à parada formando em três filas, virados para o edifício de comando, costas voltadas para o rio.

            A sombra azul dos plátanos alinhados ao longo do mirante, projecta-se na calçada. As transparências do céu caem no rio com os barcos atracados no cais da marinha. Nenhum movimento no rio ainda àquela hora da manhã.

            Alinham-se as filas. Espera o sargento. À frente o corneta, depois os reforços à porta e por último os faxinas. Tudo a postos para a chamada.

            1,2… 1,2… Unir fileiras. Esquerda… Esquerda… Sobe até à formatura no picadeiro a sombra em diagonal dos plátanos, atenção… em frente sentido! 14… Pronto! 125… Pronto! 18… De guarda a S. Bento… 27… baixou à enfermaria! E prossegue a chamada.  

            Berra o clarim c’o fumo cinzento a subir da cozinha, o sol nos metais amarelos das fardas. Capitão Sá ordena o destroçar. 1, 2… Esquerda volver, marche!

            E a sombra desfaz-se pró sol de brim salpicar as janelas e me ferir nos olhos.

            Espreita o Rebolo à esquina da sala dos oficiais.

            - Despacha-te. Já estamos à espera!

            Atravesso a parada em direcção à messe. Passámos todo sábado a jogar King, com intervalo para almoço e jantar. Estavamos na flor da juventude. Era o tempo feliz em que não tínhamos outras preocupações na vida.                      



publicado por Manuel Maria às 15:29 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Sexta-feira, 13 de Junho de 2008

 

 

 

 

Botei sorte

Para você

E os astros dizem

Que você é linda de morrer,

Mas isso a gente sabe,

Não precisam astros dizer,

Não precisava a gente

Botar à sorte.

 

Baralhei,

Lancei de novo,

E os astros dizem

Que você,

Vai pintar muita luz

Em suas asas

E voando, irá,

Incendiar as flores.

Depois,

Tudo que você tocar

Pegará fogo.

Depois,

Esse fogo

Virará centelha

De amor.

 

E tudo o que você beijar

Nesse seu voo errático

Será melhor.

 

Assim

Ditaram as cartas.

 

Assim

Falaram os astros

. 



publicado por Manuel Maria às 21:01 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 2 de Junho de 2008

 

 

 

     História para adormecer o netinho, quando se reformar depois de perder eleições de 2009:

 

Era uma vez,

um pobre homem

que vivia num humilde casebre

rodeado de uma pequena granja,

com a mulher, um filho de tenra idade

e duas vacas

desengonçadas

e magras.

 

Sustentavam-se do que a granja dava,

o que nos dias magros

pouco mais era que queijo

do leite das vacas.

 

Por isso

Aquilo de que o homem

mais gostava na vida, 

era de queijo.

 

Tinha a dispensa cheia de queijo,

guardava queijo debaixo da cama,

sonhava com queijo,

respirava queijo,

comia queijo ao pequeno-almoço,

ao almoço

e ao jantar!

 

E claro, depressa chegaram ao casebre

todos os ratos da granja

dispostos a comê-lo

também.

 

Um dia,

o homem,

encontrou um desses animaizinhos

dentro do queijo

que estava a comer.

 

Zangado,

chamou a mulher

para que o ajudasse a livrar-se

de todos aqueles ratos.

 

Sentados à mesa

estiveram todo o dia e toda a noite

a pensar… A pensar…

até que encontraram uma solução:

 

Encher o casebre de gatos!

 

Dito e feito.

trouxeram tantos gatos

que os ratos, quando os viram,

pernas para que vos quero,

fugiram para a cochinchina.

 

O homem ficou muito contente,

Mas a sua alegria não durou muito:

os gatos sentiram-se tão bem no casebre

que não se queriam, ir embora.

 

Não paravam de correr para cima e para baixo

e até arranharam os chinelos favoritos do homem.

 

Então, o homem pediu

à mulher

que descobrisse uma forma

de se livrarem deles.

 

 

Desesperados,

Sentaram-se todo o dia e toda a noite

a pensar…. A pensar…

Até que encontraram a solução:

Encher o casebre de cães!

 

Dito e feito.

Trouxeram tantos cães

que os gatos, quando os viram,

pernas para que vos quero,

fugiram para a cochinchina.

 

O um homem estava muito contente,

mas a sua alegria durou pouco:

os cães sentiram-se tão bem no seu casebre

que já não queriam sair.

 

Passavam o dia

a ladrar aos vizinhos, e pior:

faziam xixi e cocó

por todos os cantos!

 

O homem que nunca tal coisa vira;

Pediu à mulher

que encontrasse

uma maneira de se livrarem

de todos aqueles cães.

 

 

Desesperados,

Sentaram-se todo o dia e toda a noite

a pensar…. A pensar…

Até que encontraram a solução:

 

Encher o casebre de leões!

 

Dito e feito.

Trouxeram tantos leões

que os cães, quando os viram,

pernas para que vos quero,

fugiram para a cochinchina.

 

 

O homem

Sentia-se importante, rodeado de feras,

Mas a sua satisfação pouco durou:

Os leões eram tão ferozes que os vizinhos faziam xixi de medo

Só de os ouvir rugir!

 

Mais uma vez, o homem pediu ajuda à mulher que o livrasse dos leões.

 

Desesperados,

Sentaram-se todo o dia e toda a noite

a pensar…. A pensar…

Até que encontraram a solução:

 

Encher o casebre de elefantes!

 

Dito e feito.

Trouxeram tantos elefantes

que os leões, quando os viram,

pernas para que vos quero,

fugiram para a cochinchina.

 

Desta vez, a alegria do homem durou pouco:

os elefantes eram tão gordos

que dentro do casebre

não cabia uma agulha!

 

Rapidamente pediu à mulher ajuda

Para se livrar de todos aqueles elefantes.

 

 

 

Desesperados,

Sentaram-se todo o dia e toda a noite

a pensar…. A pensar…

Até que o filho lhes disse

aquilo que toda as crianças sabem:

 

-Os elefantes têm muito medo de ratos!

 

Como naquele casebre

Eram todos

Um tanto ou quanto

Lentos de compreensão,

mandaram vir outra vez os ratos.

 

Mas os ratos voltaram a comer o queijo;

e para expulsar os ratos, tiveram que trazer os gatos;

e para expulsar os gatos, trazer os cães;

e para expulsar os cães, trazer os leões;

e para expulsar os leões, trazer os elefantes;

e para expulsar os elefantes, trazer os ratos…

 

E assim,

Sem nunca mais acabar!

 

 

(Adaptação a uma adaptação de Joan de Boer a um conto tradicional árabe)

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 13:30 | link do post | comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds