Quinta-feira, 29 de Maio de 2008

 

  

            Foi no início dos anos oitenta, que conheci D. Óscar Quevedo, o famoso Jesuíta e parapsicólogo espanhol. Tinha vários professores jesuítas e por isso D. Óscar visitou-nos no Instituto. A conversa, lembro-me bem, decorreu num dos claustros seiscentistas das nossas salas de aula; Ele de costas para um dos enormes arcos Henriquinos a explicar-nos os meandros da parapsicologia, que segundo ele não eram nenhuns, porque tudo no fundo tem a sua explicação lógica, e nós, em roda a escutá-lo atentamente.

            Foi desde essa altura que fiquei fascinado pelo estudo pelas coisas do oculto, na perspectiva mais cientifica e, aliado a isso, pela etnografia, ritos e religiões antigas.

            Um dos ritos que me fascinou desde então, foi o da hierofania da Deusa-Lua na antiguidade celta e a sua ligação aos ciclos agrícolas e contagem do tempo nas sociedades rurais até aos nossos dias.

            O meu avô tinha um costume singular: Todos os primeiros doze dias dos meses de Setembro, sentado no balcão de casa, observava o céu ao luar e conjugando o brilho da lua, a limpidez do céu, a humidade, fazia uma carta do tempo para o ano seguinte, prevendo o frio, as chuvas, as secas e as sementeiras em cada mês, regendo assim a sua actividade agrícola.

            Este ritual anual, ele não o sabia, nem eu na minha tenra idade o sabia, tinha reminiscências no período neolítico, foi transmitido de geração em geração e tinha a sua razão de ser.

            De facto, a Lua é um astro que cresce, decresce e desaparece durante três dias (aqui podíamos fazer paralelismo com a ressurreição de Cristo, mas não vamos «arranjar sarna para nos coçarmos»), que está sujeito à lei do nascimento, crescimento e morte, tal como o homem. Há, inclusive, um hino babilónico que diz que a Lua é «um fruto que cresce por si mesmo». Renasce da sua própria substância, em virtude do seu próprio destino.

            Esta perenidade, esta renovação cíclica da Lua, faz com que esta seja, por excelência, o astro dos ritmos da vida, controlando todos os planos cósmicos regidos pelo devir cíclico: água, chuva, vegetação, fertilidade.

            As suas fases, revelam ao homem o tempo concreto, distinto do tempo cósmico, que só foi descoberto posteriormente.

            Este tempo concreto era medido pelas fases da Lua. Era o Calendário Lunar, que ainda hoje alguns povos, nómadas que vivem da caça e da recolecção, utilizam.

            Interessante até, que a raiz indo-ariana de Lua é me, que em sânscrito é mâmi, «eu meço», que daria muito mais tarde no grego méne e no latim mensis (mês).

            Este tempo controlado e medido pelas fases da Lua é um tempo vivo. Ligado sempre a uma realidade biocósmica, a chuva, as sementeiras, o ciclo menstrual, a vegetação, que a tudo une numa série relacional de fenómenos dos mais diversos planos cósmicos. A Lua mede, mas também unifica. O mundo deixa de ser um espaço infinito, animado por presenças heterogéneas, para ser um espaço relacional de coordenações e equivalências, em que o denominador comum é a medida biocósmica das fases da Lua.

            É assim que desde o período neolítico, aquando da descoberta da agricultura, o simbolismo da Lua anda estreitamente ligado às águas, à chuva, à fecundidade das mulheres, dos animais, da vegetação, ao destino do homem após a morte e às cerimónias de iniciação.

            O meu avô não o sabia, mas ao sentar-se todas as noites de Setembro no balcão a observar a Lua, estava a praticar um ritual imemorial ligado ao tempo concreto, biocósmico, muito anterior ao da actual cosmologia.

 

   



publicado por Manuel Maria às 17:54 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 28 de Maio de 2008

 

 

 Retirada de arrastao.org/livros/luiz-pacheco/

«e, de repente, apetece morrer. Apetece o grande sossego, imóbil e definitivo. Realmente dormir acabado. O silêncio. A solidão sem sobressaltos paisagens caras novas. A paz connosco. E sem espelho. Não ver ninguém, já mais ninguém. Esta esperança mais que certa seja acompanhada de cantos e alegria. Sem olhar para trás, para quem fica andando, inda ache graça. Os imprevisíveis lamentáveis acidentes da nossa viagem, mesmo os veniais, aqueles de que nos não demos conta na altura mas ficaram vibrando ocultos em nós como alarmes parasitas, clandestinos mas insistentes, uma térmita na aparência insignificante inofensiva embora voraz e teimosa, continuaram ressoando corroendo desfazendo lentamente uma qualquer fibra que nunca saberemos onde estava e era importante. Não se previa já? ou seria então o alvo determinado, a rota desde sempre planeada que muito nos espanta permanecesse assim mascarada doutros caminhos possíveis. A sabermos tudo antes, que chateza, que falta de iniciativa! morte prematura. Insisto, jogando no António Maria Lisboa: apetece descansar e deixar os outros descansar e descansados.»

 

 (LUIZ PACHECO in Textos de Guerrilha 2, Ler Editora, 1981)

 



publicado por Manuel Maria às 10:35 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 27 de Maio de 2008

 

 

 

 

 

                                    Augusto saiu cedinho

                                    Para ir pescar ao rio.

 

                                    Mas o peixe não picou

                                    E Augusto nada apanhou.

 

                                    Augusto saiu cedinho

                                    Para ir pescar ao rio.

 

                                    Jantou sopa de feijão

                                    Esquentada no fogão.

 

  

 



publicado por Manuel Maria às 15:45 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 20 de Maio de 2008

 

 

 

 

Ao fundo do quintal

Existe um poço

De onde esvoaçou

Uma andorinha.

 

E a criança,

Debruça-se

Sobre o espelho d’agua

Para lhe ver o fundo.

 

Aquilo para ela

Não é o abismo.

 

É um ninho.

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 14:34 | link do post | comentar | ver comentários (3)

 

 

 

 

 

CHEGADA:

- A Primavera chegou, tímida.

MULTIDÃO:

-Arredem. Deixem passar!

-Espera há horas, do outro lado da rua, separada da comitiva pelas baias da polícia. No passeio remodelado para a inauguração, a banca dos jornais.

FOGUETES:

-Não há – dizem- proibidos por causa dos incêndios.

-Já não há é dinheiro para as canas!

AS GORDAS DO JORNAL:

-Um terramoto na “Cochinchina”. Tão longe... Os “chinocas” que se amanhem!

-Crise humanitária na Birmânia. E eu com isso?

- A gasolina sobe três cêntimos. O 20.º aumento do ano. Pagar e não “bufar”!

-Governo revê em baixa o crescimento económico. O País afunda-se mais um centimetros…

-Fecha portas a Delphai. A fome bate á prta de mais 2000 desgraçados. A propaganda oficial, contudo, diz que diminuiu o desemprego… países diferentes estes… os da gente de barriga farta e os dos pés descaços!

- Aumenta o crédito mal parado. Os agiotas que se danem!

-Várias folhas de execuções fiscais. Ai as minhas barbas de molho!

-Páginas da necrologia concorridas. A morte continua certa...

DECLARAÇÕES DA TRISTE FIGURA

            à saída:

-Não me resigno…

-Recuso-me a baixar os braços.

PENSANDO ALTO

            os meus botões:

A temperatura sobe.

E a bomba vai estoirar-te

Queiras, ou não,

Nas unhas! 

 

 



publicado por Manuel Maria às 14:29 | link do post | comentar

Domingo, 18 de Maio de 2008

 

 

 

 

 

            “Ora nós, que elogiamos muita coisa em Homero, não louvaremos uma […] Nem Ésquilo, quando faz dizer a Tétis que Apolo, ao cantar nos seus esponsais, exaltara a sua bela progénie.

            De vida isenta de doenças e de longa duração. Depois que anunciou que de tudo, no meu destino, cuidariam os deuses, entoou o péan, para minha alegria.

            Julgava eu que era sem dolo, de Febo a boca imortal, plena da arte dos oráculos. E ele, o mesmo que cantou este hino […]

            Ele mesmo é que o matou, esse filho que é meu (αΰτός έστιν ό χτανών τόν παίδα τόν έμόν.)(Platão, República II (383a-b)

 

 

“Quando casavam Tétis com Peleu

Levantou-se  Apolo no esplêndido festim

Do casamento, e falou da ventura dos recém-casados

Com o rebento que sairia da sua união.

Disse: A este nunca lhe tocará a doença

E terá vida longínqua. – Quando disse isto,

Tétis alegrou-se muito, pois as palavras

De Apolo que conhecia das profecias

Lhe pareceram garantia para seu filho.

E enquanto Aquiles crescia, e era

A sua beleza alarde da Tessália,

Tétis lembrava-se da palavra do deus.

Mas um dia chegaram velhos com notícias,

E disseram a chacina de Aquiles em Tróia.

E Tétis rasgava a sua roupa de púrpura,

E arrancava de cima de si e atirava

Ao chão as pulseiras e os anéis.

E por entre os seus prantos lembrou-se do passado;

E perguntou que fazia o sábio Apolo

Por onde andava o poeta que nos festins

Maravilhosamente fala, por onde andava o profeta

Quando matavam o seu filho na flor da vida.

E responderam-lhe os velhos que Apolo

Ele próprio desceu a Tróia

E com os troianos matou Aquiles.”

 

(Konstandinos Kavafis, poeta de Alexandria, no antigo Império Turco)

 

 



publicado por Manuel Maria às 19:23 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quarta-feira, 14 de Maio de 2008

 

 

 

 

Um dia vai ser minha namorada

Sou eu quem diz. Você vai ver.

 

Um dia vai ser minha amada.

Você vai ver. Você vai ver.

 

Um dia vai se casar comigo

Você vai ver. Sou eu que digo.

 

Apanharemos avião para Xangai

Você vai ver. Ai ai ai ai!

 

E a gente vai ser feliz

Lá por Xangai. Sou eu quem diz.

 

Aí você só vai ter a mim

Lá em Xangai. Vai ser assim.

 

Você vai ver.

Amor 

Você vai ver.

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 09:17 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Terça-feira, 6 de Maio de 2008

 

 

 

   Hoje respondi a um inquérito de rua. As respostas foram: Sou Católico; Acredito em Jesus como Filho de Deus, creio na Santíssima Trindade; na ressureição dos mortos; na vida eterna e e na vida que há-de vir nos fins dos tempos.

   Assim se resume a minha essência; o resto é supérfulo.

   Depois desci a rua; e a seguir à rotunda, no fim do passeio, uma mancha branca e vermelha de malmequeres e papoilas, no meio do verde das espigas rasteiras. 

      



publicado por Manuel Maria às 16:46 | link do post | comentar | ver comentários (5)

Segunda-feira, 5 de Maio de 2008

 

 (Foto retirada de www.eleicao.info)

  

            O Bernardo sucedeu no ofício de sacristão ao pai, Zé Marcos. Serviram o mesmo pároco por várias décadas, pai e filho, pelo que este tem com aquele uma grande intimidade, de que resultam muitas partidas ao pobre clérigo.

            Ele é a alva virada do avesso nas cerimónias, o vinho da eucaristia baptizado com vinagre, a troca das intenções nas missas, a mudança súbita de itinerário de uma procissão, e mil e uma inocentes brincadeiras, que seria exaustivo aqui contar, mas que trazem o padre sempre de coração nas mãos e desconfiado.

            Uma dessas peripécias deu-se quando o pároco foi acompanhar um defunto à freguesia vizinha. Entrando na sala do velório, o padre, aspergindo o morto, começou assim o responsório:

            -Miserere Domine… filium tuum – e descaindo os óculos para o nariz, lendo o papel que o Bernardo lhe estendeu, corrigiu- filiam tuamMaria da Conceição… -e subindo novamente os óculos, interrompendo a ladainha- ouve cá, ó Bernardo,  mas o defunto não era homem?

            -Não, senhor prior… -exibiu-lhe o papel- veja bem… é mulher; é o que diz aqui…

            -Bernardo… Bernardo…estás-me a enganar!...

            -Não estou nada… -e apontando o defunto- não se vê logo que é mulher?...…

            -Hum!... mas ia jurar que…

            -Vá; ande lá com isso, que já estão todos a olhar para nós…

            -Mas tens a certeza de que não é homem?... é que pelo buço…

            -Tenho… é mulher, mas esqueceram-se de lhe fazer a barba.

            E o padre, enganado, acabou por encomendar uma mulher em vez de um homem. Estou mesmo a ver a cena:

            S. Pedro à porta do céu abrindo o livro do registo das entradas e das reexpedições e aparecer-lhe a encomenda de uma Maria da Conceição quando esperava pela do Zé Bicho.

            Mas lavrou o assento na mesma, porque não consta que a encomenda tenha sido devolvida ao remetente. E se alguma dúvida existisse ainda, provado fica, que para a eternidade, a questão do sexo é irrelevante!

           

           

 



publicado por Manuel Maria às 10:19 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 2 de Maio de 2008

 

 

 

 Quando adoeceu,

O António Cecílio fez dois pedidos:

Que o levassem de volta à sua Estrela natal

E uma rosa branca em despedida.

 

A família fez-lhe a vontade.

 

António Cecílio regressou

Numa madrugada amena de Abril,

Quando a última neve derretia no cume da Torre,

E a giestas, a urze, o rosmaninho, rebentavam em cores vivas

Pela encosta da serra

Até à frescura do vale.

 

E pelas 17.30 dessa tarde de Abril,

Levantou-se uma súbita brisa,

Que subindo do vale, à copa dos cedros,

A meia encosta,

Trouxe o cheiro a giesta, à urze, ao rosmaninho,

No preciso momento em que uma rosa branca

Descia à terra.

 

 



publicado por Manuel Maria às 17:34 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 

 (foto retirada de http://troll-urbano.weblog.com.pt)

  

Da primeira vez

Que vi Abril

Foi no rosto do meu pai,

Frio, no gélido ar da serra.

A manhã soalheira, a querer entrar pelas janelas

Do quartel.

 

O Capitão da coluna militar,

Apeando-se da onimogue,

No largo em frente

E os homens do meu pai de carabinas aperradas

Atrás das vidraças,

Prontos a fazer fogo

Contra Abril.

 

Depois foi a rendição:

Duas continências solenes,

Um abraço fraterno,

E Abril venceu

Sem disparar um tiro.

 



publicado por Manuel Maria às 17:32 | link do post | comentar | ver comentários (3)

 

 

  

            O Zé Manel é o cangalheiro da vila; ofício que exerce há anos e onde faz também de notário, registando as disposições última vontade dos futuros clientes. Assim, quando vai na rua é frequente ser abordado para tomar nota de pedidos do género: «Quando me for, não quero levar o padre sicrano…»; «não te esqueças, quero uma campa rasa»; «o meu fato, vem cá ver, está no forro, pendurado numa cruzeta» e outros mais íntimos que não são aqui chamados à colação.

            O pedido mais insólito que teve foi o do sacristão da igreja de S. Pedro, que não queria levar no acompanhamento o respectivo padre. Quando o homem morreu teve que se dar a notícia ao padre. Foi um aperto quando entrou com a viúva do defunto no quarto onde aquele convalescia de grave doença, para lhe transmitirem o pedido.

            -Então o meu sacristão lá se foi; coitado… - lamentou-se o padre, ofegante, entre duas inalações na máscara de ar, vendo-os entrar.

            -É verdade, senhor prior… -engonharam o Zé Manel e a viúva, entreolhando-se, a ver quem arranjava coragem para falar ao padre- já se foi…

            O Cangalheiro, que é homem impaciente e desembaraçado, atitou de chofre:

            -Sabe, senhor prior… - e dourando a pílula- o senhor já não pode… se não se importasse, o  prior de Santa Maria fazia o acompanhamento…

            -Quem se atreve a tal blasfémia?! – e atirando com a máscara, furioso- enquanto for vivo, quem manda na minha paróquia sou eu!

            Nesse dia, entre duas inalações de ar, o padre de S. Pedro ficou-se; e quem acompanhou o sacristão foi o padre de Santa Maria; e para cúmulo da blasfémia, também o daquele, no dia seguinte.

            É bem verdade o que dizia minha avó: «Um homem, depois de morto… cevo ao rabo!»

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 17:31 | link do post | comentar | ver comentários (3)

 

 

( retirada de  www.eb1-degolados.rcts.pt) 

  

            - Carolina… cadê o elemento que está namorando você.

            -É aquele ali… pápai – e apontou para o Gonçalo.

            -Oi, moço… -fez um ar carrancudo- é você o elemento que está namorando minha filha?

            -Sim… - respondeu o Gonçalo, nervoso - sou…

            -Então vai ter muito juizinho com ela… ouviu bem?

            - Sim…

            -Estou falando sério; ouviu, cara? Vai se haver comigo!

            -Sim… - em pânico, amarrotando o bibe- quando for grande vou ser Presidente da Junta!

            -Bem… então fazemos um trato… – propôs, divertido, ao garoto- você consegue esse negócio e lhe dou minha filha Carolina. Você topa?

            -Sim…

 

 



publicado por Manuel Maria às 17:30 | link do post | comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds