Quinta-feira, 27 de Dezembro de 2007

 

 

  

Eu nada espero

E as saudades

Também não tenho.

Eu estou atenta

A ver passar

tudo o que passa.

 

Eu estou aqui

No meu lugar

Sempre a correr

Para quem passar.

……

Eu sou assim ninguém m’entende

Não sei mudar!

 

Chamam-me fonte,

Eu acho bem

É o meu nome. Quero-lhe bem…

Se não me entendem…

Que hei-de eu fazer?

Eu sou a fonte

Estou a correr…

 

Almada Negreiros

 

 



publicado por Manuel Maria às 18:27 | link do post | comentar | ver comentários (7)

 

 

  

            «Eu, português, conheço pelo menos dois portugais; um o dos portugueses, e outro o das portuguesadas. Eu creio firmemente que querer servir Portugal em portuguesadas é a mesmíssima coisa que meter-lha capilé p’ras veias. Portuguesadas são excelentes para fins de festa que tenham outro fim que não seja o de acabar com a festa.

            Não há maior inimigo do português do que as portuguesadas…

            A portuguesada é uma tremenda falta de pontaria do português.

            E por este andar o nosso querido Portugal irá sistematicamente sendo substituído pelas portuguesadas.

            O monumento ao marquês de Pombal o que é senão uma grandíssima portuguesada com todos os seus matadores? Aquilo afinal resume-se a contenda de Loja de Sacristia! Da história do Marquês está lá tudo em pedra, bronze e leão; mas qual é o português que aprenderá alguma coisa da história do Marquês porque lho tenha ensinado aquele monumento? Nem patavina!

            Um forasteiro das festas da cidade de Lisboa, em 1934, teve de prolongar a estada na capital depois de terminado o programa de festejos. E o pobre provinciano andava intrigadíssimo pelo facto de a C.M.L. não ter ainda mandado apear “aquilo” da Rotunda se as festas já tinham acabado há muito tempo!

            Com mil raios, é esta a melhor crítica, a mais justa que temos ouvido, sobre este monumental monumento» (Negreiros, Almada, Obras completas, Editorial Estampa, 6 p.183)  

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 17:58 | link do post | comentar

Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2007

 

vou cortar umas couves tronchudas para a Consoada!

 

 



publicado por Manuel Maria às 12:21 | link do post | comentar | ver comentários (4)

 

 

            

            A nossa profissão é como a dos padres: Conhecemos segredos e histórias inimagináveis, algumas delas divertidas, outras escabrosas. Umas podemos contar, outras, por questões deontológicas, não.

            Os processos de divórcio litigioso, são dos mais pródigos nestas histórias a que umas vezes assistimos divertidos, outras, surpreendidos, de a tanto ser capaz a miséria humana.

            Pois num destes processos, a mulher acusava o homem de adultério, que ele, evidentemente, negava.

            - Isso -contrapunha ele-  são imaginações da tua cabeça!

            -Ai são? –indignou-se ela- E aquele passeio a Fátima, com os meus pais?

            -Qual passeio?

            -Quando fizeste aquela travagem brusca…

            -Que travagem?

            -Quando o sapato de senhora te veio parar à frente…

            -Que sapato?

            -Aquele que julgaste ser da tua amásia…

            -Que amásia?

            -Não disfarces… -atirou ela irónica- tu todo simpatia a mostrares-nos  a paisagem, para te desfazeres do sapato pela janela…-e acertiva- ou julgas que não reparei?…

            -Reparaste em quê? -defendeu-se ele como pode- lá vens outra vez com a tua imaginação!

            -Ai é imaginação? Então porque é que ao sairmos –rematou ela triunfante-  a minha mãe, ao calçar-se, deu por falta de um dos sapatos?

            Não se dando por vencido, ele replicou:

            -Posso jurar que a tua mãe se esqueceu do sapato em casa…

            -Ai sim?

            -Sim… quando entrou no carro já vinha sem ele, que eu bem vi…

           

          

 



publicado por Manuel Maria às 12:05 | link do post | comentar

 

 

 

 

Era tudo isto o que nela se destacava:

Com toda a sua depravação

E muita experiência no amor

E todos os homens – incontáveis- que por ela passaram,

Havia instantes – quase raríssimos-

Em que parecia uma criança.

 

Nos seus trinta e tal anos de beleza,

E de prazer carnal

Tinha instantes em que, paradoxalmente,

Parecia uma criança.

 

 



publicado por Manuel Maria às 12:03 | link do post | comentar

 

 

  

            A criança de 10 anos, regressou da escola, chorando copiosamente.

            -Que tens filha? – quis saber o pai.

            -Já não sou virgem… - e fungando- sou uma vaca!

            -Estás a ver –recrimina o pai à mãe- isto só aconteceu pelo mau exemplo que dás, saindo de casa de mini saia curtíssima –e dirigindo-se à filha mais velha- e tu não és diferente… sempre na pouca vergonha com o teu namorado aqui no sofá da sala!...

            - Já que falamos nisso –remata a mulher-  não estás a esquecer também as tuas frequentes noitadas com umas e com outras?

            E chamando a petiz de parte, indaga a mãe com doçura:

            -Ouve cá, meu amor; conta à mãezinha o que se passou…

            -A professora tirou-me de Virgem Maria e pôs a Vanessa… Agora – explicou a criança desconsolada- sou a vaca!...

 

 



publicado por Manuel Maria às 12:02 | link do post | comentar

Terça-feira, 18 de Dezembro de 2007

 

 

  

 

-Que faz Σόκρατες, na passadeira vermelha?

 

Είναι  οί   Ευροκρατογ νά φθάσουν σήμρα.(1)

 

-Porque parou toda a cidade?

 

Είναι  οί  Ευροκρατογ νά φθάσουν σήμρα.

 

-Porque se levantou tão cedo Σόκρατες

e está em pé às portas da cidade

no seu fato cinzento e gravata azul?

 

Είναι  οί  Ευροκρατογ νά φθάσουν σήμρα…

 

E ele espera pacientemente

as delegações dos Eurocratas. Até preparou

um discurso de boas vindas

a congratular-se pelo acontecimento.

 

-Porque se engalanou o mosteiro

Em luzes amarelas e azuis

E no salão do museu dos coches,

onde já se alimentou a ração de fava muita cavalgadura,

serviram agora um lauto almoço de cataplana de marisco?

 

 

Γιαι  οί  Ευροκρατοι θά φθάσουν σήμρα.

Καί τέτοια πράγμάτα θαμπώνου τούς  Ευροκρατους.(2)

 

- Porque, findo o repasto, caímos na tristeza de todos os dias

(como as pessoas ficaram sérias outra vez)

e voltámos cabisbaixos a nossas casas?

 

È porque isto já lá não vai com passadeiras vermelhas,

já lá não vai com discursos

nem com almoços de cerimónia

só “para inglês ver”!

 

É que findo o repasto, os Eurocratas vão-se embora

E nós ficamos sozinhos neste miserável país.

 

Καί τώρα κκοί  Ευροκρατοι  δέν ηλθαν?(3)

 

       (*) À espera dos Eurocratas

(1)      Os Eurocratas hão-de chegar hoje

(2)      Porque os Eurocratas chegarão hoje e tais coisas deslumbram os Eurocratas.

(3)      E agora que vai ser de nós sem os eurocratas?

 



publicado por Manuel Maria às 22:12 | link do post | comentar

Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2007

 

 

 

Às vezes tenho ideias, felizes…

Ideias subitamente felizes, em ideias

E nas palavras em que naturalmente se despegam…

 

Depois de escrever, leio…

Porque escrevi isto?

Onde fui buscar isto?

De onde me veio isto? Isto é melhor que eu…

Seremos nós neste mundo apenas canetas com tinta

Com que alguém escreve a valer o que nós aqui traçamos?…

 

Fernando Pessoa 

 



publicado por Manuel Maria às 16:44 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 16 de Dezembro de 2007

 

 

 

 

A última roupa estendida ao sol

E a velha Angelina chamava:

-Minina, vem comer!

E eu ansiosa:

-Posso, mãe?

-Podes…

Corria para o fundo do quintal,

Onde Angelina me servia em folha de bananeira

Pirão com peixe seco, em óleo de palma.

-Não tens garfo, Angelina?

-Come assim c’um mão, minina…

Explicava Angelina com doçura,

Levando a mão à boca.

 

-Ah, que saudades da velha Angelina…

-Suspira a menina, já mulher,

à frente de um Cherne no Tavares Rico-

-Aquilo sim… é que eram tempos!

 

 



publicado por Manuel Maria às 16:05 | link do post | comentar

Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2007

 

 

Agora sei que sou um caçador. Nada mais

que um caçador.

cacei de salto e de batida e de largada

sobretudo de espera. Palavras

imagens

rimas

combinações de sons e de sinais.

Tentei muitas vezes acertar no alvo

alguns amores saíram largos

outros perto demais

armadilha fatal

caçador caçado.

A história passou baixo e aos ziguezagues

Entre sombras e arbustos à beira de água

a história como a galinhola.

Ouvi o grito da narceja ao, levantar

mas era o bater da ilusão lírica

era o tempo a fugir

ou talvez Deus o sentido sem sentido.

 

Agora sei que não fiz senão caçar

o poema o sopro os anjos que passavam

a peça solitária

os olhos da corça à noite

as aves dos milagres os teus braços

eternidade de passagem lebre corredora.

 

Agora sei que sou um caçador

e que por mais que acerte haverá sempre

um tiro um pouco lento

ou demasiado à frente

uma perdiz que escapa mesmo ferida

uma perdiz ao vento

uma perdiz. Ou talvez o tempo. Ou talvez a vida.

 

 

 Manuel Alegre

 

 



publicado por Manuel Maria às 12:31 | link do post | comentar

 

 

Dorna

 

            

Já caíam as primeiras folhas de Outono. Ouvia-se de vez em quando o assobio longínquo das árvores fustigadas pelo vento e o ruído do portão da rua a bater.

            Estava a família do morto e os convidados à volta do caixão; algumas velhas de xaile preto pelos ombros, muito chorosas, e alguns homens. Cheirava a mofo e fazia frio; uma mulher passou com uma braseira, que encaixou no estrado de madeira, ao canto da salinha.

            Formou-se então uma roda de quatro velhas à volta da braseira e uma delas, ao ouvido, para outra:

            - Foi da fermentação do mosto… - e referindo-se à viúva- aqui a Maria foi dar com ele já desacordado na dorna… - na dorna?-  Sim, na dorna… ainda o tiraram, mas já foi tarde…

            A outra persignando-se – morte santa; nem um ai… - e, chorosa, julgando que limpava as lágrimas ao lenço, levantou a saia e mostrou as calças à antiga.

            Um dos homens começou a rir; um riso que se pegou a todos os que choravam.

            De repente sentiu-se um cheiro a queimado.

            -Está alguma coisa  a arder -avisou alguém.

            As velhas levantaram-se, aflitas.

            -É o meu xaile… -a viúva em pânico- é o meu xaile…- labaredas- ai acudam!...

            E todos acudiram a apagar o fogo, esquecendo por momentos o morto.

 

           

 



publicado por Manuel Maria às 12:05 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Terça-feira, 11 de Dezembro de 2007

 

  

 

Bati à porta do gabinete e fui entrando. O juiz de círculo estava sentando à secretária, no extremo da sala, entre duas pilhas de processos. Interrompeu a escrita; e levantandando-se, dirigiu-se à porta, cumprimentando-me afavelmente:

-Então doutor… o que o traz por cá, tão longe da sua Comarca? – e dando-me uma palmada nas costas – há anos que o não via –aperta-me com força- com tem passado, o meu amigo?

            -Menos mal, senhor doutor…menos mal…

            E pondo-me a mão no ombro – vá sente-se – e fez-me sentar numa poltrona atrás da porta - sente-se homem… sente-se e conte-me… -sorriu, enigmático- vá lá meu amigo, conte-me… está quente, ou não, essa poltrona?

            -Hum… - hesitei- parece-me quente, doutor… porque pergunta?

            -É que você nem faz ideia de quem esteve aí sentado antes de si…

            -E quem foi, doutor… quem foi?

            -Uma gaja muito boa… uma loiraça do caraças…

            -Não me diga…

            - Imagine você –explicou então, divertido- que a tipa não me larga o gabinete…

            - Hum… é coisa séria…já estou a ver, doutor…

            -Qual quê!… é a minha vizinha do andar de cima… está a divorciar-se… e o processo dela, veja bem,  calhou-me na distribuição!...

            -Estou a ver a cena…-ri, divertido.

            -Pois…e os funcionários já gozam com a situação…

            -Não diga…

            -Digo, pois… são todos os dias bocas do género: «então senhor doutor… ah… anda a “comer” a loiraça, não anda?»

            -Não diga…ora essa…-finjo-me muito chocado- e o doutor sem o proveito…

            -Nem mais… eu bem lhes respondo… ela é que dorme por cima de mim; não o contrário… mas ninguém me leva a sério…

            Rimos os dois. E ele, rematou a conversa por ali:

            -Ah, que azar ela ser minha vizinha…

-Pois… faço ideia…

- Ah catano!... nem sei o que lhe fazia…

           

 



publicado por Manuel Maria às 13:28 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 7 de Dezembro de 2007

 

 

  

Sozinho, sentado na fraga

A ver a aldeia do outro lado do rio.

 

Um pássaro negro voa no céu infinito…

As primeiras sombras beijam os telhados,

Quando o horizonte se tinge de vermelho.

 

São Horas de regressar

Descendo pelo caminho

Do Poço da Andorinha.

 

 



publicado por Manuel Maria às 19:35 | link do post | comentar | ver comentários (2)

 

 

 

            O meu colega Vitorino Pereira é um pessoa simples e de aguda inteligência.

            Por ocasião de umas negociações num inventário complicado, reunimo-nos no seu escritório, numa sala com uma mesa e duas estantes rústicas que trouxe da adega do avô, nas Cortes, aldeia dos arredores de Leiria, onde também se dedica à agricultura.

            O cabeça-de-casal no inventário, homem a rondar os oitenta, já viúvo, juntou-se recentemente com uma senhora, que nas palavras maliciosas do Vitorino Pereira, “só lá vai a casa, para fazer o almoço e limpar o pó”.

-Pois…-contrapus eu- a limpar o pó…conte-me coisas, a ver se acredito…

-Ó colega – sorriu- a gente sabe como é; até os bichos têm medo da solidão...

Então, levantando os olhos do relatório de avaliação da verba principal, fixou-me uns breves segundos com aqueles seus olhos pequeninos, redondos, penetrantes, e contou a seguinte história:

-Quer ver como as coisas são, colega? Até a natureza nos dá ensinamentos para a vida… - e recostando-se na cadeira, pondo de lado o processo- Tinha lá na quinta uma cadela de raça e um cão rafeiro; A cadela era cheia de “pedegree” e o cão apareceu por lá, ladino, a namorar a cadela e foi ficando, tendo  várias ninhadas com a cadela, até que esta morreu há coisa de um mês.

- E depois, colega; que aconteceu?- quis eu saber.

-O cão andou uma semana, murcho, sem vontade de comer. Há coisa de quinze dias reparei que andava mais animado; eu sem lhe saber o motivo. Mas quando me levantei um dia pela manhã, para vir para o escritório, tropecei numa cadelita que  atravessava sorrateiramente o pátio. Ele vendo que o apanhara em flagrante, veio roçar-se nas minhas pernas a pedir um afago.

- Pois… eles sabem-na toda… -comentei.

- O mais engraçado - continuou ele- é que esta cena se repetiu nos dias seguintes. A cadelita aos poucos perdeu a vergonha, deixou de fugir e começou a ser visita regular de casa. E ele todos os dias me dava graxa a pedir autorização para que ela ficasse. Até que um certo dia, ao levantar-me reparei, para meu espanto, que tinham dormido os dois aos pés da minha cama.

- Relação assumida e conumada…-observei, divertido.

- O mais interessante – concluiu ele, alisando a barba- é que a partir deste dia, me passou a ignorar com a mesma indiferença, com que sempre o fizera.

Hoje terei nova reunião com o Vitorino para arrematar o assunto do inventário. Vou ansioso para ouvir o desenvolvimento desta história, ou, quem sabe, uma nova e interessante história, daquelas que só ele sabe contar.

           

 



publicado por Manuel Maria às 11:06 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2007

 

000332bp

 

00034fsg

 

 

     «Aqui fica o registo, o Bilhete de identidade da mula de Albino Leonardo, latoeiro de profissão. A mula, para além dos transportes domésticos, servia para levar cargas de obra a todas as feiras e mercados próximos - Alfaiates, Miuzela, Freineda, Bismula. da carga faziam parte: caldeiros, baldes de regar, regadores, ogadores, lanternas, candeias, azeiteiras, funis, toupeiras, enchedeiras, copos vários, jarras, bacias ...

 

     Para além disto, fazia regularmete as vistorias e apta a ser requisitada pelo Ministério da Guerra em caso de necessidade.

 

     Desta mula se contam muitas histórias. Animal espantadiço, havia de derrubar o dono, corria o ano de 1948, tendo causado grave traumatismo numa das pernas de que viria a falecer. Em todas ashistórias subjaz a mulice, uma esperteza e manha própria deste solípede. Daí o dito: «Mula que faça hi! hi! e mulher que saiba latim não a quero para mim»

 

     A herdeira da mula, foi a viúva Isabel Silva que continuou o trabalho de latoeira e a vender a obra nas feiras. Depois a idade ditou o fim da mula e a chegada do plástico ditou o fim da artista. A mulher continuou ainda por longos anos cultivando a horta do Mindagostinho cuja presa em tempo de rega era despejada de manhã e à tarde».

 

                                                     in Vilarmaior1@blogs.sapo.pt



publicado por Manuel Maria às 14:06 | link do post | comentar

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds