Quinta-feira, 29 de Novembro de 2007

 

 

  

Quando era miúdo

- ao tempo que isso já lá vai-

entretinha-me à beira do rio

a atirar pedras

só para as  ver fazer ricochete

e ouvir o grasnar dos patos a levantarem

assustados

entre a sombra dos arbustos,

passando baixos,

junto à água.

 

Depois

deitava-me no restolho,

esquecido de tudo

ouvido colado ao chão,

a ouvir

o canto das cigarras

e das raízes.

 

Minha mãe chamava-me então do cimo das eiras

Eu fingia não ouvir

E colava cada vez mais o ouvido ao chão

Para melhor sentir

Aquele poema que a terra me dizia! 

 



publicado por Manuel Maria às 15:47 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 

 

  

 

Um velho vai a uma casa de meninas e pergunta pela Natacha. A “Madame” adverte-o:

- A Natacha leva 1.00,00€ por sessão; o senhor não prefere antes outra menina mais em conta?

- Não, não… Quero a Natacha – insiste o velho.

            O velho voltou nas duas noites seguintes também e pediu a Natacha. Esta, intrigada com a fortuna do velho, quis saber de onde era ele.

            -De Famalicão – lhe respondeu o velho.

            -Tem graça… também eu!

            -Sim… eu já sabia…

            -Como assim?

            -É que sou o advogado a quem suas irmãs encarregaram de entregar as tornas de 3.000,00€ que lhe couberam de herança… 

 

 



publicado por Manuel Maria às 15:45 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 25 de Novembro de 2007

 

 

 

Somos um país pequeno e pobre e que não tem

senão mar

muito passado e muita História e cada vez menos

memória

país que já não sabe quem é quem

país de tantos tão pequenos

país a passar

para o outro lado de si mesmo e para a margem

onde já não quer chegar. País de muito mar

e pouca viagem.

 

         

                                                                                                         

                                                                                      Manuel Alegre

 



publicado por Manuel Maria às 18:27 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Terça-feira, 20 de Novembro de 2007

 

 

 

A velha nogueira sobre o muro do jardim,

À sombra da qual minha mãe descansava,

Foi secando lentamente

E agonizou.

 

Mandei o Paulo arrancá-la com o tractor

E com ela também as roseiras do meu pai;

Mas o que verdadeiramente ordenei ao Paulo que arrancasse,

Com aquela nogueira e aquelas roseiras…

 

Foram as últimas lembranças

De minha mãe

E de meu pai

Naquele jardim.

  

E com elas

as minhas raízes.

 

 



publicado por Manuel Maria às 14:40 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007

 

 

 

            

 

            Em o Banquete, Platão descreve um banquete que decorreu em casa de Agatão, em 416 a. C., o qual festejava a sua primeira vitória no festival do teatro de Dionísio em Atenas.

            A historia, que é contada em segunda mão, relata uma discussão entre doze convidados, incluindo Sócrates e quatro atenienses ilustres: Aristófanes (dramaturgo), Pausânias ( discípulo do Sofista Pródico) e Alcíbades (estadista ateniense e admirador de Sócrates).

            À saída dos banhos públicos, Sócrates, vestido com as suas melhores roupas, encontra Aristódemo e convida-o a acompanhá-lo. Agatão (cujo nome significa cavalheiro), da-lhes as boas vindas, senta Sócrtaes à sua esquerda e saúda Aristodemo. Depois de prestarem homenagem aos deuses, Exímaco, um médico, introduz o tópico da discussão do dia: O Amor. Os convidados falam por ordem, da esquerda para a direita, à volta da mesa, até quem cada membro tenha dado a sua opinião. Discorrem sobre o amor, até que chega Alcibíades embriagado e rezingão, que zomba por todos ainda se encontrarem sóbrios e depois aludindo aos seus rejeitados avanços homossexuais sobre Sócrates, que no entanto aceitaria os de Agatão, provoca-o:

«[…]Nunca haverá um homem que se lhe compare, nem antigo nem moderno, a menos que não tentemos compará-lo com qualquer dos homens, mas sim com os silenos e sátiros, os quais os compararei a ele é à sua conversa».

Estas palavras de Alcibíades, lidas atentamente, são uma crítica às maneiras aristocráticas de Sócrates, que só bebe o vinho ritual. È igual a todos os homens, diz Alcibíades por despeito, só se distingue deles por não beber como os Silenos e Sátiros,  verdadeiros foliões (de philoinia – etimologicamente os que gostam de vinho ) os quais bebiam o vinho não misturado na cratera, o que era considerado um sinal de incultura e barbárie.

Sócrates, ignora-o e continua a conversa, discutindo tragédia e comédia até horas tardias com Agatão e Aristófanes, até que sai, pela madrugada.

            A análise mais detalhada do diálogo, quem tiver curiosidade intelectual, poderá fazê-lo em Ross, T.M. Essaus in Greeck Philosophy, Oxford, Clarendon, 1969 e também em Skemp, Joseph Bright, Plato, Oxford, Carendon Press, 1976, acompanhando com o texto integral de o Banquete traduzido pelas Publicações Europa América, edição de bolso, n.º 168.

            O interessante é queorque Platão situa a discussão filosófica, no contexto de um banquete. Isto explica-se pelo culto dionisíaco e a veneração do vinho no arcaísmo e um conceito de vida muito próprio da aristocracia daquele tempo e que Sócrates também seguia.

            O próprio texto Homérico contém numerosas referências ao vinho, com o qual se apagam as chamas da fogueira de Heitor e de Prácolo ( Ilíada, XXIII, 230 e XXIV). Como nas sociedades orientais, esta bebida, resultado da fermentação da uva, ocupava o centro dos rituais, quer gregos, quer etruscos, quer romanos.

            O vinho não era indispensável à vida, mas nas sociedades arcaicas era indispensável ao espírito. Vindo de um processo de vinificação, está do lado da cultura e não da natureza. O vinho é uma droga (pharmakon) que permite uma comunicação directa com os deuses, provocando o entusiasmo (enteos- que significa etimologicamente ser inspirado por deus).

            E o vinho (oinos) bebia-se na antiguidade cortado com água, numa mistura feita na cratera (daí Krasi, nome do vinho no grego moderno) antes do banquete, que era invariavelmente em homenagem a Dionísio, deus do vinho e da vinha, e onde as taças (thasos) circulavam ritualmente da esquerda para a direita, entre os convidados, pela mesma ordem em que lhes era concedida a palavra.

            O banquete era composto, em primeiro lugar, por um repasto de carne (dais) ligado ao sacrifício (thusia) e confundindo-se com ele; não se comia sem ter oferecido um sacrifício aos deuses, que obviamente não ingerindo alimentos, se contentavam com os odores destes.

A seguir prolongava-se a refeição bebendo (symposion) e falava-se, recitava-se poesia discutia-se filosofia e cantava-se. Um dos homens ( simposiarca) organizava as coisas, mandava encher as taças e concedia a palavra.

Esses symposion  organizados em torno da palavra , da música e do vinho, caracterizavam uma arte de viver  e um ideal da aristocracia arcaica grega.  Era uma maneira de pensar e de ser entre a aristocracia de Cólon, de Éfeso, de Mileto, de Samos, de Mitilene e de outras cidades da Grécia oriental nos séc. VII e VI a.C.

Sócrates pertencia a este círculo de nobres amantes da symposia, de mísica e de poesia, como Safo, e de boa mesa, apreciadores de perfumes, e unguentos; pessoas de cabeleira cuidada (nas palavras de Hiponax de Éfeso) com longas túnicas a roçar o chão, apreciadores de banhos e massagens e cujo modo de vida se traduzia num habrosuné ( luxo), que Mazzarino resumiria séculos mais tarde no conceito de  “alegria individual”.

Também poderia fazer a analogia entre o Banquete, o culto a Dionísio, os doze convivas, o repasto da carne sacrificial partida e repartida igualitariamente entre os convivas, a celebração em torno do vinho e do tema do amor, com a última ceia de Cristo e o último mandamento que Este deixou aos seus discípulos: «amai-vos uns aos outros como eu vos amei». E já agora podíamos associar Alcibíades á figura de Judas e Agatão à de João.

Mas isso seria assunto para a cristologia, semiótica, história da cultura clássica,  que envolveria erudição e abordagem teológica, que não cabem na despretensão deste blogue.

Mas retomando o fio à meada, resumidamente o que é esta “alegria individual” de que fala Mazarino? É nem mais nem menos que a máxima satisfatória que Sócrates enunciou no Banquete:

 O amor sente falta de beleza e de verdade. Qualquer pessoa que veja a beleza com os olhos da alma será «[…] amiga de Deus e imortal, se é que algum homem o pode ser».

O amor é pois beleza e verdade. E isto só se aprende com os olhos da alma.

 



publicado por Manuel Maria às 10:16 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quarta-feira, 14 de Novembro de 2007

 

 

  

Sentara-se à secretária

E nada lhe ocorria;

Nem uma palavra;

Nem um verso.

 

Bateram timidamente à porta,

Era quase meia-noite,

E a maneira de bater…

O que será?

 

Era a Rosa Maria,

A criada da pensão,

Que vinha atarefada,

Do arranjo dos quartos

E perguntou:

 

-Venho incomodar?

-Não. O que há?

-Nunca lhe pedi nada…

Se não fosse muita maçada…

Não andei na escola…

Escrevia-me uma carta ao meu rapaz?

 

Disse que sim

E esperou que ela ditasse:

- Meu querido João do coração

Estimo que esta te vá encontrar de saúde

Em companhia dos teus

A quem mando muitas saudades.

Dá também saudades à minha mãe

E diz-lhe que fico bem.

Esta carta é para te dizer

Que ainda não me esqueci de ti

E que morro de saudades tuas

Meu João do coração.

Fico só até acabar o mês

E depois volto para ti

E para a nossa terra.

Vai-me esperar à estação,

No carro do primo Isidro,

Quando to mandar dizer.

Tua querida Rosa do coração

E saudades.

 

No envelope:

João Firmino da Rosa

-A Rua não é precisa - disse ela-

Vai lá ter mesmo assim.

-Moinhos de Carvide-

3100 Pombal.

 

 



publicado por Manuel Maria às 16:19 | link do post | comentar

 

 

 

 

A seguir ao arco, escadas a subir. Passando a taberna, mais escadas. Depois um patamar e mais escadas; uma curva à esquerda, mais escadas e a leitaria Brilhante; outra curva à direita e mais escadas até à estrada.

Chego cansado diante à Igreja, a cabeça a latejar. Descansando as pernas dou uma vista de olhos aos jornais no quiosque.

Retemperadas as forças, há mais escadas a subir, coladas ao edifício do mercado: Um lanço interminável dali à Costa Do Castelo, ao Chapitô.

A cabeça explode!

E as pernas desfalecem!

Depois é tudo a descer, pela Rua da Saudade, até ao Limoeiro.

           

 



publicado por Manuel Maria às 16:18 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Segunda-feira, 12 de Novembro de 2007

 

 

 

Se me abraçares
a tua poesia é minha luz,
a tua liberdade é o meu rumo,
o teu sentir é minha concha,
o teu calor é meu abrigo.

E nesse momento de milagre
todos os medos morrem,
todas as dores se apoucam,
as dúvidas já não importam,
porque o mundo se faz lugar de calmaria
e há um raio de sol que é só nosso.
                                                                    in "testaalta.blogspot.com"



publicado por Manuel Maria às 11:03 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 

 

  

Demorou o processo

Nas estantes da primeira secção

Porque nenhum juiz o movimentava

Por excesso de pendência.

 

Aos poucos

Ficou esquecido

Entre os outros processos

Aguardando o despacho saneador

A seguir ao oferecimento dos articulados

E as partes civis

Foram perdendo interesse

Nos autos e no litígio

Acabando por se comporem

Extra-judicialmente:

 

O Autor cedeu uns metros ao fundo da extrema

Para a reclamada servidão

E o Réu permitiu a passagem e obras

De consolidação no muro do primeiro;

 

E assim,

Mais uma vez se fez justiça

Por cansaço

Das partes!

 

 



publicado por Manuel Maria às 10:46 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 

 

 

 

Falar do trigo e não dizer

O joio. Percorrer

Em voo raso os campos

Sem pousar

Os pés no chão. Abrir

Um fruto e sentir

No ar o cheiro

A alfazema. Pequenas coisas,

Dirás, que nada

Significam perante

Esta outra, maior; dizer

O indizível. Ou esta:

Entrar sem bússola

Na floresta e não perder

O rumo. Ou essa outra, maior

Que todas e cujo

Nome por precaução

Omites. Que é preciso,

As vezes,

Não acordar o silêncio.

                                                                                                                   

       

                                                                                                      Albano Martins

 

 



publicado por Manuel Maria às 10:43 | link do post | comentar

Quarta-feira, 7 de Novembro de 2007

 

 

 

Vilar Maior

Pelo Outono,

Onde os verdes e amarelos

são tão variados como ninguém sonha

E os pores do sol tão suaves

Como ainda ninguém viu

E os carvalhais mais extensos que o tempo

Que nos sobra.

 

Vilar Maior

Pelo Outono,

Onde as tardes são as mais luminosas

E as noites sinfonias de estrelas

E no rumor do rio podemos escutar o silêncio profundo

das almas adormecidas.

 

Vilar Maior

Pelo Outono,

O meu quintal num extremo do povo

E a Figueira sobre o jardim e sobre o pátio

A dar-se com a minha alma

E a deitar os figos mais doces

Que alguma vez provei.

 

Vilar Maior

Pelo Outono...

 

Ou

De como pode ser tão doce

A existência!

 



publicado por Manuel Maria às 19:25 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 5 de Novembro de 2007

 

 

  

Mês de Novembro em Salamanca

E um calor como há muito não sentia.

 

O quarto dava para um pátio interior

Com roupa a secar;

No corredor

Os passos da mãe;

Pela janela aberta

O arrulhar das pombas,

No pequeno pátio.

 

Mês de Novembro em Salamanca

E um calor como há muito não sentia.

 

Os touros mortos

Deixando rasto de sangue na praça;

As prelecções matinais na faculdade;

O refresco numa esplanada da Plaza Mayor

A seguir à siesta

E a meio da tarde ela entrando pelo quarto,

A sentar-se no chão,

Abrindo o leque preto

E a refrescá-lo com aquele vento.

 

 

Mês de Novembro em Salamanca

E um calor como há muito não sentia.

 

O leque aberto no chão…

Depois ela voltava a pegar no leque

A fechá-lo e abri-lo,

Como fazem as espanholas

E despia-se.

 

Mês de Novembro em Salamanca

E um calor como há muito não sentia.

 

O leque abrindo e fechando

Como fazem as espanholas

Eles nus

No chão daquele quarto,

E os passos da mãe

No corredor.

 

Mês de Novembro em Salamanca…

E um calor como há muito não sentia.

 



publicado por Manuel Maria às 10:34 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 

 

  

            O amigo convidara-o para assistirem à conferência sobre Unamuno. Chegaram atrasados, mas ainda a tempo de ouvirem aquela intervenção sobre as relações luso-espanholas, em que Portugal era menosprezado.

            Aí ele pediu a palavra e falou do iberismo de Unamuno, das suas frequentes viagens a Portugal, da amizade deste com intelectuais portugueses, entre os quais, Quental, Pascoais, Nemésio; depois do grupo “Renascença”, que editara a revista Àguia e onde pontuaram Cortesão, Coimbra e Pascoais; explicou pormenorizadamente como a doutrina deste movimento fora elaborada por Unamuno a pedido do próprio Pascoais e por fim, como a poesia de Fernando Pessoa entroncava no pensamento de Unamuno.

            Perante o espanto da assistência, mencionou ainda como Pessoa antes de se juntar por despeito ao Grupo “Orfeu” pertencera ao grupo “Renascença”, partilhando o seu conceito da estética, da filosofia,  história e humanismo ao longo de toda a sua obra. 

            Lanchou depois numa tasca nos arredores da Torre de los Caballeros  e para matar o tempo até ao jantar, entrou na Sé, onde o Arcebispo, que havia também assistido à palestra o conduziu à enorme sacristia e o fez sentar numa antiquíssima cadeira, precisamente a mesma, onde segundo a tradição, saíra em ombros o nosso frei Bartolomeu dos Mártires, após defender com brilho a sua tese de doutoramento no “Quadrivium”.

            O Arcebispo explicou-lhe, que aquela cadeira era reservada aos portugueses ilustres que visitavam a catedral, o que o fez desconfiar que aquele lhe estava a prestar uma singela homenagem pela dissertação sobre Unamuno.

            Mais convencido ficou, quando à saída pela porta lateral, perante a incredulidade dos transeuntes, o Arcebispo deu vivas a Espanha e a Portugal.

            O pior foi o regresso pela madrugada, após o jantar, ébrio: Uma patrulha da guardia civil parou-o; como não trazia documentos de identificação nem do carro, acabou a noite numa cela fria da esquadra, completamente ébrio, a dar também ele vivas a Portugal e a Espanha.

 

 



publicado por Manuel Maria às 10:27 | link do post | comentar

Sexta-feira, 2 de Novembro de 2007

 

 

  

 

Era um Medo muito medroso:

 

            Era um Medo tão medroso, que tinha medo por tudo e por nada. Apesar de já ser um Medo adulto e de “barba rija”, assustava-se com a própria sombra na rua, pelo que andava sempre colado aos muros dos prédios; alarmavam-no as tempestades de relâmpagos à noite, das quais se escondia debaixo das mantas; evitava falar à vizinha do rés-do-chão para não fazer ciúmes ao sujeito do 2.º Esquerdo; subjugava-se ao chefe de secção lá no trabalho, que lhe distribuía pilhas e pilhas de processos sem que protestasse, só para que não lhe desse ainda mais trabalho; receava os dentes do cão da velhota do 318, ao fundo da rua, que o obrigavam todas as manhãs de Sábado a saltar o quiosque do bairro para ir comprar o Expresso três quarteirões adiante, perdendo a hora de almoço; e tinha medo de um ror de coisas mais, tão insignificantes, que seria exaustivo e doentio enumera-las também aqui.

 

            Mas só para que fique a ideia,

            Era um Medo tão medroso, que ao chegar da rua, se trancava no guarda-roupa do quarto, horas a fio às escuras, a roer as unhas e tremer dos joelhos como “varas verdes”, sem saber porquê.

 

            Em suma…

 

            Era um Medo tão medroso,

 

            Que até metia medo!

 

           

            Tanto…

            Que ninguém se lembrava de o procurar

            No Guarda-roupa

            Lá do quarto.

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 13:52 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 

 

 

 

            Ovídeo escreveu também um livrinho, De Medicamine Faciei Liber (livro sobre os cuidados do rosto), que pouco mais é que uma lista em verso de receitas de cosmética; no entanto entre algumas destas receitas, dá alguns conselhos às mulheres, que são verdadeiras pérolas de sabedoria.  

Não resisto a transcrever este, que vem mesmo antes da receita sobre o remédio para os papos debaixo dos olhos ou manchas na cara:

 

            «[…] que a vossa primeira preocupação seja cuidar da formação do carácter; as qualidades da alma dão ao rosto novos atractivos. O amor que surgiu graças a um bom carácter é duradouro; a idade há-de causar estragos na vossa beleza e as rugas hão-de sulcar o vosso rosto sedutor… A virtude proporciona satisfação, dura toda a vida, por muito que seja, e, aonde ela está presente, o amor mantém-se.»

 



publicado por Manuel Maria às 13:51 | link do post | comentar | ver comentários (2)

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds