Quinta-feira, 31 de Maio de 2007

 

 

 

Anacleto Dimas                                          Pinto

Belarmino Carquejeiro                               Pinto

Cremilde Carmo                                          Pinto

Dulcelinda ferreira                                        Pinto

Emídio Lourenço                                          Pinto

Floriza Martins                                                Pinto

Gregório Silva                                                Pinto

Hermenegildo Rodrigues                           Pinto

Ilídio Loural                                                     Pinto

Joselino Contente                                         Pinto

Lucílio Lopes                                                  Pinto

Marlon Buter                                                    Pinto

Neuza Delourdes                                           Pinto

Olinda Costa                                                   Pinto

Pirraça Rosa                                                    Pinto

Quitéria Alves                                                    Pinto

Rosalina Gaspar                                             Pinto

Secolinda Moreira                                           Pinto

Tobias Varela                                                  Pinto

Umbelino Teixeira                                          Pinto

Victolina Domingues                                     Pinto

Wilson Arrimar                                                Pinto

Xavier Louçano                                              Pinto

Yu Hua                                                            Ping

Zeferino Pereira                                             Pinto

 

E à falta de um "K" de "Kousa"...

 

 

         José    Carvalho                                        Pinto...

                                                                                 De Sousa:

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 13:01 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 28 de Maio de 2007

 

 
 
Ponte de Sequeiros, Limite do meu antigo concelho de Vilar Maior (reino de Leão) com Portugal.

 

 

 Vou por esses campos adentro,

por entre maias e rosmaninho,

em cima da minha "bike" nova.

 

À barreira da "Ponte-da-Guarda",

desmonto e sigo a pé.

Levanta-se um coelho numa cova

da horta do Zé da Cruz

e atravessa, de um pulo, o caminho.

Ao fim da subida

monto a "bike" novamente

deixando a sombra no alcatrão quente.

A meio da pequena descida,

uma pedra ao alto levantada:

Ali mergulhou o Agostinho

na sua velha motorizada.

"Ó vós que aqui passais

-diz a inscrição-

tende piedade da sua alma

e rezai um padre nosso e uma avé Maria".

Persignamdo-me, sigo adiante,

passando a ribeira,

que vai cheia,

e com enrome esforço de pernas,

 dando à roda pedaleira,

as crejeiras do Ti Pascoal,

o depósito da àgua

 e ao cemitério,

 pergunto ao homem do tractor:

 

-Amigo, para a "Ponte Sequeiros", qual é o desvio?

-À saída, na curva, vire à esquerda e siga o rio.

 

A sede aperta,

encosto a "bike"

e entro no café.

Ao segundo copo

Já querem saber de onde sou.

Respondo:

 

- De longe... de muito longe...

 

E como ali vim dar.

Divago:

 

-No vento... vim no vento!

 

Seguindo caminho,

 agora sempre a descer,

lameiros e freixos de um lado e de outro,

-Lá está a curva e o desvio-

começa a chover,

abre-se o arco-íris

sobre os montes em redor.

O caminho trona-se ruim,

Sigo a pé então,

e mais adiante, enfim,

surge a ponte com o seu torreão.

 

Um rebanho desce a enconsta sobranceira

e pergunta-me o pastor:

 

-De onde é voçê, amigo?

 

E eu respondo:

 

-De longe... de muito longe...

 

-E vai para onde?

 

-Para onde me levar o vento...

Vou no vento...

 

E ele -estou ainda a vê-lo- de cajado, encostado ao muro:

 

-Não vai não, amigo...

que traz um furo

no pneu!

 

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 11:05 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 25 de Maio de 2007

 

 in "zeoliveira.blogs.sapo.pt"

 

 

Um tipo acorda com os pés de fora

E para desanuviar a porcaria da vida

Diz uma piada sobre um gajo

Que fizeram engenheiro do pé prá mão.

 

Veja-se:

Não lhe chamou cabrão…

Não lhe chamou filho da Puta…

Não lhe chamou corno…

Nem o mandou para a puta que o pariu…

Muito embora o pudesse ter feito

 

Mas

A Margarida Moreira, rotunda,

De seio farto, infarto certo,

Obtusa, Iconoclasta,

De quem nunca se ouvira falar,

- mas chegou a um cargo de direcção-

Chama-o logo à colação:

 

-Tome cuidado, senão

Vai para a rua do pé prá mão

 

E ele vendo o caso mal parado:

 

- Pois… fizeram-no engenheiro do pé prá mão…

melhor que fazerem-no cão da mão pró pé..

Não é carago?

 

E reparando que ninguém o escuta:

 

 

 Filh(…) da pu… filh(…) da pu...

 

 



publicado por Manuel Maria às 16:30 | link do post | comentar

Quinta-feira, 24 de Maio de 2007

 

 

   

       Além do medalhão que trago ao pescoço, tenho outro pequeno retrato de minha mãe. Não está à vista, antes bem fechado numa gaveta do armário, de onde o retiro quando me dão as saudades. – normalmente quando me sinto mais vulnerável que o habitual, quando a crise da meia idade e o espectro da ceifeira morte tornam mais insuportáveis as dores da velhice que aí vem.

 

       È um retrato tirado há dois anos em Fátima. Está ela sentada num muro do santuário, bengala numa das mãos e vela na outra. Dos seus cabelos brancos sobre a testa e dos traços bonitos do rosto emana uma graça divina, brilhante e maravilhosa.

 

       Mantenho grande devoção por este santo retrato e guardo-o religiosamente na sua gaveta, debaixo das camisolas de lã, como o meu maior tesouro, para que não seja profanado, e só o mostrei a uma única pessoa de relance.

 

       Quando esporadicamente o observo, e hoje foi um desses dias, parece-me uma fonte de luz diante dos meus olhos. Com serena graciosidade me espera, tal como em menino ao retardar-me no caminho, aguardando que passem as sombras que me demoram deste lado…

 



publicado por Manuel Maria às 13:57 | link do post | comentar | ver comentários (3)

 

 

 

 

  

       Depois da morte de minha mãe entrei numa grande melancolia. Faço longas caminhadas e passam dias que não falo a ninguém. Nos meus passeios há um recanto de rio que me apazigua bastante. Ali acabo as minhas tardes invariavelmente.

        Numa dessas tardes, jazia eu cansado, junto ao rio, com o queixo sobre as mãos, tendo no coração e nos olhos a paz desta amena Primavera. Queria ficar assim, dissolvendo-me na melancolia do córrego, do choupo e dos freixos. Um livro aberto mas abandonado, estava a meu lado como de costume; naquela modorra de fim de tarde, não me apeteceu lê-lo.

        Estava tão absorto nos meus pensamentos, que não ouvi o meu amigo aproximar-se silenciosamente. De repetente estava junto de mim, segurando a boina na mão.

  

       Fiquei calado e permaneci deitado. O meu amigo sentou-se ao meu lado. Ficámos muito tempo a olhar para o regato, escutando os ruídos da água e a gozar a leve brisa da tarde que se levantava sobre as copas das árvores. Um bando de patos deslizou na água, atravessando das hortas para o lameiro, uns metros mais abaixo. Depois de um longo silêncio o meu amigo conclui:

  

- Isto aqui é triste…

 

      Depois de novo silêncio perguntou:

 

 -Porque vens tu aqui?

 

       O meu amigo estendeu-se também no chão. Estava de costas virado para o céu, a ver as copas dos freixos e recomeçou:

 

 -Se fossemos nuvens… podíamos ir para longe…

-E para onde querias tu ir?

-Ora… à cidade… íamos até à Guarda…

 

 

       A Guarda era o limite do mundo do meu amigo. A terra maior que vira na vida de campónio. Nesse momento invejei-o. Era bem simples o mundo dele: Levantar… deitar… comer… dormir… gozar o sol… ver as nuvens… ir à Guarda. Olhei-o em frente, por cima dos braços apoiados, e contrapus:

 

- Seria bom era se fôssemos peixes, ou seixos, ali debaixo de água… isso sim!

 

      E fechei os olhos, imaginando-me um peixe a nadar entre os seixos brancos, rente ao fundo, bem longe das minhas preocupações. E rematei:

  

  -Isso sim… seria mesmo bom!

 

 



publicado por Manuel Maria às 13:53 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 23 de Maio de 2007

 

rosas.jpg

 

 

 

Dois capangas sentaram-se na esplanada

De perna cruzada e ar suspeito

À espera que o funcionário passasse;

O Jornal aberto ao acaso

Para disfarçarem

E copos de cerveja

Sobre a mesa.

 

Passa

E não passa...

Deram as cinco

Na Torre dos Clérigos

E o Funcionário nâo desceu

A Rua como de costume.

 

Os capangas, nervosos,

Acenderam cada um seu cigarro

E para fazerem conversa

Lamentaram o azar do funcionário

Que fora contar ao Bufo

A piada sobre as habilitações

Do Chefe.

 

Cinco e pico...

Costa livre...

Finalmente o funcionário

-passo acelarado, óculos na ponta do nariz-

Virou a esquina.

 

Os capangas,

De um pulo

-mesas e cadeiras pelo chão-

Deitarm-lhe a mão

E levaram-no

Para interrogatório.

 

 

 

(Ao Prof Fernado Charrua, demitido pelo M E por dizer mal do Sócrates)

 



publicado por Manuel Maria às 16:44 | link do post | comentar

Segunda-feira, 21 de Maio de 2007

 

 

 

 Ia muito bem a guiar serra acima

Quando ao fazer a mudança

O automóvel veio por ali abaixo,

De marcha à ré.

 

 

E ela- branca como cal- saiu

Pelo vidro da frente:

"Fora a mão divina" –dizia,

Vendo como o muro desfeito

Impedira a queda

No abismo.

 

 

Contou então como tudo acontecera:

A mudança não entrara… o motor parou…

Os travões não obedeceram…

E só deu tempo de guinar

Contra o muro.

 

 

"Ficara toda pisada" – e exibiu uma negra-

Que o vizinho, muito cavalheiro, pondo a mão,

Verificou " aqui… - e coxa acima- ou mais aqui?"

E ela " que sim… mesmo ali…"

"Se precisava de alguma coisa" – Quis saber-

E ela – aflição- afastando-lhe a mão

"Que não!"

 

 

Se fora milagre? Não era evidente?!

O automóvel (todo empenado) virara sucata

E ela nem um arranhão…

A não ser aquela nódoa negra

-e mostrava a perna para que todos vissem-

A meio da coxa.

 

 

E todos concordaram

"Que milagres daqueles…

De facto...

Não se viam todos os dias!"

 

  

 



publicado por Manuel Maria às 17:57 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Sexta-feira, 18 de Maio de 2007

 

 

 

O Sol a pino sobre o muro

a sombra projectada no jardim

de quando a casa era habitada.

 

Depois as doze badaladas no relógio...

silêncio...  leve aragem... ao fundo o rio.

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 09:56 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quinta-feira, 17 de Maio de 2007

 

 

 

Um corvo

poisou no arame da roupa.

Um corvo novo por estas bandas.

Um senhor corvo

de casaca preta

e

cartola.

 

Um corvo irrequieto

que voou sobre a tosseira do alecrim

para a galha da nogueira,

descuidado,

contente

do sol

das nove.

 

E quando me virei

para te dizer: "Amigo, olha um corvo!"

sua excelência tirou a cartola

fez uma vénia,

levantando a direito

sobre o muro.

 

 

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 09:41 | link do post | comentar | ver comentários (2)

 

 

 

-Mãe... o céu é azul, não é?

- É filho... é azul o céu.

-E a lua mãe... a lua é amarela... não é?

- Sim filho... a lua é amarela.

- E tu mãe... o teu vestido é azul... és como o céu... não és?

- Sou filho... sou como o céu.

-E como a lua? também és como a lua?

-Um dia filho... um dia serei como a lua.

-Quando, mãe?

-Quando for para o céu...

-E também vais ser redonda?

-Não filho... não....

-Porquê, mãe?

-Porque serei quarto crescente...

-Porquê?

-Porque tem dois biquinhos... um é o mano...

- E o outro, mãe? E o outro?

-O outro és tu... meu tolinho!

 

 

.

 



publicado por Manuel Maria às 09:32 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 16 de Maio de 2007

 

 

 

Chinês...

Quadros de casacatas orientais na parede;

lanternas de luminárias pendendo do tecto.

 

Chinês...

Vem a empregada,

 que faz uma grande vénia

 e sorriso amarelo

 de orelha 

a orelha.

 

Chinês...

Arroz xau xau,

 pede a gente;

mais um trinta e três

e um trinta e quatro

 só para a ouvir

repetir:

- Aloz xau xau...

tlinta  tlês...

tlinta  clato...

sinhol.

 

Chinês...

E acrescentamos à lista:

-Uns pauzinhos também

por favor!

 

E Ela:

-Pauzinho também...

fá favol!

 

 



publicado por Manuel Maria às 10:02 | link do post | comentar | ver comentários (2)

 

 

 

 

O Manuel Simões,

Homem rude cá da terra

 e dono de soberba junta de vacas,

fartas e luzidias,

quando lhe dizem serem ruins de leite,

responde invariavelmente.

-E que tem? Comem muito...

mas também cagam muito!

 

Não sendo guru dessa treta da agricultura biológica,

e nunca tendo aberto um livro na vida,

bem sabe o Manuel Simões,

melhor que ninguém,

que para semear,

tem de se estrumar

ao rego

também.

 

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 09:57 | link do post | comentar | ver comentários (2)

 

 

 

   A poesia é a superação da realidade pelo sonho. Do nada se vai ao tudo; mão fechada que se abre à imaginação.

   Em Platão era descrição nua e crua da realidade; nada!. Em Aristóteles, transgénese, sonho... imaginação; tudo!

   Foi um caminho bem difícil de superação e a poesia ao longo dos tempos, de Homero a Cesariny. passando Ovídeo, Vergílio, Petrarca, Camões, Pessoa, Pascoais, Nehruda, Eugénio, andou pelas duas fronteiras, umas vezes mais chegada à terra, outras mais colada ao céu.  Umas vezes mais real, outras mais surrealista.

   O problema é que a burguesia florescente das cidades, apegada ao vil metal, criou a partir do sec. XIX novas formas e conceitos estéticos gtanto na arte em geral como na poesia em concreto.

   Na arte apareceu o dito modenismo, com derivações. no impressionismo, dadismo faubismo, cubismo etc.     Em suma... a arte morreu. arte no conceito tradicional não existe; esgotou-se. Agora é tudo o que no mercado e para os críticos é vendável.

   Na poesia apareceu a "veborreia" da palavra "exdrúxula", da palavra medida, descontextualizada. è um efeito poético... diz-se!  A poesia no conceito tradicional em que a conhecemos desde platão, também morreu. Agora é tudo o que impressione os tolos.

   Toda a gente esqueceu que a verdadeira poesia ( isto é, a imaginação, ingenuidade) nasce das coisas simples da vida. É expontânea e automática como o respirar. Está na viv~encia telúrica em comunhão com a natureza.E esse dom não é para todos!

    É que para sonhar é preciso ser-se livre e desprendido como uma criança.

    Em suma: A poesia e a arte... Já não existem!

    E assim sendo, este blogue também não!

 

 

  



publicado por Manuel Maria às 09:28 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 8 de Maio de 2007

 

 

 

Quando canta o zeca

O mundo suspende-se

sob os pés;

A imaginação sobe à estratosfera

E nada mais conta!

 

Quando o Zeca canta,

Pode não ser a Gal Costa,

Mas a sua boca

É uma montanha de fogo

Onde aparecem

Flores

Selvagens.

 

O Zeca,

Trovador português,

É bem maior que Gal Costa!

 

Sou eu,

Que já ouvi os dois

Ao vivo,

Quem o diz!

 

 



publicado por Manuel Maria às 16:32 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 7 de Maio de 2007

 

 

 

 

Terra! Muita terra!

Muita água!

E muita fraga!

 

Vilar Maior! Badamalos! Arrifana!

Folha do Escabralhado e Bismuila!

Terras ermas por onde o meu espírito aquífero corre!

 

Lugar do Pereiro!

E lá ao fundo o rio...

O Cheiro à resina dos pinheiros...

À flor das giestas...

Às maias!

O Açude dos Gatas a cobrir as poldras!

O moinho! as veigas semeadas!

E ao virar ao baçelo do Freire

A torre de menagem...

A flecha da Igreja...

As alminhas...

O Pelourinho...

A praça...

O paço dos Rebochos...

A Lenda da Senhora dos Cornos...

Vozes e passos indo e vindo no casarão deserto...

Almas penadas do outro mundo...

E o vento fazendo ranger as portas!

As noites frias!

A lareira acesa pela noite fora!

As bogalhadas! os caretos de entrudo!

O toco! as janeiras!

A ceifa as desfolhadas!

Os bailaricos no terreiro!

A concertina do Zé Laranja...

Eternamente desafinada

(como se alguém se importasse!)

A tocar no cimo do povo!

 A capela do senhor dos Aflitos!

A capelinha de S. sebastião...

Carreirinhos abertos na erva das hortas

Levando aos poiais de pesca!

Leiras de pimentos e feijões ao alto!

Ai a frescura da adega!

Ai o presunto dependurado do tecto

(guitarra portuguesa comida às fatias

com um copo de tinto da pipa!)

Ai pimentos cortidos na talha!

Ai queijinho fresco de cabra todos os dias!

E as resguardas da ponte...

Ai as resguardas se falassem!

Sob aquela acácia ao portão do Manel

Os beijos à Fátima do Amadeu!

Ai acácia que velha estás!

Ai Fátima, onde andarás tu agora?

 

Ai Mocidade! Mocidade!

Quando o sonho comanda a vida!

 

Ai flauta de pau sabugueiro!

Ai minha gaita de beiços!

Como me lembrais agora!

 

E a grande amoreira

Que havia no curral do Simões?

E a rusga aos ninhos?

E o rebusco às vinhas

À saída da escola?

 

E o Chico Bárbara passando à porta

A cavalo no boi preto

E comprimentando com um "olá menino Joãozinho"?

E...

 

 Ai! ai! ai!

Mil vezes ai!

Que a minha mocidade

Há muito foi na enxurrada

Daquele rio!

 

Agora...

 É a Marta quem me diz:

-Pai, vamos apanhar sardaniscas!

 

E eu...

Mocidade...

pela mão dela,

Vou

À caça de sardaniscas

Nos muros dos quintais...

Sempre

A cavalo no meu boi

Preto!

 

 



publicado por Manuel Maria às 16:52 | link do post | comentar

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds