Segunda-feira, 30 de Abril de 2007

 

 

 

 

 

O sol da meia-tarde sobre as hortas;

O caminho descendo como serpente.

E ele. - Sabes, amo-te!

E ela: - Quem mais jura, mais mente!

 

 

A fonte velha, que transborda...

Refrescam-se na água corrente.

E ele. - Sabes, amo-te!

E ela: - Quem mais jura, mais mente!

 

 

Param à Figueira das Entre-vinhas

Hesitando no caminho em frente.

E ele. - Sabes, amo-te!

E ela: - Quem mais jura, mais mente!

 

 

Metendo pelo caminho da Correia,

Passam a vinha do senhor tenente.

E ele. - Sabes, amo-te!

E ela: - Quem mais jura, mais mente!

 

 

À Ladeira da Cruz, naqueles campos em volta

Nem uma alma; nem sinal de gente.

E ele. - Sabes, amo-te!

E ela: - Quem mais jura, mais mente!

 

E à curva do Pindelo, a seguir às poldras,

Nm renque de erva tenra  que ali  o rio tem.

Ele. - Sabes, apetece-me!

E ela: - Ao diabo as juras. A mim também!

 

 



publicado por Manuel Maria às 16:20 | link do post | comentar

Sexta-feira, 27 de Abril de 2007

 
 

 
 

 
         "Se fosse uma águia, voaria sobre grandiosas montanhas, sobre rios caudalosos e teria ninho em penhascos altaneiros.

        Se fosse uma gaivota, era meu todo o azul, céu e mar minhas estradas, das viagens de descoberta.

        Se fosse uma andorinha, ia para sul em busca de luz e calor. E voltava na primavera, a matar saudades dos lugares bonitos que aqui deixei.

        Sendo pardal, uns poucos grãos e este riacho me bastam. Aqui bebo e me banho e, neste riacho, pode caber uma existência plena".
 
        Ana - in «testaalta.blogspot.com»


publicado por Manuel Maria às 11:38 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007

 

 

 

 

     O Eduardo anda no jardim de Infância com um primo, ligeiramente mais velho. Acompanha-o em todas as brincadeiras. Outro dia, o primo não lhe ligou nenhuma.

     -Pimo! -e o primo, nada!

     -Pimo! - e o primo, nada!

     -Pimo! - e o primo nada!

      Desabafou com a auxiliar.

      - O pimo já não binca comigo...

      -E porquê, Eduardo?

      -Agora anda sempre com a Ana...

      -Deixa lá... os apaixonados são assim... quando lhe dá esquecem os amigos...

       - pois...

       - Anda, quando se zangarem... já brinca contigo...

       E o Eduardo, na sua altura de meio reis de gente, passou pelos pombinhos e atirou ao primo:

        - Hás-de cá vir!

 

  

 



publicado por Manuel Maria às 15:32 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 24 de Abril de 2007

 

 

 

 

          Aldeia deserta!

 

         Aqui viverei. A minha vontade ja não me leva além destes montes. Pertenço aqui. Está decidido!

 

          Aqui da colina, voo mais alto que os outros pássaros, lá em baixo. Pairo sobre as ruas desertas como o milhafre. Este voo higiénico de todos os dias, me basta: Duas voltas sobre a praça, um voo razante à flecha do campanário e a descida abrupta sobre a escarpa do rio, onde tenho o ninho.

         

          Aldeia vazia

          Terra dos dias calmos

 

           Só as minhas asas

           Flamejantes!

 

         



publicado por Manuel Maria às 15:00 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Segunda-feira, 23 de Abril de 2007

 

 

 

 

 

 

Mata-me, meu amor

Com os beijos da tua boca..

 

Como és bela,

Como és doce!

 

Fica assim deitada

No meu ombro

Para melhor ver a tua face

Para melhor ouvir a tua voz!

 

Os teus olhos, para mim são pombas

À beira da água do tanque,

O teu cabelo… seara de Centeio

Ondulando na encosta da serra;

Os teus lábios… favos de mel;

Metades de romã, os teus seios;

E nos braços, torneados a ouro,

Tens encrustados milhares de rubis;

Que colho um a um

Sem descanso.

 

És bela como a lua

Fulgurante como o sol,

Meu amor.

 

 

És o meu jardim secreto

Com cheiro a fruta madura,

Açafrão, canela, incenso,

Jasmim, alecrim,

À sombra do qual me deito

Nos dias de calor.

 

És a fonte de água fresca

Que desce da montanha

E onde mato a sede

De todos os dias.

 

Mata-me pois, meu amor

Que os beijos da tua boca

Sabem-me a mel.

 

Mata-me, meu amor.

Mata-me

Com os beijos da tua boca.

 

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 17:56 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Sexta-feira, 20 de Abril de 2007

 

  

           

O Ti Morcela teve dois filhos; dois homenzarrões sólidos, de boa aparência. O mais velho fez-se Guarda – Florestal, o outro, por lá anda, pela vila, sem ocupação.

O primeiro tomou-.se de amores pela cunhada e um dia, roído pelo de remorssos, pendurou-se num castanheiro da serra.

Foi o sargento da guarda, com um praça, que levou a notícia ao velho Morcela.

            - O seu filho teve um contratempo lá em cima – começou o sargento.

            - Qual deles?

            - O guarda…

            - Mas lá… onde?

            - Na serra.

            -E depois?

            -E depois? Morreu – atalhou o praça, farto daquele “ram ram”.         

            -Ah sim? – Fez o velho Morcela, poisando a enxada. – Como?

            -Enforcou-se – disse o sargento.

            -Ah!

            E quando o tentaram consolar, ele baixou a cabeça e continuou a descavar as videiras, como se nada tivesse acontecido. O sargento e o praça virarm costas, carreiro acima.

            Voltou para casa à noitinha, como se fosse um dia normal de trabalho. Quando passou a vila, como todos já sabiam a novidade, davam-lhe os sentimentos. E ele, abrandando a marcha, acenava; agradecia.. Mas ninguém lhe viu verter uma lágrima.

            A partir daí o velho morcela deu em beber e em bater na mulher. Esta, farta de ser o bombo da festa, deixou-o. Passou a vaguear pelos cafés e tabernas da vila e a dormir no banco da carrinha.

            Há dias encontrei-o no café do Luís. Completamente inebriado, tinha-se encostado ao balcão e adormecido  em pé. Acordou com o próprio ressonar, tirou a camisola, as calças, as botas  e enroscou-se debaixo de uma mesa, para dormir. Ali esteve uns minutos até que o luís, perdendo a paciência, ameaçou chamar o 112.

            Então arrebitou. Levantou-se, com aquela calma que lhe é peculiar e vestiu-se:

            -Ó Luís, por quem és, desculpa-me. – e como o Luís continuasse zangado- desculpa…. vá!... olha que te quero bem… foste tu que tiraste o meu filho do castanheiro…. desculpas?

            -Pronto… desculpo – condescendeu o Luís.

            -Mas desculpas, mesmo?

            - Sim... desculpo…

            - Mas desculpas mesmo?

            -Porra!... sim… já disse!

            - E deve-se alguma coisa?

            -Não… não deve.

            -Então vou indo…

            E saíu a cambalear, tentando alcançar a carrinha, do outro lado da rua. E eu atrás, amparando-o, para que não caísse.

            Ele há homens que têm cada forma estranha de chorar!...

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 13:38 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Quinta-feira, 19 de Abril de 2007

 

 

 

 

 

Enquanto escrevo,

Lês.

 

Uma pausa.

A mão

Suspende-se no ar.

Os teus olhos

Levantam-se do livro.

 

A mão treme.

Um beijo

Na Tua boca

Oceânica.

 

A tua fronte...

O teu cabelo em dilúvio...

A torrente dos beijos

Penetrando em ti

Até ao fundo.

 

E eu

Em ti,

Desfazendo-me

Em água!

 

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 16:29 | link do post | comentar

Terça-feira, 17 de Abril de 2007

 

 

 

 

Enfunando os papos,
Saem da penumbra
Aos pulos, os sapos.
A luz os deslumbra.

Em ronco que aterra,
Berra o sapo-boi:

- "Meu pai foi à guerra!"
- "Não foi!" -- "Foi!" -- "Não foi!".

O sapo-tanoeiro,
Parnasiano aguado,
Diz: - "Meu cancioneiro
É bem martelado.

Vede como primo
Em comer os hiatos!
Que arte! E nunca rimo
Os termos cognatos.

O meu verso é bom
Frumento sem joio
Faço rimas com
Consoantes de apoio.

Vai por cinqüenta anos
Que lhes dei a norma:
Reduzi sem danos
A formas a forma.

Clame a saparia
Em críticas céticas:
Não há mais poesia
Mas há artes poéticas . . ."

Urra o sapo-boi:
- "Meu pai foi rei" - "Foi!"
- "Não foi!" - "Foi!" - "Não foi!"

Brada em um assomo
O sapo-tanoeiro:
- "A grande arte é como
Lavor de joalheiro.

Ou bem de estatuário.
Tudo quanto é belo,
Tudo quanto é vário,
Canta no martelo."

Outros, sapos-pipas
(Um mal em si cabe),
Falam pelas tripas:
- "Sei!" - "Não sabe!" - "Sabe!".

Longe dessa grita,
Lá onde mais densa
A noite infinita
Verte a sombra imensa;

Lá, fugindo ao mundo,
Sem glória, sem fé,
No perau profundo
E solitário, é

Que soluças tu,
Transido de frio,
Sapo cururu
Da beira do rio...


1918 Manuel Bandeira
(Em Estrela da vida inteira)




publicado por Manuel Maria às 09:03 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Segunda-feira, 16 de Abril de 2007

 

 

 

 

A Rua da Saudade

 

No meu tempo de estudante

Era assim:?

 

Nós em cima…. na parada – O Tejo, azul, a perder de vista…

 

E aos pés… a rua a descer – empedrada – desembocando no Limoeiro.

 

 

A casa do Ary a meio, coladinha ao teatro romano. Ele acenava e entrava.

 

Nela vivia um poeta. Não era estreita… não era larga…

Era a Rua da Saudade!

 

Era uma rua à Costa do Castelo

Onde vivia um poeta.

 

-A Rua da Saudade…

 

 

 Onde as pedras da calçada 

-Dá para imaginar?-

Afinal não eram pedras...

Eram cravos.

 

Cravos vermelhos...

Muitos cravos vermelhos...

 

Naquela Rua da Saudade...

À Costa do Castelo,

Sobre o Limoeiro!.

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 09:50 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 

 

  

As pedras não voam!

as pedras voam em cima das mãos

e as pedras em cima das mãos

são o poema em construção.

 

As pedras no chão são frio

mas erguidas na vontade são casas

que abrigam os homens e acrescentam solidão.

 

As pedras não voam!

as pedras voam

quando os olhos olham

e é nos olhos que os poetas como os pássaros se demoram.

 

As pedras cinzentas

algumas coloridas a fingir de flores.

Algumas são casas, outras escultura

e algumas ainda a face desconhecida de uma divina criatura.

 

As pedras no chão são frio

as pedras no prato são pão

e á beira terra são rio

e na mudez de alguem possivelmente são uma canção.

 

As pedras não voam!

as pedras voam em cima das mãos

e as pedras em cima das mãos são os livros antigos

de uma oração com a natureza.

 

As pedras são fortes

mas não magoam

como as mãos que atiram á sorte

a vida ao chão.

Olha o céu!

aperta aquela mão invisivel da montanha

uma pedra não voa mas em nome de Deus importa o amor na forma que tenha.

As pedras não voam

as pedras não choram

mas as pedras são a terra que ensinam o caminho aos homens.

 

As pedras não voam

as pedras voam em cima das mãos

e as pedras em cima das mãos

são um poema em construção

 

Lobo in «dasletras.blogs.sapo.pt»



publicado por Manuel Maria às 08:57 | link do post | comentar

Sábado, 14 de Abril de 2007

 

  

  

As botas sujas de terra

E cavavam.

 

Cavavam, cavavam...

Tchão... tchão; tchão... tchão; tchão... tchão;

Cavava cada um sua valada,

Cada um a sua linha da vida,

cada um o seu fado,

Entre as cepas das videiras.

 

Cavavam, cavavam...

Tchão... tchão; tchão... tchão; tchão... tchão;

Dez homens cavavam

a vinha.

 

Eram dez homens

Na vinha 

E uma mulher

 

E as enxadas subiam e desciam

A passo certo e ritmado.

Tchão... tchão; tchão... tchão; tchão... tchão;

O telhado da primeira casa da aldeia

Espreitava a seguir às alminhas

E nem uma aragem nas ramadas,

Nem um pássaro,

Naqueles campos em redor...

 

Os dez homens e a mulher cavavam

A vinha.

Eles cavavam... cavavam...

Tchão... tchão; tchão... tchão; tchão... tchão;

Pois cavavam...

 

Mas de guitarra

Nas mãos!

 

O telhado da primeira casa da aldeia

Espreitava a seguir às alminhas

E naqueles campos em redor...

Tchão... tchão; tchão... tchão; tchão... tchão;

 

Só o tanger pungente

Das guitarras!

 

 

Disse guitarras?

Cabeça tonta!...

Enxadas!...

 

Enxadas!

 

 

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 15:34 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 

 

 

Esta noite tá um vento.
Faz lembrar meu catavento.
Era de puro mandacaru seco.
De um galho que colhi daquele mandacaru gigante
que cortaram para botar roça.
Depois de derrubada, ateavam fogo na caatinga.
O mandacaru, cheio de água, não queimava.
Ficava o caule intacto.
As pessoas recolhiam para fazer tábuas para portas.
Fazer mesas.
Caixões dos defuntos das pessoas mais humildes.
 
Eu usava para construir cataventos.
Gaiolas.
Carros.
Aviões.
Porteiras.
E tudo mais que deitava na imaginação de menino da roça.
 
Pois era um catavento gigante.
Era mais ou menos do meu tamanho de dez anos.
Para girar, apesar de muito leve, somente nas ventanias de agosto.
Ou nas tempestades das trovoadas de novembro.
Eu esperava paciente.
 
Quando girava fazia um barulho rouco.
Meu coração batia acompanhando o rítmo.
Fiz muitas viagens em cima daquele juzeiro
pilotando o meu catavento enorme.
 
Para isso eu o pus bem no alto de um juazeiro
que havia em minha casa.
Quase ninguém mais subia naquela altura.
Não tinham motivos para isso.
Quando muito,os outros meninos iam até
os ninhos dos cabeças.
Eu não.
Pregava o bicho numa vara de marmeleiro bem robusta.
Tinha cerca de uns três metros.
O que era muito grande para o meu corpo fraco.
Subia entre os galhos cheios de espinhos até o alto.
E amarrava a vara em um haste mais forte.
A vara ficava lá com ele no seu azimute.
 
Quando o vento forte dava.
Ele ia girando meio lento por causa do peso.
Eu ficava torcendo por uma ventania dos diabos.
Sim, era assim que diziam os adultos.
Ventania dos diabos que derruba as roças.
Derruba as cercas.
Suja as casas.
Carrega as palhas secas, comida dos bichos.
Era delas que eu gostava.
Que viesse com o diabo e tudo.
O que importava era que eu viajasse.
Aos diabos as roças e os bichos.
Meu catavento lá no alto não tinha nada com isso.
 
Tanto é que derrubaram o juazeiro.
Derrubaram a casa.
Eu fui embora.
E o catavento ainda hoje está lá voando.
De vez em quando escuto o seu zunido.
 
ZUC-ZUC-ZUC-ZUC-ZUC-ZUC-ZUC-ZUC...
 
 
“Vela Cariri” (Francisco Avelar da Silva)  – advogado e poeta brazileiro

 



publicado por Manuel Maria às 10:20 | link do post | comentar

Quarta-feira, 11 de Abril de 2007

 

 

 

 

Cortando à frente o vento,

Num bater de asas precipito-me

No abismo!

 

Sublime era o céu, perfeita é a morte!

 

Inevitável o Fim!

 

 

 

 



publicado por Manuel Maria às 09:30 | link do post | comentar

 

 

 

 

 Eu queria ter
a altura das estrelas
e o brilho forte do luar;

a força grave das trovoadas
e a magia suave das ventanias.

Eu queria ter
a candura das primaveras,
e a ternura das feras
ao nascer,

a alegria do arco-iris
e a frescura louca
das marés...

De Tua graça,
enchia este mundo,
vazio e desavindo
que, de qualquer jeito,
em vão,
procura ser feliz.

Prendê-lo-ia
bem a mim
e com a força
dos teus braços,
o ergueria
em oferenda,
aos cumes infinitos
do Teu Amor...

E prostrados,
em louvor
ficaríamos
para sempre,
no abrigo,
seguro,
a Teus pés...

 

 

Vítor Magalhães in “raizesdomundo.blogspot.com”

 



publicado por Manuel Maria às 08:55 | link do post | comentar

Terça-feira, 10 de Abril de 2007

 

 

 

 

Navio Naufragado
Vinha de um mundo
Sonoro, nítido e denso.
E agora o mar o guarda no seu fundo
Silencioso e suspenso.


É um esqueleto branco o capitão,
Branco como as areias,
Tem duas conchas na mão
Tem algas em vez de veias
E uma medusa em vez de coração.

 

Em seu redor as grutas de mil cores
Tomam formas incertas quase ausentes
E a cor das águas toma a cor das flores
E os animais são mudos, transparentes.

 

E os corpos espalhados nas areias
Tremem à passagem das sereias,
As sereias leves dos cabelos roxos
Que têm olhos vagos e ausentes
E verdes como os olhos de videntes.

 

 

Sophia de Mello Breyner in "Dia do Mar" 1947

 



publicado por Manuel Maria às 08:48 | link do post | comentar

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds