Terça-feira, 15 de Março de 2011

 

 

1. Observação preliminar

Mestre na arte de versejar, senhor de virtualidades técnicas notáveis, Leal Freire é o maior poeta de Riba-Côa e aquele que melhor interpreta a alma do seu povo.

A simplicidade dos temas, imagens, ideias, aliada, de facto, a uma perfeição formal ímpar, concorre na sua poesia para a construção de um universo lírico de rara beleza e que fez dele um dos poetas que melhor interpreta a alma do povo Ribacudano.

A sua poesia, é, do ponto de vista técnico, um exemplo de rigor métrico, de simetria, de perfeição. O lugar de cada palavra, obedece a um desígnio sabiamente amadurecido; o mesmo se diga da escolha da forma estrófica, em quadras tão ao gosto popular; a estrutura interna dos poemas, nem curtos nem longos, revela um elevado sentido de equilíbrio, numa construção  arquitectónica cuidada e minuciosa que a sabedoria de uma longa vida de escrita trazem. Há uma subtil malha de correspondências no seu interior, a deixar perceber uma verdadeira teia, onde todos os pontos se interl

igam por um fio condutor habilmente desenhado que desenvolve uma ideia simples subjacente a cada um dos seus poemas.

Mas Leal Freire é mais do que tecnicismo. Quer busque no quotidiano as suas imagens (os campos, a lavoura, os animais, os rituais da aldeia), quer as recolha no tempo cósmico, quer, enfim, as molde no universo rural, os seus textos são fiéis retratos da vida simples, com palavras simples, como convém à boa poesia.

As quadras são, como se disse, um exemplo de organização, ao mesmo tempo que uma manifestação de um espírito lírico sem par.

Esta conjugação da beleza poética e da riqueza lírica com o preciosismo técnico e inegáveis virtualidades linguísticas fazem dos seus poemas excelentes instrumentos de trabalho, tanto para a aprendizagem da língua, como para o do estudo da etnografia, e dos costumes de Riba-Côa.

Aqui se inicia, por isso, um exercício despretensioso que visa partilhar com os leitores algumas reflexões sobre a poesia de Leal Freire.

Este texto é um pequeno ensaio sobre o ethos, isto é, a alma Ribacudana, a partir da análise do poema A Ceia Do Lavrador,  de Leal Freire.

 

2. Texto


A CEIA DO LAVRADOR


Deram os sinos trindades(1)
Por sobre as casas da aldeia
Toques de suavidades
Que prenunciam a ceia


Mas mesmo que ande de zorros(2)
O lavrador, que é bom pai,
A ver se a ceia é pra todos
Não manda, que ele proprio vai.


Começa a sua inspecçáo(3)
Plas vacas, gado mais nobre
Também cabonde ração
Prás cabras, vacas dos pobres.


Á égua, luxo da casa,(4)
Á burra, sua cestinha,
Mangedora a feno rasa
Mais até do que convinha.


Pois na pia do cevado,(5)
Que só pra comer nasceu,
É o farelo um pecado,
De fartura brada ao céu.


O gado de bico dorme(6)

Ao fusco se regalara
Os cães aguardam que enforme
O caldo que nutre e sara


Aos animais sem razão(7)
Aconchego já não falta
A seguir vem o pregão
Chamando pra mesa a malta.


Filhos, netos, jornaleiros(8)
O conhecem e de cor
Mendigos e passageiros
Também cabem em redor.


Na mesa, que é um altarzinho(9)
Que branca toalha cobre
Não falta caldo nem vinho
Nem pão. regalo do pobre.


vem á ceia as courelas(10)
cada uma traz seus mimos
dá o quintal bagatelas
a veiga fartos arrimos


Das bouças vêm canhotos(11)
Que um bento calor evolam
E até os manigotos
Mandam cheiros que consolam


Vinhedos, chões e vergéis(12)
Primasias se disputam…
Nem as rochas são revéis
Em dura freima labutam.


As do monte mandam coelhos(13)
As da ribeira bordalos
Pirilampos são espelhos
A cegarrega é dos ralos.


As Almas Santas dos Céus(14)
Também descem para a mesa
A noite, negra de breu,
Resplandesce com a reza.


E quando acaba a litânia (15)
A prece que ceia encerra
Manda pra longe a cizânia
A paz reina sobre a Terra,


Dia um da criação (16)
A quantos na tasca estão.


(Leal Freire)

 

3. Estrutura

Como é usual nos poemas de Leal Freire, a estrutura é simples e dominada por uma rede de correspondências externas: A - B -A- B. C-D-C-D E-F-E-F, etc.

A – Introdução (estrofe 1 e 2).

A estrofe 1 introduz o tema ( a ceia) e o tempo (à hora das trindades).

A estrofe 2 introduz a personagem (o lavrador, que é bom pai, homem bom) e justifica, ao mesmo tempo, a narração que decorre nas estrofes seguintes.

Dir-se-ia, assim, que o tempo real do poema é o que vai das trindades à oração final da ceia do lavrador, mas com um registo temporal diferente, anterior ao da sua própria cronologia, já que â manjedoura e à mesa, vem tudo o que anteriormente o campo generoso deu. Ceiam os animais e lavrador tudo o que da natureza veio.

B – Narração (da estrofe 3 à 13). Descrição do que a natureza fornece, através do alimento dos vários animais e do lavrador.

C – Conclusão (14 e 15). São duas estrofes que emergem do que se diz de3 a14, estabelecendo um paralelo entre a ceia dos animais e do lavrador. A sua unidade, de resto, é reforçada pela projecção, ou enjambement, da estrofe 9 (a mesa, que é um altarzinho) para a estrofe 14 (aonde descem as almas santas do céu), 15 (e acaba a ceia com uma prece) e o remeate do poema na 16 (com uma espécie de libação).

 

 

 

4. Tema                     

Este é mais um belo poema de Leal Freire, no qual, uma notável rede de correspondências entre a ceia dos animais e do lavrador confere unidade ao poema, faz da ligação entre o primeiro e ante-penúltimo versos, o resumo da ideia e do tema:

«Deram os sinos trindades [...] A paz reina sobre a Terra.»

São estes os versos que resumem o poema: A vida simples e tranquila do campo, ao ritmo das trindades. Uma vida espiritual no seio da natureza que a vida moderna suprimiu com a necessidade do indivíduo em prover às sua cada vez mais exigente existência corpórea.

Uma beatus ille”, muito semelhante à áurea mediania (aurea mediocritas) já glosada na antiguidade clássica por Homero, Heráclito, Esopo na fábula do rato do Campo e do rato da cidade, e, na sequência dos estóicos, Virgílio, Horácio, também defensor de um ideal de vida calmo e sem grandes exigências, capaz de dar ao Homem a felicidade que não encontra no meio do ambiente perturbado da cidade, na glória das batalhas ou mesmo "no exercício decoroso das magistraturas" e lá fora, por Frei Luís de León, Carlyle, Tolstoy e outros, e entre nós, por Francisco Manuel de Melo, António Ferreira nalgumas das suas odes, Sá de Miranda na Carta a Mem de Sá, através do recurso também à fabula do rato do campo e do rato da cidade, e posteriormente pelos arcádicos.

 

Neste poema,em que Leal Freiretrata o seu tema recorrente das virtudes da vida no campo, da sua “pátria chica”, como costuma dizer, é o ritual da ceia, dos animais e dos homens, cuja hora é anunciada pelo toque das trindades, e culmina na prece final da ceia do lavrador, que traz a paz à terra.

E esta paz a que conduz esta bela vida, é magistralmente resumida na última estrofe, pela fraternidade e igualdade entre todos os homens reunidos na tasca, a qual dá à vida simples do campo um carácter espiritualidade e sagrado mais puros, mais próximos de Deus, porque mais próxima do criador e da sua criação:

«Dia um da criação (16)/A quantos na tasca estão

Sorrimos ao remate síngular do poema. Quem conhece o poeta, como nós,vê-o no seu geito bem Ribacudano, chapéu de abas, a entrar numa desas tascas das nossas aldeias e a oferecer uma rodada de bom graminês...

«A todos os que na tasca estão.»  

Porque esta, é a natureza  de Leal Freire, como homem de Riba-Côa.

 

(cont.)

 

 



publicado por Manuel Maria às 16:28 | link do post | comentar

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds