Quarta-feira, 1 de Julho de 2009

 

 

 

No terceiro episódio do primeiro canto, aparece a Dante um vulto que ele não distingue bem se é um fantasma ou uma pessoa viva:


"Mentre ch'i'  ruvinava in basso loco,
dinanzi alli occhi mi si fu offerto
chi per lungo silenzio parea fioco.

Quando vidi costui nel gran diserto,
"Miserere  di me", gridai a lui,
qual che tu si, od ombra od omo certo
!"

 [Enquanto eu me arruinava nesse lugar baixo,
diante de meus olhos se me ofereceu
quem por longo silêncio parecia fraco.

Quando vi esse aí no grande deserto,
"Tem pena de mim", gritei a ele,
quem
quer que tu sejas ou alma ou homem certo"]
(Dante, Inferno, I, 61-66)

            E Dante vai atribuir essa fraqueza do vulto, ao fato de que a pessoa que lhe apareceu estava assim fraca: "chi per lungo silenzio parea fioco".
[quem por longo silêncio parecia fraco],
por estar em silêncio há muito longo tempo:

            Ora, quem apareceu A Dante foi Virgílio, o grande poeta latino, que Dante – que conforme explicámos anteriormente – representa a Razão Natural, a verdade revelada.

            Era, pois, a razão, que estava enfraquecida, pelo silêncio. Aqui silêncio é o contraponto da palavra. A verdade revelada manifesta-se pela palavra, como no Génesis: “No princípio era o Verbo”, no Antigo Testamento, na Tora e Corão pela palavra do profeta, no Novo Testamento pela palavra de Cristo e dos Apóstolos.

            Não é por acaso que na Eneida, --e na Divina Comedia -- Virgílio faz o papel do mistagogo (mestre) que guia um iniciado até o conhecimento dos mistérios arcanos.
 É como mestre gnóstico que Dante se lhe dirige:

"Miserere  di me", gridai a lui,
qual che tu si, od ombra od omo certo!"

[Tem pena de mim, gritei-lhe,
quem quer que sejas, ou alma ou certamente um homem]

            E Virgílio, descreveu-se a Dante como mestre no conhecimento gnóstico. Um homem incomum, iniciado nos verdadeiros mistérios que o convida a realizar a viagem iniciática:

"Rispuosemi: "Non omo, omo già fui,

Ma tu perchè ritorni a tanta noia?
perchè non sali il dilletoso monte
ch'è principio e caggion di tutta gioia?

[Respondeu-me: "Não sou homem, homem já fui,

Mas tu, porque retornas a tanta angústia?
Porque não sobes o amável monte
que é princípio e causa de toda alegria?
].
(Dante, Inferno,  I, 67-78)

            E Dante responde a Virgílio pedindo-lhe ajuda contra a Loba (ambição das riquezas), invocando o amor com que procurou o seu exemplo:

"rispuos' io lui com vergognosa fronte.

O delli altri poeti onore e lume,
vagliami 'l lungo studio e 'l grande amore
che m'ha fatto cercar lo tuo volume.

...

aiutami da lei, famoso saggio,
ch' ella mi fa tremar le vene e i polsi".

[respondi eu com envergonhada fronte.
"Ó dos demais poetas honra e luz,
valha-me o longo estudo e o grande amor
que me fizeram procurar o teu volume.

ajuda-me contra ela, famoso sábio,
porque ela me faz tremer as veias e os pulsos"].
(Dante, Inferno, I, 79-90).

            Dante não pede ajuda contra a onça ou contra o Leão, mas contra a Loba, porque esta representa a sede insaciável de coisas materiais, vício no qual Dante vê o oposto da "sabedoria" gnóstica, do conhecimento salvador. Pala concupiscência, somos atraídos desordenadamente pelos bens materiais. Ora, a Gnose, condenando toda matéria, condena todas as coisas materiais: prazeres, riquezas, propriedades, fama, honras, etc.

            Virgílio dissuade Dante de enfrentar a loba, como lhe indicará outro caminho diverso do que o do simples retorno à "selva oscura" dos vícios, a "questo loco selvaggio":

 

"A te convien tenere altro viaggio"
rispuose poi che lacrimar mi vide,
"se vuo' campar d' esto loco selvaggio:

chè questa bestia, per  la qual tu gride,
non lascia altrui passar per la sua via,
ma tanto lo 'mpedisce che l'uccide;

["A ti convém seguir outra viagem",
respondeu-me depois que me viu chorar,
"se quiseres escapar vivo deste local selvagem:
porque esta fera, pela qual tu gritas,
não permite que outrem passe por seu caminho,
mas tanto o impede que o mata;
]
(Dante, Inferno, I,  91-102)

           

O caminho alternativo que Virgílio propõe a Dante, é o caminho que aprece já numa lenda shiita persa, contada por Shihâbboddin Yahya Sohrawardi, no século XII, -- o "Conto do Arcanjo cor de púrpura"-- que fala de um personagem perdido num deserto e que, desejando alcançar a fonte da vida, é socorrido por um ser luminoso, que lhe propõe um outro caminho de salvação: que ele faça uma viagem que começa na região das trevas para alcançar a luz.

"Ond' io per lo tuo me' penso e discerno
che tu mi segui, e io saró tua guida,
e trarrotti di qui per luogo etterno,

ove udirai le disperatte strida,
vedrai  li antichi spiriti dolenti
che la seconda morte ciascun grida;

e vederai color  che son contenti
nel foco, perchè speran di venire
quando che sai alle beate genti.

Alle qua' poi se tu vorri salire,
anima fia a ciò più di me degna:
con lei ti lascerò nel mio partire;
"

[De onde, penso  e discerno que para ti é melhor
que me sigas, e eu serei teu guia,
e tirar-te-ei daqui por um lugar eterno.
onde ouvirás os desesperados gritos,
verás ao antigos espíritos sofredores
que pela segunda morte cada um clama;

e verás aqueles que estão contentes
no fogo, porque esperam chegar,
quando quer que seja, até aos bem aventurados.
Aos quais, depois, se quiseres subir até lá,
fará isso uma alma mais digna de mim:
com ela
[Beatriz] deixar-te-ei na minha partida;]
(Dante, Inferno, I, 112 - 129).

           

            O caminho alternativo, que Virgílio propõe a Dante não é o iluminado pelo Sol, mas "la via che era smarrita" [o caminho que estava escondido], o caminho subterrâneo, que partiria do inferno, onde estão as almas desesperadas, gritando de dor e clamando que, se possível, lhes viesse uma segunda morte; depois, passando pelo purgatório, onde as almas, certas de que um dia se salvarão, por essa esperança, estão contentes, embora sofrendo no fogo.

 Virgílio (Razão Natural) avisa que não poderá levar Dante ao céu, pois como pagão não é digno disso. Quem o levará é Beatriz (Sabedoria).

Na conclusão do canto primeiro, parece-nos claro que essa viagem é alegoria de uma iniciação que tem por fundamento uma doutrina hermética e gnóstica. O pedido que Dante faz a Virgílio é elucidativo:

" E io a lui: "Poeta, io ti richeggio
…,

che tu mi meni là dove or dicesti,
sì ch'io veggia la porta di San Pietro

Allor si mosse, e io li tenni retro.

[E eu disse a ele: 'Poeta, eu te rogo

que me conduzas lá onde agora disseste,
de tal modo que eu veja a porta de São Pedro

Então ele se moveu, e eu lhe fui atrás].
(Dante, Inferno, I, 130-136)


            Dante pede que, de facto, Virgílio o conduza até chegar à porta de São Pedro, isto é, até o céu, e que ele veja também aqueles que Virgílio faz ou diz tão felizes e tristes, no Purgatório.

           ***

CONCLUINDO:

Da leitura deste primeiro canto (Inferno) da Divina Comédia, devemos concluir que Dante Alighieri era Gnóstico e a sua obra tem uma leitura oculta inacessível a qualquer não iniciado.

Nem Beatriz é quem se pensa, nem o Inferno é o que parece. Um é a Sabedoria; outro, um caminho iniciático com sete níveis simbólicos em que se progride, conforme o grau de iniciação.

Isto não é de espantar em Dante, porque faz parte da história e da obra de muitos homens geniais que se podiam citar. Nadir Afonso, um génio da pintura, resumiu bem esta busca inata da Sabedoria quando afirmou que “O homem se volta para a geometria como as plantas se voltam para o sol; é a mesma necessidade de clareza e todas as culturas foram iluminadas pela geometria, cujas formas despertam no espírito um sentimento de exactidão e de evidência absoluta” (Nadir Afonso, 2009, Na Agenda Cultural de Leiria a propósito da sua exposição de pintura no Edifício do Banco de Portugal de Leiria).

Como os versos de Dante, as palavras de Nadir Afonso para “la gente grossolana” nada dizem porque são entendidas pelo vulgo como aludindo à geometria da dimensão, do espaço e das formas, mas para “la gente de intelletti sani” têm um significado oculto, profundo, porque aludem à geometria dos símbolos, que é a verdadeira Sabedoria.

 



publicado por Manuel Maria às 23:47 | link do post | comentar

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

PELO NOSSO IRMÃO MARCOS, ...

Canção do Volfrâmio

Bom Natal a todos!

O Primeiro Lugar da Poesi...

dramátia Aldeia ao abanon...

RAMOS ROSA E O SEGREDO O...

Recuperação do Património...

As viagens Iniciàticas de...

Os Talassas

Saudade Estranha

Tradição e Pragmatismo

Romance da Branca Lua

Cavaco e o canto da Maria

Crónica do Bairro Alto – ...

Uma História do Arco Da V...

Chá de Erva da Jamaica

Cada cabeça sua sentença!

Tribunal Constitucional ...

Até um dia, companheiro!

Meu último quadro

Paul, o dragão

A Terra Dos Cegos

A venda de uma vaca

Os Insensatos

Nostálgia...

O "Assalto" ao Castelo d...

A Conjura dos Animais

Lenda do Cruzeiro de Saca...

Boas festas!

tatoo

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds